marcaminas

 

Noticias

Notícias

Histórias intrigantes entram em cena na Faixa de Cinema da Rede Minas. A emissora exibe três ficções premiadas de diretores brasileiros, nesta sexta (15): “Tiro No Pé”, de Raíssa Tâmisa, “Marcel”, de Emanuel Oreng, e “Hiato”, de Diogo Blanco.

Um suspense investigativo. Assim é “Tiro no pé”. No filme, um viúvo, que teria perdido a esposa morta em suicídio, procura a polícia e se declara assassino, mesmo sem nenhuma lembrança. Contrariando o inquérito, ele tenta reabrir o caso e convencer um detetive de sua culpa. Já “Marcel”, ficção inspirada no artista esloveno Evgen Bavcar, traz a história de um fotógrafo deficiente visual que trabalha em uma nova exposição. Por descuido, ele precisa refazer o ensaio fotográfico quando acaba conhecendo uma modelo e tem que lidar com essa nova situação. No curta “Hiato”, o público acompanha a trajetória de Pedro, que segue sem rumo pelas estradas do país. Um dia ele recebe carona de uma caminhoneira e, juntos, param em um bar onde conhecem Pierre. Os três amigos improváveis seguem bêbados noite afora e decidem qual direção tomar pela sorte de uma moeda, contudo Pedro esconde um segredo e uma carta misteriosa. A Faixa de Cinema vai ao ar nesta sexta (15), às 23h30, pela Rede Minas. Os filmes também podem ser vistos, nesse mesmo horário, no site da emissora: redeminas.tv.

miniredeminas

COMO SINTONIZAR:
A Rede Minas está no ar no canal 17 UHF ou 9.1 (HD) e 9.2 (SD); Net 20 e Net HD 520; Oi 09; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; além do site da emissora redeminas.tv e o aplicativo (redeminas.tv/aplicativoRedeMinas). ACESSE AS REDES SOCIAIS:
www.redeminas.tv
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas

Imagem: Guilherme Dias 

presepiofaop

O 48º Concurso Nacional de Presépios da FAOP teve o anúncio do seu ganhador escolhido pelo Júri Popular, o presépio de número 06, de Samuel Silva dos Santos, que contou com 1687 votos dos 5002 votos totais recebidos na votação popular. A Obra intitulada "Os Três Elementos", que utilizou como técnica: arte em garfos inox com madeira, irá receber o prêmio no valor de R$700,00.

Na votação presencial, por meio de cédulas de papel depositadas na urna que esteve disponível na Galeria de Arte Nello Nuno, foram contabilizados 268 votos, sendo destes 43 para a obra ganhadora  e na votação on-line, por meio do seu site da FAOP, dos 4.734 votos totais computados, 1644 foram para o presépio vencedor.

O concurso é realizado pela FAOP desde  a década de 70, como forma de valorizar, incentivar e divulgar a tradição e manifestação artística-religiosa, permitindo que artesãos, artistas e quaisquer interessados de todo o país usem de sua criatividade para a elaboração dos trabalhos.

Para Júlia Mitraud, presidente da FAOP, um dos pontos fortes nesta edição foi a aplicação de muita criatividade na produção das obras. “Pode-se perceber que houve um cuidado por parte dos participantes em buscar propostas muito criativas, sem esquecer da beleza e de seu conceito final. Pudemos apreciar um resultado diverso e lindíssimo que, com certeza, deixou muitos na dúvida da escolha do seu voto”, afirmou.

Conheça a classificação final (de acordo com a soma de votos presenciais e on-line):

Class. Total de votos Nome do autor da Obra Nº de Identificação da Obra
01º 1687 Samuel Silva Santos 6
02º 809 Jakson Lucio Fagundes 19
03º 802 Júlio César Gomes de Souza 12
04º 327 Raíssa Soares Gomes 18
05º 321 Maria Aparecida Cabral Reis 2
06º 173 Andressa Xavier Zinato de Carvalho 17
07º 146 Valdivino de Paula Filho 21
08º 145 Rui Geraldo de Lima 16
09º 134 José Cláudio Gomes 11
10º 110 Afonso Manoel Bretas 22
11º 88 Luzia Pedro de Alcântara 5
12º 43 Alessandra Cunha - Ropre 1
13º 38 Vitor Matheus do Nascimento Moreira 13
14º 37 Paula Alves de Lima 25
15º 21 Ana Maria Starlino de Lima 15
16º 20 Vania Margarida Cáus 4
20 Barbara Izabel Pereira Marques 20
17º 18 Gerson Honório Reis e Silva 23
18º 15 José Raimundo da Costa 9
15 Alexandre de Souza Louzada 24
19º 13 Luis Carlos Bento 3
20º 11 Marcelo Luiz Santos 14
21º 9 Caetana Aparecida Gonçalves 10

Sobre a Edição 2020
Foram recebidos 25 presépios de cidades diversas como Uberlândia, Juiz de Fora, Visconde do Rio Branco, Anápolis, Vitória, Senhora de Oliveira, Ouro Preto, Ouro Branco e Conselheiro Lafaiete, contando assim com a participação dos estados de Minas Gerais, Goiás e Espírito Santo. Todos os trabalhos foram aprovados para a exposição gratuita, que acontece na Galeria de Arte Nello Nuno, até o dia 6 de janeiro.

As obras foram desenvolvidas utilizando inúmeras técnicas, como reciclagem de materiais, pintura, colagem e escultura. O resultado é uma coletânea diversa e criativa do presépio — um incrível encontro entre tradição e modernidade.

Ganhadores pelo Júri Técnico
O presépio Minimal, criado pelo artista plástico Yure Mendes, da cidade de Juiz de Fora, chamou a atenção do júri técnico com suas formas geométricas simples, conquistou o primeiro lugar e o prêmio de R$ 1.000,00.

O segundo colocado foi o presépio Renascer, obra desenvolvida por Paulo Rogério da Silva. O artista aproveitou a sua experiência com o trabalho de antiguidades para reutilizar materiais, como o ferro e a madeira, e criar um trabalho único, que garantiu o prêmio de R$ 700,00.

O júri técnico, formado por César Teixeira de Carvalho, Maria Tereza de Resende, Roberta Aparecida da Silva, Simone Monteiro Silvestre Fernandes e Maria Aparecida Silvestre de Faria, concedeu ainda Menção Honrosa ao presépio de número 11 de José Cláudio Gomes, da cidade de Ouro Preto.

Feira de Artesanato

Entidades certificadas pela Secult representam o turismo mineiro no tradicional evento da capital mineira

A tradicional Feira Nacional de Artesanato, que acontece entre os dias 1º  e 6 de dezembro de 2020, no Expominas, em Belo Horizonte,  conta, nesta edição, com a participação de Instâncias de Governança Regionais (IGRs) certificadas pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) para representar o turismo mineiro.

Representantes das IGRs Alta Mogiana, Caminhos da Mantiqueira, Serras de Ibitipoca, Serras de Minas, Serras Verdes do Sul de Minas, e Trilha dos Inconfidentes têm a oportunidade de apresentar aos visitantes, em seus estandes, os produtos característicos da cultura mineira e dos territórios a que pertencem. Ao todo estão representados nestes stands 88 municípios mineiros.

Equipes da Secult também estão presentes no evento para dar suporte às IGRs e reforçar a representatividade do estado, que já iniciou as comemorações dos 300 anos de sua fundação. Esta ação conta com o apoio do Ministério do Turismo.

A Feira acontece de acordo com todos os protocolos de segurança estabelecidos pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais para a prevenção da Covid-19, e entre eles está o uso obrigatório de máscara para todos os participantes, uso de álcool gel 70% e distanciamento social. Outra medida inovadora de segurança sanitária é a gravação do evento em 360 graus para possibilitar a visita virtual em tempo real a todos os estandes, fazer contato com os artesãos e realizar suas compras.

Para mais informações, acesse: https://www.feiranacionaldeartesanato.com.br/

Instâncias de Governança Regionais

As IGRs fazem parte da Política de Regionalização do Turismo da Secult. São entidades certificadas pela pasta, integradas por municípios de uma mesma região com afinidades culturais, sociais e econômicas, que se unem para organizar, desenvolver e consolidar a atividade turística local e regional de forma sustentável, regionalizada e descentralizada, com a participação da sociedade civil e do setor privado.

Transmissão será realizada na terça-feira (19/1), por meio de plataforma de videoconferência; participação é gratuita

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, por meio do Setor Braille, realiza mais uma edição do projeto Tempo para Ler. Em formato virtual, o encontro vai abordar o conto “O espelho”, de Machado de Assis.

O evento gratuito é voltado para pessoas cegas, com demais deficiências e outros interessados e será realizado na terça-feira (19/1), das 14h às 15h, com transmissão por meio de plataforma de videoconferência. Não é necessária inscrição prévia. A sala para os participantes será aberta às 13h45. Clique AQUI para participar.

Em “O espelho”, Machado de Assis apresenta a fantástica experiência vivenciada por Jacobina, jovem pobre que, aos 25 anos, é nomeado alferes da guarda nacional. Essa situação desperta os mais exagerados sentimentos em seus familiares e eles começam a proferir ao jovem toda sorte de elogio e honras.

O “Tempo para Ler” é uma iniciativa que promove a inclusão de pessoas com cegueira ou baixa visão ao universo da Literatura. Com leituras das mais variadas produções, nacionais e internacionais, o projeto é, sempre, seguido de um bate-papo a respeito da vida e da obra dos autores escolhidos.  

A Biblioteca Pública Estadual é um equipamento da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) e integra o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte.

 

minimachado

Minas Recebe

Programa da Secult tem objetivo de melhorar a qualidade e apoiar a comercialização dos serviços e produtos turísticos oferecidos pelas agências e operadoras de turismo receptivo do estado

Estão abertas as inscrições para habilitação no programa Minas Recebe, da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Entre os dias 1º de dezembro de 2020 e 10 de janeiro de 2021, as agências de turismo receptivo que têm sede em Minas Gerais e interesse em fazer parte do programa de apoio à comercialização e promoção de produtos, serviços, roteiros e destinos turísticos devem fazer o seu cadastro online.

Para participar do Minas Recebe, é necessário atender a requisitos básicos como:

  • Possuir sede em Minas Gerais;
  • Ter registro ativo no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), podendo ser Micro Empreendedor Individual (MEI) ou de outra natureza jurídica;
  • Ser registrado no Cadastur como agência de turismo;
  • Possuir inscrição municipal e ter autorização do órgão municipal competente para emissão de nota fiscal ou documento equivalente;
  • Operar e comercializar produtos turísticos de Minas Gerais
  • Possuir site, blog ou rede social que divulgue informações atualizadas sobre os produtos turísticos mineiros comercializados.

O processo de inscrição para solicitar a habilitação consiste no preenchimento do formulário online disponível no Portal Minas Gerais e envio, por e-mail, do tarifário dos produtos turísticos ou versão digitalizada de material publicitário com informações dos produtos turísticos de Minas Gerais operados e comercializados pela empresa.  

Ao receber as informações do formulário online mais tarifário ou documento equivalente, a equipe da Secult irá analisar o conteúdo e sinalizar a aprovação do mesmo por e-mail. A lista oficial de empresas habilitadas no Minas Recebe será divulgada no site da Secult 30 dias após o prazo de encerramento das inscrições.

Vantagens do programa

Entre as vantagens do programa Minas Recebe está a participação em diversas iniciativas que a Secult realizada com foco na promoção e comercialização do destino Minas Gerais para o trade turístico, como viagens de reconhecimento, press trips, famtours, parcerias com empresas e presença em feiras e eventos nacionais e internacionais.

A subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, cita, ainda, uma das principais vantagens de participar do Minas Recebe. “As empresas habilitadas tem um canal gratuito de promoção e divulgação dedicado especialmente a elas no Portal Minas Gerais, que é o site com informações turísticas oficiais do estado. O portal, que somou 920 mil acessos orgânicos de janeiro a outubro de 2020, teve sua nova versão lançada em setembro deste ano, e abriga, até então, mais de 200 roteiros turísticos comercializados pelos receptivos do Minas Recebe. É uma vitrine com uma capilaridade potente, e o Minas Recebe pode ser considerado um conjunto de vantagens que pode ser mais difícil conseguir se a empresa atuar de forma isolada”, ressaltou a subsecretária.

Para 2021, as perspectivas envolvem diagnostico e acompanhamento das empresas habilitadas; reuniões e encontros de alinhamento técnico; levantamento e encaminhamento de demandas do setor; parcerias e articulações com foco em melhorias de serviços, produtos e destinos turísticos; além de práticas comuns do programa como viagens de reconhecimento, capacitações alinhadas às tendências de mercado e participação em eventos.

Balanço 2020

Para apresentar os resultados do Minas recebe durante o ano de 2020, a Secult, por meio da Superintendência de Marketing Turístico, responsável pelo programa, convidou as empresas habilitadas a participarem de um encontro virtual, que foi realizado nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro pela plataforma Google Meet.

Entre os resultados que foram mostrado aos representantes das empresas que participaram do evento, está a realização do I Encontro Minas Recebe, realizado em março; a participação no 14º Salão do Turismo Abav MG, em  março; a realização do Webinar Minas Recebe, com quatro encontros virtuais; o lançamento da nova versão do Portal Minas Gerais,  em setembro; com a novidade da página que apresenta os roteiros e pacotes turísticos das empresas Minas Recebe 2020 – já são 240 aprovados e publicados no site; participação na Abav Collab 2020; press trips realizadas com influenciadores digitais e jornalistas, em março e outubro; Capacitação em Turismo Gastronômico – Uma oportunidade em Minas Gerais, com Filipa Valente, da Taste of Lisboa Food Tours, em outubro; Festival de Turismo Gramado 2020, em novembro; IGTV Minas te Espera; apoio à adesão ao selo Turismo Responsável, do Ministério do Turismo e participação na feira de turismo e negócios Festival Cataratas, em Foz do Iguaçu, em dezembro.

Além da apresentação dos resultados do programa em 2020, a programação do encontro incluiu a palestra “Ciclo do Produto Turístico”, ministrada pelo especialista em marketing turístico digital Thiago Akira; a apresentação “Roteiros Turísticos Minas Recebe”, realizada pelo analista do Núcleo de Inteligência em Marketing da Secult, Jean Rodrigues; a palestra “A Importância do Receptivo no mercado Nacional, pelo presidente da Associação Brasileira de Turismo Receptivo (Recept), César Fernandes; e a apresentação “Os Principais Resultados na Economia do Turismo 2020”, pela coordenadora do Observatório do Turismo de Minas Gerais, Julia Boroni.

APM 10 anos politica arq

Já imaginou para onde vão os documentos quando governadores, prefeitos, secretários, enfim, dirigentes máximos da administração pública tomam posse para uma nova gestão? Reza a lenda que antigamente os documentos eram queimados para não deixar rastros de atuações desonestas, inviabilizando a possibilidade de gestores corruptos serem responsabilizados por seus atos.

Atualmente, é crime eliminar documentos da administração pública sem autorização das instituições arquivísticas correspondentes. Essa garantia foi conquistada graças às políticas de arquivos públicos desenvolvidas no país e nos estados. A Lei Federal nº 8.159/1991, que instituiu a política nacional de arquivos públicos e privados, completou 30 anos no último dia 8 de janeiro. Ela prevê, entre outras questões, a responsabilização penal, civil e administrativa, na forma da legislação em vigor, daquele que desfigurar ou destruir documentos de valor permanente ou considerado como de interesse público e social.

Em Minas Gerais, a Política Estadual de Arquivos completou 10 anos em janeiro. A Lei Estadual nº 19.420/2011 normatizou os conjuntos documentais produzidos pela administração pública estadual - os arquivos públicos - e também os arquivos privados que são de interesse público e social. Ela contempla todos os aspectos relativos às atividades arquivísticas, isto é, desde a produção até a destinação final, o acesso e a preservação do patrimônio documental estadual.

O Arquivo Público Mineiro (APM), unidade da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), é responsável por coordenar a atividade arquivística do poder público em Minas Gerais. Ele é a instituição cultural mais antiga do estado, ainda em funcionamento. Criado em Ouro Preto em 1895, inicialmente recebia os documentos de forma selvagem, ou seja, sem critérios. Antigos servidores contam que era comum chegar de manhã para trabalhar e ter uma montanha de documentos descarregada na porta da instituição.

De lá pra cá se passaram mais de 120 anos de aprimoramento e evolução dos métodos de trabalho. Atualmente, o APM é responsável pela guarda de mais 3 mil metros lineares (uma folha sobre a outra) de documentos. Somente os que possuem valor histórico ou probatório, classificados como de guarda permanente, ficam armazenados na instituição.

O diretor da instituição, Thiago Veloso, destaca o compromisso e a responsabilidade da Secult na proteção do patrimônio documental do estado. “Na gestão atual a Secult vem trabalhando na formulação de uma política de preservação dos arquivos públicos e privados de Minas. O objetivo desse trabalho é auxiliar os municípios na construção de novos arquivos e fornecer orientações técnicas para preservação e democratização dos acervos de Minas Gerais”, destaca Thiago.

 Além do mais, o APM orienta todos os órgãos do poder executivo estadual e assessora as Comissões Permanentes de Avaliação de Documentos – CPADs, responsáveis pela elaboração dos instrumentos de gestão de documentos - como as Tabelas de Temporalidade e Destinação de Documentos -, bem como pela seleção dos documentos de guarda permanente.

Os documentos que não são de guarda permanente podem ser eliminados, desde que o processo seja autorizado pelo APM. Em 2020, foi autorizada a eliminação de 1.572,51 metros lineares de documentos da administração pública estadual, número 39% maior que o registrado em 2019.

Essa eliminação gera economia aos cofres públicos em relação ao gasto com o armazenamento; além de estar em consonância com os princípios da eficiência, eficácia e transparência administrativa. Graças a esse importante trabalho, nem sempre conhecido por todos, o valioso patrimônio documental produzido pela administração pública está seguro, assim como a história de Minas Gerais estará preservada para os pesquisadores e cidadãos no futuro.

Foto: Acervo APM

Com a presença de autoridades, evento rememora trajetória do Estado e inaugura o Circuito Luzes da Liberdade

A celebração dos 300 anos de Minas Gerais se torna ainda mais especial e ganha contornos de encantamento com a inauguração do Festival Luzes da Liberdade, na noite desta quarta-feira (2/12), em cerimônia no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte. Com a participação do governador do Estado, Romeu Zema, do vice-governador, Paulo Brant, do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, e do Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, o evento destacou o legado de tradição e liberdade de Minas.

mg3001

Apresentações musicais também integraram a programação. O Hino Nacional foi interpretado pelo Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, um dos corpos artísticos da Fundação Clóvis Salgado (FCS), que também executou um medley de obras de Milton Nascimento. O maestro Marcus Viana e o instrumentista Maurício Tizumba se uniram em uma apresentação cadenciada e vibrante.

“O elemento fundante que entendemos como cultura, que aqui se estrutura hoje em patrimônio cultural da humanidade, se forma também com vários outros aspectos. Nós, mineiros, possuímos uma forma peculiar de existir e coexistir no mundo: a mineiridade, cujas características foram descritas de forma majestosa por Guimarães Rosa em sua obra. Essa mineiridade está presente na cozinha, arte, história, nas cidades, em nossa forma de ver e de se portar diante do mundo”, destacou Leônidas Oliveira, ao falar sobre o legado de 300 anos de história do Estado, completados no dia 2 de dezembro.

O vice-governador Paulo Brant reforçou a questão da inovação presente no Estado e da abertura de Minas para o mundo. “Aqui, o futuro abraça o passado. Falar de Minas Gerais é falar de respeito às nossas tradições, mas com liberdade plena e profunda para nós e pra todos, o que se desdobra na busca por justiça social e no respeito às diferenças, com um olhar para o futuro”, declarou.

As iniciativas adotadas pelo Ministério do Turismo durante a pandemia para auxiliar Minas Gerais foram enfatizadas pelo ministro Marcelo Álvaro Antônio. “Destinamos R$ 390 milhões, via Fungetur, por meio do BDMG, para que empresários do turismo pudessem garantir sobrevivência das empresas nesse período tão difícil de paralisação das atividades; por meio da Lei Aldir Blanc, o governo federal enviou R$ 160 milhões para municípios mineiros e R$ 135 milhões para o Estado; e foram distinados, ainda, R$ 3 milhões ao programa Minas para Minas, com o objetivo de impulsionar o turismo regional durante as atividades de retomada”, pontuou.

Em referência à pandemia de Covid-19, o governador Romeu Zema ressaltou que a vida traz obstáculos e que devemos nos concentrar em exemplos de superação. “Vivemos um ano totalmente atípico, em que a pandemia nos obriga a rever valores. Minas alcança 300 anos de história nesse contexto, em que provamos que somos um povo guerreiro, que enfrenta os desafios com fé, coragem e esperança”.

leonidas Festival Luzes da Liberdade
Ao final da cerimônia foi inaugurado o video mapping na fachada do Palácio da Liberdade, com a presença de jornalistas e autoridades. A intervenção artística integra o projeto Luzes da Liberdade, conjunto de projeções e recursos de iluminação em prédios da capital mineira, criado dentro das celebrações natalinas e dos 300 anos do Estado. Elaborado com patrocínio da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, o festival tem parceria com o CDL-BH e a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Entre as atrações, haverá show de luzes e lasers e apresentações de artistas mineiros, que serão realizadas até 6 de janeiro de 2021, abrangendo equipamentos culturais do Circuito Liberdade. Também ocorrem transmissões ao vivo pelas plataformas digitais do projeto, gratuitamente. Os artistas que conceberam os vídeos projetados nos edifícios, os irmãos Ricardo e Rafael Cançado, contam que o mapping é um recurso capaz de trazer uma linguagem muito potente, trabalhando a iconografia visual em diálogo com outras narrativas, como a do cinema. “Este é fruto de trabalho coletivo, em uma equipe de roteiristas, animadores gráficos e outros profissionais, alinhando aspectos técnicos e artísticos, onde nos reinventamos o tempo todo. A Ideia é proporcionar encanto em nova perspectiva, com projeções diferentes que dialogam com o local onde são exibidas”, explicou. 

A programação completa do Luzes da Liberdade está disponível pelo site www.luzesdaliberdade.com.br.

Imagens: Carolina Fleury /Secult

Flexibilização da norma fortalecerá cadeia produtiva e dinâmica da atividade turística no estado e reforça o combate ao transporte clandestino com maior garantia de segurança aos usuários

O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), estabeleceu novos parâmetros para o transporte fretado de passageiros nas rodovias mineiras. A partir de agora, a autorização emitida pelo Departamento de Edificações e Estradas de Rodagens (DER-MG) será modernizada por meio do Decreto 48.121/2021, assinado nesta quarta-feira (13/01), mesma data em que foi revogado o antigo decreto que orientava esta modalidade de transporte.

Na prática, o novo texto determina o fim da obrigatoriedade do envio da lista de passageiros ao DER-MG com 12 horas de antecedência. Além disso, extingue a necessidade do circuito fechado, ou seja, de que o veículo precise voltar ao mesmo ponto de onde partiu.

Com isso, a atividade turística em Minas Gerais ganha mais um reforço: a digitalização do processo para emissão de autorização das viagens; a retirada do período mínimo de 12 horas de antecedência para envio da lista de passageiros, podendo então ser realizado até pouco antes da partida; e a possibilidade de atuação em circuito aberto são avanços há muito requeridos pelo setor.

A modernização das regras contribui para dinamizar toda a cadeia produtiva e heterogênea do turismo e, em especial, para as agências de viagem e receptivo turístico. Potencializa a qualidade dos serviços prestados, gera segurança jurídica aos empreendedores e tranquilidade aos turistas, reforçando o entendimento do Governo de Minas Gerais quanto à relevância estratégica do turismo para a retomada econômica mineira.

Com isso, abre-se a oportunidade para a elaboração de novos roteiros e produtos turísticos, atuação parceira entre diferentes empreendedores e para a melhoria da operação do turismo mineiro.

De acordo com o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, o sucesso da atividade turística se dá a partir do equilíbrio e atuação entre iniciativa privada, poder público e organizações do terceiro setor.

 “A operação da atividade turística nos destinos mineiros passa, em especial, pela atuação das agências de receptivo turístico, em geral micro e pequenas empresas, que ofertam passeios diversos, entre outros serviços aos turistas durante sua estadia. Com o novo decreto, que elimina burocracias restritivas ao transporte de passageiros, Minas Gerais dá um passo importante no fomento à atividade turística, na melhoria da operação em nossos destinos e na proposta de flexibilizar e dar mais segurança ao empresário para investir no turismo mineiro. Certamente estação ação terá papel importante durante a retomada das atividades turísticas, uma vez que serão oferecidas mais possibilidades e alternativas como, por exemplo, acesso de qualidade entre aeroportos e grandes centros”, destaca Oliveira.

Conquista

Para o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens de Minas Gerais (Abav-MG), Alexandre Brandão, o novo decreto foi muito bem recebido pela entidade, inclusive em âmbito nacional. “Esta é uma medida louvável do Governo de Minas Gerais, e a presidência da Abav nacional já sinalizou que espera que isso sirva de jurisprudência para aplicação em outros estados brasileiros. Essa é uma demanda do setor turístico há mais de cinco anos, e agradecemos o esforço da Secult em agir junto à Seinfra para alcançar esta conquista. Essa modernização das normas é um benefício para o empresariado, seja para grandes, pequenas ou micro empresas, para os passageiros, viajantes e turistas e para o desenvolvimento socioeconômico do estado como um todo. Estamos satisfeitos com essa nova legislação”, pontuou Brandão.

Fiscalização

Com regras mais racionais, será possível exercer uma melhor fiscalização, com foco na regularidade dos veículos, desonerando as autoridades de trânsito e o DER-MG, que não precisarão mais controlar exigências burocráticas desnecessárias. Dessa forma, será possível fortalecer o combate ao transporte clandestino, garantindo mais segurança aos usuários.

"Com o novo decreto, a maior oferta do serviço de transporte fretado vai trazer aos usuários preços mais acessíveis. Além do benefício da economia, isso será mais um incentivo para que o passageiro escolha uma empresa legalizada ao invés do transporte clandestino", analisa o Secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato.

O Decreto reforça, ainda, as penalidades para aqueles que não cumprirem com as normas, criando mecanismos de incentivo para o pagamento das multas estabelecidas.

Projeções

Com 1.821 empresas autorizadas e 7.897 veículos cadastrados, o setor de fretamento no estado Minas Gerais apresentou uma receita de R$ 456 milhões no último ano.

Estima-se que, em média, entre 10% e 24% dos assentos das viagens intermunicipais nos estados do país são reservadas no prazo de 12 horas antes do embarque.

Nesse sentido, assume-se que são, pelo menos, 10% de tentativas de compras frustradas em Minas Gerais.

Assumindo que 10% dos passageiros passariam a viajar na modalidade de fretamento, haveria um aumento de R$ 45,6 milhões em receita. Caso esse percentual fosse de 20%, a expansão das receitas seria de R$ 91,2 milhões.

A partir da Matriz Insumo-Produto do IBGE de 2015, calcula-se que a expansão do setor de transporte terrestre no cenário base (10%), elevaria o Produto Interno Bruto (PIB) em R$ 63 milhões, enquanto no cenário otimista (20%) o incremento seria de R$ 127,22 milhões.

O aumento da demanda no setor de fretamento ainda promoveria cerca de 2.000 empregos ao longo de um ano, e um aumento de arrecadação de R$ 11,6 milhões.

Perguntas e respostas sobre o Decreto 48.121/2021

1) Qual o objetivo na edição de novo Decreto?

O Decreto busca desburocratizar e modernizar a emissão de autorizações para a realização do transporte fretado, conferindo maior liberdade econômica ao serviço, nos termos do Decreto nº 47.776/2020 (Programa Minas Livre para Crescer).

2) Quais as principais alterações realizadas pelo novo Decreto?

O Decreto digitaliza todos os procedimentos de emissão do cadastro e autorizações, reforça as penalidades contra os transportadores clandestinos e acaba com o circuito fechado, com a finalidade específica do fretamento e com a necessidade da lista de passageiros ser protocolada com 12 horas de antecedência no DER/MG.

3) Qual o impacto deste Decreto sobre as concessões de transporte coletivo intermunicipal vigentes?

O transporte por fretamento já existia quando as concessões do transporte coletivo intermunicipal foram renovadas, em 2014. O Decreto revogado é de 2005. São, assim, atividades independentes, com naturezas jurídicas distintas.

Data marca lançamento do Circuito Luzes da Liberdade, além de outras ações do 300 +1.

Cerimônia no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, na noite desta quarta-feira (2/12), com a participação do governador Romeu Zema, do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, e outros secretários de governo, celebra todo o legado do tricentenário mineiro.

A data, que marca a criação da Capitania de Minas Gerais, – estabelecida em 2 de dezembro de 1720, pelo rei Dom João V – será reverenciada com a inauguração do Circuito Luzes da Liberdade e com o lançamento do 300 +1, projeto de uma série de comemorações que se estenderá ao longo de 2021, uma vez que, em 2020, o calendário de atividades foi interrompido pela pandemia de Covid-19.

“As comemorações dos 300 anos de Minas Gerais surgem como um convite para que o público possa revisitar capítulos e aspectos da nossa história, a identidade e as múltiplas especificidades do nosso povo, que constroem a mineiridade. Nesse contexto, a transversalidade entre a Cultura e o Turismo se fortalece como ponto central para a retomada do desenvolvimento econômico do Estado, com o impulso da economia criativa”, destaca Leônidas Oliveira.

A partir das celebrações natalinas e também dos 300 anos do Estado, terá início, no dia 2/12, um conjunto de projeções e recursos de iluminação em prédios da capital mineira, extrapolando os contornos da Praça da Liberdade. No evento, será lançado o video mapping na fachada do Palácio da Liberdade, que consiste em projeções mapeadas variadas que remontam à memória do tricentenário. Haverá ainda apresentação do quarteto de cordas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, um dos corpos artísticos da Fundação Clóvis Salgado (FCS).

Na ocasião, o governador Romeu Zema e o secretário Leônidas Oliveira lançam, também, a edição especial do Suplemento Literário, em comemoração aos 300 anos de Minas Gerais.

Luzes da Liberdade

O Luzes da Liberdade, projeto com patrocínio da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, e em parceria com o CDL-BH e o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), traz novo formato às comemorações de Natal em Belo Horizonte. A programação cultural e de iluminação será desenhada em um circuito que vai desde a Praça da Liberdade até a Praça da Estação, passando por pontos específicos da Rua da Bahia, logradouro da capital mineira que concentra uma série de edificações tombadas pelo Iepha-MG, além do Viaduto de Santa Tereza, formando um percurso turístico e cultural de experiência audiovisual.

Entre as atrações, haverá show de luzes e lasers e apresentações de artistas mineiros, que serão realizadas até 6 de janeiro de 2021, abrangendo equipamentos culturais do Circuito Liberdade. Também ocorrem transmissões ao vivo pelas plataformas digitais do projeto, gratuitamente.

O planejamento acompanha a recente ampliação do Circuito Liberdade, promovida pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult-MG), que incluiu, em seu roteiro, equipamentos culturais e turísticos localizados dentro dos limites da Avenida do Contorno.

As ações que vão expandir a iluminação de Natal em Belo Horizonte para além da Praça da Liberdade também têm foco em sustentabilidade. Em parceria com a Cemig, o desenho de luz no Circuito Liberdade será composto por iluminação a laser, recurso mais econômico em comparação às microlâmpadas. Dessa vez, somente as palmeiras imperiais da Avenida Travessia, no centro da Praça,

serão iluminadas com projeções a laser na cor verde. Essa é uma forma de simbolizar esperança de que dias melhores possam vir. A programação completa do Luzes da Liberdade está disponível pelo site www.luzesdaliberdade.com.br.

Circuito Turístico Liberdade

Dentro do projeto da expansão do Circuito Liberdade promovido pela Secult-MG também está a criação do Circuito Turístico Liberdade, com a sugestão de rotas turísticas que permitam contemplar o patrimônio, a arquitetura, a cozinha mineira, as artes e todo o contexto de Belo Horizonte que envolve os 300 anos da fundação de Minas Gerais.

O objetivo das ações, previstas para começarem em 2021, é ampliar a experiência e o conhecimento do visitante, permitindo mais interatividade com a capital mineira, com a sinergia entre cultura e turismo e a afetividade típica do povo mineiro. Com isso, a expectativa é de que o público, que desde a criação do Circuito Liberdade, em 2010, já atingiu a marca de 12,9 milhões de pessoas, aumente consideravelmente.

Entre as rotas temáticas propostas estão “Minas 300 anos”, que busca aproximar o visitante do sentimento de “mineiridade” por meio da apresentação de parte da história e da memória do estado. Entre os locais de visita sugeridos estão Palácio da Liberdade, Rua da Bahia, Museu Mineiro, Museu das Minas e do Metal Gerdau (MM Gerdau) e o Memorial Minas Gerais Vale. Já para a rota temática “Arquitetura e Patrimônio”, a ideia é mostrar parte do rico e diverso patrimônio arquitetônico que emoldura a paisagem urbana da capital mineira. Os locais indicados são Viaduto Santa Tereza, Edifício JK, Praça da Estação e Edifício Niemeyer.

A rota turística “Cozinha Mineira” propõe a experiência de se deliciar com o contraste entre tradição e contemporaneidade – o que rendeu a Belo Horizonte, recentemente, o título de Cidade Criativa da Gastronomia pela Unesco. Mineiraria Casa da Gastronomia, Mercado Central, Mercado Novo, Café Palhares, Dona Lucinha, Café Nice e Cantina do Lucas estão entre os locais apontados como parte fundamental desse roteiro.

Para a contemplação das artes, a rota turística “Mapa das Artes” sugere o contato com a efervescente produção cultural de Minas Gerais. São dezenas de equipamentos culturais que abrigam teatros, museus, cinemas e exposições dedicados às mais diversas linguagens artísticas. Esta rota sugere Palácio das Artes, Museu Mineiro, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Museu Inimá de Paula e Sesc Palladium como lugares de apreciação do tema.

A criação do Roteiro Turístico Circuito Liberdade vai envolver, também, as empresas habilitadas no programa Minas Recebe, da Secult, para que os receptivos turísticos e agências de viagem possam oferecer produtos e roteiros baseados nas rotas temáticas sugeridas.

Foto: Cidade de Mariana. Pedro Vilela/MTur

BDMG Cultural Mostras Ciclo 2021

Foram selecionados, para quatro mostras durante o ano, os artistas Affonso Uchôa, Desali, Clarisse Lacerda, Lucélia Romão, Jessica Lemos e Marc Davi

O BDMG Cultural divulgou na terça-feira (12/1), o resultado da seleção do edital de concorrência pública do Ciclo de Mostras BDMG Cultural 2021, que fomenta a realização de quatro exposições na Galeria de Arte da instituição durante este ano. O BDMG Cultural divulgou na terça-feira, 15 de janeiro, o resultado da seleção do edital de concorrência pública do Ciclo de Mostras BDMG Cultural 2021, que fomenta a realização de quatro exposições na Galeria de Arte da instituição durante este ano.  Publicado em novembro de 2020, o edital Ciclo de Mostras BDMG Cultural contabilizou com 114 inscrições de projetos de artistas de Minas Gerais ou residentes no estado. A comissão de seleção foi formada pela gestora e educadora em museus, curadora e pesquisadora nos campos da arte, educação e cultura Janaína Melo; pela artista visual e pesquisadora Juliana Gontijo; e pela artista plástica, designer, cantora e letrista Leonora Weissmann. Projetos selecionados

- Série fotográfica dos artistas Affonso Uchôa e Desali (Contagem)

- Obras e instalações da artista Clarisse Lacerda (Belo Horizonte)

- Série fotográfica das artistas Lucélia Romão e Jessica Lemos (São João Del Rei)

- Esculturas, instalações e performances do artista Marc Davi (Belo Horizonte)

As mostras dos artistas selecionados serão realizadas ao longo de 2021, mas ressalta-se que a visitação presencial somente será possível de acordo com as normas sanitárias vigentes no período das exposições de acordo com a evolução da pandemia da Covid-19. Ciclo de Mostras BDMG Cultural

O edital de concorrência pública Ciclo de Mostras BDMG Cultural busca estimular a produção das artes visuais contemporâneas em Minas Gerais, com o objetivo de dar apoio e incentivo para artistas com carreira em desenvolvimento. Em 2021, o edital seleciona quatro projetos de ocupação da Galeria de Arte do BDMG Cultural e viabiliza, para cada exposição, a produção de catálogos e reembolso financeiro de R$ 5 mil, além da montagem e divulgação durante o período de ocupação da galeria.  Depoimentos

A comissão de seleção do Ciclo de Mostras BDMG 2021 comenta sobre o resultado do edital. Janaina Melo

"Uma seleção é sempre uma ótima oportunidade de nos aproximarmos da produção artística em Minas Gerais. Nas mais de cem propostas recebidas, percebemos diferentes abordagens de questões atuais: identidades, alteridade, decolonialidade e representação. Propostas como esta nos convidam a refletir sobre os desafios e possibilidades do mundo pós-pandêmico que construiremos coletivamente" Juliana Gontijo

"Participar da banca de seleção da programação do Ciclo de Mostras foi um grande desafio, recebemos inúmeros projetos interessantes e bem realizados que revelavam grandes urgências de nossos tempos. Fico feliz com o resultado em que chegamos e espero que esse conjunto de mostras possa contribuir com nossas reflexões e discussões sobre o tempo em que vivemos e os tempos por vir." Leonora Weissmann
"Participar do processo de seleção para as próximas exposições do edital Mostras BDMG Cultural 2021 foi uma experiência muito rica, densa e desafiadora. Foram 114 propostas, dentre as quais muitas excelentes. Fiquei feliz por ver tantos projetos e trabalhos fortes e necessários nesse momento histórico tão difícil que atravessamos e conhecer tantos artistas que não conhecia. Não foi tarefa fácil para mim selecionar tão poucos em tamanha variedade e qualidade. Por sorte e feliz escolha do BDMG Cultural e equipe, excelente coordenação, orientação e diálogos, contei com uma ótima comissão que através da troca e do debate proporcionou um forte e potente conjunto de propostas selecionadas. Ficamos todos muito satisfeitos com a nossa difícil mas necessária tarefa."

Serviço

Resultado do Ciclo de Mostras do BDMG Cultural 2021

Quando: exposições a serem realizadas ao longo do ano

Onde: Galeria de Arte do BDMG Cultural

Mais informações: (31) 3219-8691

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e a Comissão Paritária Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (Copefic), divulgam, no site da Secult, o resultado final do Edital FEC 05/2020 – Risadaria - Premiação Pessoa Física.

A proposta do Edital é valorizar expressões artísticas desenvolvidas por meio do humor e da comédia e que contribuam para o crescimento e o fortalecimento da identidade e da imagem desse gênero no estado. Serão distribuídos 60 prêmios no valor de R$ 3,5 mil provenientes de recursos diretos do Fundo Estadual de Cultura (FEC), e os projetos inscritos devem ser desenvolvidos em formato de vídeo.

Serão contemplados os projetos de vídeo autoral inédito que contenham manifestação artístico-cultural individual do proponente e que estarão disponíveis para acesso do público de forma gratuita em ambiente virtual. As propostas devem ter entre 5 e 20 minutos de duração, e a gravação da apresentação ou esquete deve ser posição horizontal, com resolução de 1280x720 para vídeos com proporção 16:9; ou 640x480 para vídeos com proporção 4:3, sem barras horizontais nem verticais.

Confira AQUI o resultado final.

Pesquisa MTur

Objetivo é conhecer a percepção de segurança e a intenção de viajar dos brasileiros e, a partir das informações, elaborar políticas públicas de suporte

O Ministério do Turismo vai ouvir os consumidores brasileiros para avaliar a retomada de viagens no país. A Pasta inicia, nesta quarta-feira (14.01), a Pesquisa de Sondagem ao Consumidor que tem o objetivo de conhecer e analisar a opinião do público quanto à expectativa de realizar viagens a lazer nos próximos meses e à percepção de segurança dos viajantes em um cenário de pandemia. Os resultados devem ser divulgados a partir de março deste ano.

O questionário é totalmente anônimo e leva apenas dois minutos para ser respondido. Clique AQUI para responder a pesquisa do MTur.

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, explica que as informações vão servir de base para a tomada de decisão do setor turístico e para subsidiar a formulação de políticas públicas visando o desenvolvimento do turismo brasileiro.

“Que a retomada do turismo está a todo vapor, nós já sabemos. Agora precisamos ouvir a sociedade, entender as necessidades do público para podermos planejar as próximas ações de forma assertiva”, explica o ministro. “Essa pesquisa é mais uma iniciativa do Ministério do Turismo que vai auxiliar na retomada do turismo e no reaquecimento da economia”, conclui.

A pesquisa será realizada pela Coordenação-Geral de Dados e Informações (CGDI), área integrante da Secretaria Executiva do Ministério do Turismo, e se somará às sondagens já realizadas junto aos empresários do setor hoteleiro e de agências de viagens. Clique aqui para conhecer as pesquisas realizadas pelo MTur.

Selo Turismo Responsável

A fim de proporcionar mais segurança a turistas e trabalhadores do setor de turismo durante a retomada, o Ministério do Turismo lançou o Selo Turismo Responsável, que estabelece protocolos específicos para a prevenção da Covid-19 para 15 segmentos do setor. Até agora, mais de 24 mil empreendimentos e guias de turismo se comprometeram a entregar uma experiência segura aos turistas e aderiram ao selo. Clique AQUI e conheça os estabelecimentos que possuem o selo do MTur.

Retomada do Turismo

 “Viaje com Responsabilidade e Redescubra o Brasil” é o slogan da campanha publicitária que busca acelerar a retomada das atividades turísticas em todo o país, de forma responsável e segura. Com uma série de vídeos voltados à promoção dos destinos turísticos brasileiros em cada estado e DF, a campanha integra a aliança pela Retomada do Turismo, lançada em novembro do ano passado. O movimento reúne 32 instituições do poder público, iniciativa privada, terceiro setor e Sistema S.

Para saber mais sobre a retomada acesse AQUI.

Por Vanessa Castro, do Ministério do Turismo.

Além do guia online, redes sociais do Instituto irão divulgar fotos dos presépios

Já está disponível no site do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG) o cadastro do Circuito de Presépios e Lapinhas de Minas Gerais 2020. Este ano, em função da pandemia causada pela covid-19, quem for visitar os presépios montados nas casas e nos espaços públicos deverá respeitar as restrições do distanciamento social. Além disso, para evitar aglomerações, os presépios cadastrados poderão ser acompanhados virtualmente por meio de fotos divulgadas no site e nas redes sociais do instituto. Para participar do roteiro de visitação, os municípios devem cadastrar os presépios no site www.iepha.mg.gov.br até o dia 22 de dezembro. 

Um guia on-line será disponibilizado no site do Iepha. Tradicionalmente, os presépios recebem visitas até 6 de janeiro, data em que se comemora o dia de Santos Reis.

Os municípios que cadastrarem seus presépios pontuam no Programa ICMS Patrimônio Cultural. A iniciativa é uma ação de salvaguarda das Folias de Minas, reconhecidas como patrimônio cultural de Minas Gerais.  

Presépios no Circuito Liberdade
Durante o período natalino, cada espaço cultural do Circuito Liberdade receberá um presépio do tradicional concurso da Fundação de Artes de Ouro Preto (Faop). Os presépios poderão ser visitados a partir do dia 2/12, e os visitantes deverão seguir normas de distanciamento social para que não haja aglomerações nos equipamentos. 

Tradição e celebração
As folias se tornaram uma tradição expressiva no Brasil e, especialmente em Minas Gerais, onde a celebração encontrou terreno fértil, fincando raízes em todo o estado, e se perpetuando ao longo dos séculos. O Iepha/MG mapeou, com a ajuda das prefeituras municipais, mais de 1.800 grupos em atividade no estado.

A visitação dos presépios é um dos ritos mais significativos nos giros realizados pelas Folias de Minas, que foram reconhecidas como patrimônio cultural do estado em 06 de janeiro de 2017.

Serviço:
Cadastro do Circuito de Presépios e Lapinhas de Minas Minas Gerais
Quando: até 22/12/2020
Onde: site do Iepha-MG - www.iepha.mg.gov.br

presepio

Imagem: Presépio da Paróquia de Santo Antônio, montado na Igreja Matriz em Piranguçu/MG
Crédito: Eder Paulo Dias

Turismo Base Comunitária Cozinha Mineira John Brandão

Diretrizes preveem a aplicação da legislação em comunidades tradicionais do estado

Está em vigor desde o dia 7 de janeiro de 2021 a Política Estadual de Turismo de Base Comunitária (TBC) no Estado, prevista na Lei 23.763, de 2021 e sancionada pelo governador Romeu Zema. A publicação no Diário Oficial de Minas Gerais foi realizada nesta mesma data. No Brasil, poucos são os destinos que dispõem de uma lei que alinha e ou oferece embasamento para a prática do TBC, é uma ferramenta fundamental para guiar o diálogo e orientar as estratégias dos atores interessados em desenvolver o TBC no estado. Trata-se de uma vitória para o Turismo em Minas Gerais.

De acordo com as normas estabelecidas pela legislação, são objetivos desta política o incentivo ao turismo de base comunitária por meio da promoção de empreendimentos econômicos solidários geridos por grupos familiares  ou comunidades; do planejamento participativo; do manejo sustentável dos recursos naturais e da valorização cultural, a fim de proporcionar melhores condições de vida dos cidadãos que habitam as áreas contempladas pela política.

Entre os princípios desta política estadual estão promoção de alternativas de turismo ambientalmente correto e socialmente justo e responsável; o incentivo à diversificação da produção e à comercialização direta de produtos de origem local; a valorização e resgate do artesanato e da culinária regional e da cultura das populações tradicionais; a promoção da regularização fundiária, garantia do direito ao território tradicional e revitalização do território rural, para o resgate e a melhoria da autoestima dos povos e comunidades tradicionais; o desenvolvimento do turismo de forma associativa, cooperativa e organizada coletivamente no território e o estímulo à convivência e a trocas respeitosas entre os visitantes e os grupos comunitários receptores;

Desenvolvimento do turismo de base comunitária

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, a Política Estadual de Turismo de Base Comunitária vem atender uma demanda antiga de pesquisadores, gestores públicos e povos e comunidades tradicionais, pois inicia o tratamento do tema de fato como política pública, dando as bases para o seu desenvolvimento e estruturação em Minas Gerais.

“O turismo de base comunitária é uma modalidade que vem se desenvolvendo nos últimos anos e, no estado, existem diversas comunidades com potencial para este trabalho. A política é um marco que contribui para a a profissionalização, orientação e apoio ao fomento à atividade turística, reconhecendo as particularidades, o diferencial e, principalmente, as necessidades dos povos e comunidades envolvidas. O avanço nesta prática é uma forma de contribuir para o fortalecimento econômico a inclusão econômica dos membros destas comunidades, promovendo o reconhecimento e valorização dos modos de vida e de seus saberes, destacando ainda mais Minas Gerais como um destino turístico competitivo e diverso”, ressaltou Oliveira.

A Secult já deu início à elaboração de um projeto que tem o objetivo de fomentar o turismo de base comunitária em Minas Gerais. A Secult tem se esforçado em desenvolver ferramentas para o mapeamento das iniciativas de Turismo de Base Comunitária (TBC) no estado e na aproximação e diálogo com as entidades e órgãos que tenham relação com a prática do TBC.

 As diretrizes estabelecidas pela lei vigente determinam que o turismo de base comunitária poderá ser realizado em comunidades indígenas; quilombolas; tradicionais e de matriz africana; de pescadores artesanais; de agricultores familiares; de assentamentos rurais e em unidades de conservação.

Foto: John Brandão (Acervo Secult)

Monumento Natural Estadual Rei do Mato Foto Evandro Rodney 13

O Governo de Minas apresenta, nesta terça-feira (1/12), o primeiro edital de licitação do Programa de Concessão de Parques Estaduais (Parc). A Rota de Grutas Peter Lund, conjunto de três unidades de conservação gerenciadas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), será a primeira a integrar o Programa, que conta ainda com outras 17 unidades de conservação mineiras.

Compõem a Rota Lund o Parque Estadual do Sumidouro (localizado nos municípios de Pedro Leopoldo e Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte), além do Monumento Natural Estadual Gruta Rei do Mato (Sete Lagoas) e do Monumento Natural Estadual Peter Lund (Cordisburgo), estas duas últimas situadas na Região Central de Minas. As três unidades têm reconhecimento internacional devido às pesquisas arqueológicas realizadas pelo cientista dinamarquês Peter Wilhelm Lund na região e são importante patrimônio ambiental do Estado.

O edital lançado prevê a concessão de serviços, como hospedagem, bilheteria, alimentação, entre outros, e mantém com o Estado a garantia da gestão ambiental, por meio do IEF.  Além do Instituto, que é responsável pela coordenação e estruturação do Programa, o Parc conta com a participação das secretarias de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad); de Cultura e Turismo (Secult) e de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), bem como do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).  

Licitação

A partir de agora, com a publicação do edital, as empresas interessadas em participar da licitação deverão apresentar suas propostas até 29 de janeiro de 2021. O valor de contratação estimado pelo IEF gira em torno de R$ 300 milhões, com uma economia de quase R$ 4 milhões anuais para os cofres públicos do Estado e geração de mais de 2.000 empregos diretos e indiretos na região.

Com o modelo de concessões, o Parc tem como objetivo de aprimorar e diversificar os serviços turísticos ofertados nas unidades de conservação estaduais, garantindo o aproveitamento sustentável das potencialidades econômicas existentes, além de maior eficiência na gestão e na conservação da biodiversidade.

A respeito da proteção ambiental, o diretor-geral do IEF, Antônio Malard, reforça que o Estado fará a concessão apenas da gestão de serviços e da visitação para a entidade privada vencedora da licitação, permanecendo a gestão ambiental e a coordenação das unidades de conservação sob responsabilidade do IEF.

“Esse modelo faz com que possamos focar nossos esforços naquilo que fazemos tão bem que é a gestão da conservação de nossas unidades, transferindo a visitação para uma entidade que atuará nestas atividades administrativas muito melhor do que o Estado. Então, ganha Minas Gerais, a conservação ambiental, o turismo, a economia, mas ganham, principalmente, os mineiros”, avaliou.

Malard ressaltou ainda a preocupação do Governo de Minas em desenvolver mecanismos de controle e condicionantes capazes de garantir a sustentabilidade e preservação dos parques que integram o Programa.

“O edital prevê a elaboração de um Programa de Monitoramento Ambiental, no qual a empresa concessionária apresentará relatórios periódicos relacionados às condições estruturais dos parques, que serão avaliados continuamente pelo IEF”, afirmou.

Ação Integrada

A secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo, destaca a potencialidade do Programa para os parques públicos de Minas, fortalecendo a prestação de serviços por meio do alinhamento entre desenvolvimento econômico e sustentabilidade. “Estamos diante de uma união da história, da cultura, do turismo, da economia, mas também da preservação ambiental. É importante que os mineiros, o Brasil e o mundo conheçam mais as belezas naturais que temos aqui”, pontuou.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, considera o Parc como uma iniciativa que inova a gestão turística de áreas protegidas no estado. “Esta concessão está em consonância com o esforço da Secult em estruturar nossos parques, aprimorar a infraestrutura e a oferta de serviços turísticos em Minas Gerais e, ao mesmo tempo, garantir a conservação e a preservação do patrimônio natural do estado. Vale destacar que 62% das buscas por Turismo no Google são por natureza. O projeto contribui para criar novas potências, especialmente perto de Belo Horizonte, em localidades com grandes condições para atrair turistas”, afirmou.

Para o secretário de Estado e Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato, o trabalho conjunto realizado pelos órgãos responsáveis pelo Parc demonstra a sintonia institucional das pastas governamentais. “Por meio de nossa unidade de Parcerias Público-Privadas (PPPs), a Seinfra contribuiu para este que será o primeiro conjunto de concessões da atual gestão do Governo de Minas ao longo dos próximos anos. A iniciativa está em linha com as estratégias de Environmental, Social and Governance (ESG) adotadas na área de Infraestrutura do Estado, afinal trata-se de um projeto de preservação ambiental”, frisou.

O titular da Seinfra salientou também as vantagens do Programa para o equilíbrio das contas públicas. “O Parc desonera integralmente o governo dos custos de manutenção dos parques, incentiva a geração de receitas, bem como a oferta de melhores serviços à população que vai frequentar o local e ainda gera recursos adicionais para o Estado a título de outorga", disse.

De acordo com o presidente do BDMG, Sérgio Gusmão, o Parc consolida a instituição também como um agente de estruturação de projetos de concessão no Estado. “A partir do amplo trabalho de modelagem realizado pela equipe do BDMG e parceiros dedicados ao Programa, conseguimos compatibilizar a gestão da visitação e serviços turísticos com a preservação ambiental”, disse.

Gusmão destacou também a importância do ecoturismo para o desenvolvimento social e econômico do estado. “O investimento em turismo ambiental é um dos melhores exemplos de desenvolvimento sustentável, com impacto positivo na geração de postos de trabalho, estimado em 120 empregos diretos e 2 mil indiretos apenas com a primeira concessão do Programa, além de uma economia de R$ 106 milhões para os cofres públicos, ao longo dos 28 anos de vigência do contrato”, afirmou.

Segundo estimativa do BDMG, os municípios que integram a área de abrangência do Parc dentro da Rota de Grutas Peter Lund deverão arrecadar cerca de R$ 6 milhões, por meio do Imposto Sobre Serviços (ISS), durante o período de concessão.

Para conhecer o edital de concessão da Rota de Grutas Peter Lund na íntegra, acesse a página do Parc disponível no site do IEF, clicando neste link. (http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/3231)

 Sobre a Rota

Recebendo visitantes do mundo inteiro há décadas, a Rota de Grutas Peter Lund conta com grande parte de seu território sob proteção do Estado, que mantém as três reservas ambientais na região. Juntos, o Parque Estadual do Sumidouro, o Monumento Natural Peter Lund e o Monumento Natural Gruta Rei do Mato recebem anualmente cerca de 110 mil visitantes.

Conhecido como o pai da paleontologia e arqueologia no Brasil, o dinamarquês Peter Lund descobriu mais de 12 mil peças de fósseis em cavernas nas imediações da rota de grutas que hoje leva seu nome. Entre elas, o “Homem de Lagoa Santa”, que revelou a presença humana no local há mais de 10 mil anos.

Em sua obra-prima, A Origem das Espécies, Charles Darwin menciona a admirável coleção de ossadas fósseis recolhidas nas cavernas mineiras por Lund. O material encontra-se atualmente no Museu de História Natural da Dinamarca, em Copenhague.

PARC

Lançado em abril de 2019, o Programa de Concessão de Parques Estaduais (Parc) pretende estabelecer modelos de parcerias com o setor privado e o terceiro setor compatíveis com as necessidades das unidades de conservação estaduais. A iniciativa visa contribuir para a inovação na gestão de áreas protegidas, atrair investimentos, gerar empregos e ampliar recursos humanos e financeiros a serem empregados na conservação ambiental.

No total, 20 unidades de conservação administradas pelo IEF fazem parte do Parc e terão licitação concluída até o final de 2022. São elas:

  1. Parque Estadual do Ibitipoca
  2. Parque Estadual do Rio Preto
  3. Parque Estadual do Rio Doce
  4. Parque Estadual do Sumidouro
  5. Parque Estadual Serra do Rola-Moça
  6. Parque Estadual do Pico do Itacolomi
  7. Parque Estadual do Biribiri
  8. Parque Estadual da Serra do Papagaio
  9. Monumento Natural Peter Lund
  10. Monumento Natural Gruta Rei do Mato
  11. Parque Estadual de Nova Baden
  12. Parque Estadual Mata do Limoeiro
  13. Floresta Estadual do Uaimii
  14. Parque Estadual Serra do Brigadeiro
  15. Parque Estadual do Pico do Itambé
  16. Parque Estadual Serra Nova e Talhado
  17. Parque Estadual da Lapa Grande
  18. Parque Estadual do Pau Furado
  19. Parque Estadual Serra das Araras
  20. APA Estadual Parque Fernão Dias

Fonte: Edwaldo Cabidelli (Ascom/Sisema)

Foto: Monumento Natural Estadual Rei do Mato (Evandro Rodney)

divulgação órgãos SEED

Desafios englobam simplificação de processos e plataformas governamentais, tratamento de dados sobre a experiência de turistas e acessibilidade do turismo no estado

Com a intenção de melhorar os processos e prestar um melhor serviço aos cidadãos mineiros, durante o último semestre de 2020, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult)  lançou, em parceria com a SEDE-MG, três desafios voltados a seus processos internos e também às políticas públicas.

Os desafios foram selecionados para compor a 6ª rodada do programa Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed MG), uma edição especial, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (SEDE). Os desafios enviados pela SECULT foram: “Como simplificar o processo de pesquisa de mercado melhorando e simplificando as plataformas governamentais existentes?”; “Como coletar, analisar e disponibilizar dados sobre o turista, sua experiência em Minas Gerais e sobre potenciais turistas para embasar políticas públicas” e “Como melhorar a acessibilidade no turismo de forma eficiente e eficaz por meio da comunicação com o turista?”.

Com a expectativa de identificar startups capazes de solucionar esses desafios, a Secult convida os empreendedores do setor de inovação a acessar o site do Seed Edição Especial e conhecer mais sobre os assuntos. 

Seed 

O Seed – Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development é um programa de aceleração de startups para empreendedores do mundo todo que queiram desenvolver seus negócios em Minas Gerais. A primeira iniciativa que foi mantida unicamente com recursos públicos no país e trabalhando para potencializar a interação, as redes e a transferência de conhecimento e habilidades entre empreendedores apoiados e o ecossistema local, nacional e mundial.

Os participantes do programa de aceleração passam por seis meses de atividades intensas, que incluem mentorias personalizadas, eventos e difusão, entre outras, que contribuem para fortalecer suas características empreendedoras e seus projetos.

Pianista Ricardo Castro interpreta três concertos de Beethoven. Com a regência do maestro Fabio Mechetti, apresentação será transmitida ao vivo pelo canal da Orquestra no YouTube.

A partir das apresentações desta semana, a Filarmônica de Minas Gerais abre sua sala de concertos para a presença de todo o público. Agora, o público em geral poderá frequentar a Sala Minas Gerais, obedecendo aos mesmos cuidados tomados para prevenção à Covid-19 que estão em vigor desde o início de novembro, quando os assinantes voltaram a assistir aos concertos presencialmente. Um rigoroso protocolo de segurança orienta a realização dos concertos para garantir a saúde do público, dos musicistas e da equipe técnica, como a limitação da presença de, no máximo, 412 pessoas por apresentação, o que corresponde a cerca de 30% da capacidade total da Sala (1493 lugares). Mesmo com a volta da plateia à Sala, as transmissões ao vivo continuarão a acontecer, na quinta-feira.

Nos dias 3 e 4 de dezembro, às 20h30, na Sala Minas Gerais, a Filarmônica de Minas Gerais recebe o pianista Ricardo Castro para interpretar o Concerto para piano nº 1 em Dó maior, op. 15, o Concerto para piano nº 2 em Si bemol maior, op. 19, e o Concerto para piano nº 5 em Mi bemol maior, op. 73, "Imperador", de Beethoven. A regência é do maestro Fabio Mechetti, diretor artístico e regente titular da Filarmônica de Minas Gerais. Os concertos integram a Maratona Beethoven, criada em agosto pela Orquestra, e que celebra os 250 anos de nascimento do gênio alemão. No dia 3 de dezembro, quinta-feira, o concerto será transmitido ao vivo, direto da Sala Minas Gerais, no canal da Orquestra no YouTube fil.mg/youtube

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais, CBMM e Itaú, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult-MG), Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

Maestro Fabio Mechetti, diretor artístico e regente titular
Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde sua criação, em 2008, Fabio Mechetti posicionou a orquestra mineira no cenário mundial da música erudita. Além dos prêmios conquistados, levou a Filarmônica a quinze capitais brasileiras, a uma turnê pela Argentina e Uruguai e realizou a gravação de oito álbuns, sendo três para o selo internacional Naxos. Ao ser convidado, em 2014, para o cargo de Regente Principal da Filarmônica da Malásia, Fabio Mechetti tornou-se o primeiro regente brasileiro a ser titular de uma orquestra asiática.

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve quatorze anos à frente da Orquestra Sinfônica de Jacksonville e, atualmente, é seu Regente Titular Emérito. Foi também Regente Titular das sinfônicas de Syracuse e de Spokane, da qual hoje é seu Regente Emérito. Regente associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica Nacional de Washington, com ela dirigiu concertos no Kennedy Center e no Capitólio. Da Sinfônica de San Diego, foi Regente Residente. Fez sua estreia no Carnegie Hall de Nova York conduzindo a Sinfônica de Nova Jersey. Continua dirigindo inúmeras orquestras norte-americanas e é convidado frequente dos festivais de verão norte-americanos, entre eles os de Grant Park em Chicago e Chautauqua em Nova York.

 Ricardo Castro, piano
Ricardo Castro é pianista, regente, educador e administrador cultural, criador e Diretor fundador do Neojiba – Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia. Estabeleceu-se na Europa em 1984, onde estudou piano com Maria Tipo e Dominique Merlet e regência com Arpad Gerecz. Venceu os concursos da ARD de Munique, Rahn de Zurique e Pembaur de Berna, Seu percurso inclui apresentações nas mais prestigiadas salas de concerto do mundo, como Concertgebouw de Amsterdam, Musikverein de Viena, Theatre de Champs Elysées de Paris e com renomadas orquestras, tais como a Gewandhaus Leipzig, BBC, London Symphony, English Chamber, a Filarmônica de Tóquio, a Tonhalle de Zurique, a Filarmônica de Varsóvia, a Suisse Romande, a Osesp e Filarmônica de Minas Gerais. Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Juvenil da Bahia desde sua fundação, Ricardo Castro tornou-se o primeiro brasileiro a receber o Honorary Memberships of the Royal Philharmonic Society, titulação iniciada em 1826 e concedida apenas 131 vezes em reconhecimento a importantes serviços prestados à Música. Além de seu trabalho artístico e educativo com o Neojiba, Ricardo leciona Piano na Haute École de Musique de Lausanne, Suíça. Ttem vários discos gravados para os selos BMG-Arte Nova e um duplo CD na Deutsche Grammophon.

Programa
Maratona Beethoven - 3 e 4 de dezembro, às 20h30
FABIO MECHETTI, regente
RICARDO CASTRO, piano
BEETHOVEN   Concerto para piano nº 1 em Dó maior, op. 15
BEETHOVEN   Concerto para piano nº 2 em Si bemol maior, op. 19
BEETHOVEN   Concerto para piano nº 5 em Mi bemol maior, op. 73, "Imperador"

 Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais foi fundada em 2008 e tornou-se referência no Brasil e no mundo por sua excelência artística e vigorosa programação. Conduzida pelo seu diretor artístico e regente titular, Fabio Mechetti, a Orquestra é composta por 90 músicos de todas as partes do Brasil, Europa, Ásia e das Américas. O grupo recebeu numerosos menções e prêmios, entre eles o Grande Prêmio da Revista CONCERTO em 2015, o Prêmio Carlos Gomes de Melhor Orquestra Brasileira em 2012, e foi indicada como Melhor Grupo de Música Clássica do Ano pela Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA) em 2010. O CD Almeida Prado - obras para piano e orquestra, com Fabio Mechetti e Sonia Rubinsky, lançado neste ano pelo selo internacional Naxos em parceria com o Itamaraty, foi indicado ao Grammy Latino 2020.

A reabertura da Sala Minas Gerais e os protocolos sanitários
Após sete meses, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais reabriu as portas da Sala Minas Gerais no dia 5 de novembro. Para isso, o Instituto Cultural Filarmônica desenvolveu um protocolo sanitário que adequa o uso da Sala às medidas preventivas à transmissão da Covid-19.

A reabertura da Sala Minas Gerais tem respaldo em autorização emitida pela Prefeitura de Belo Horizonte. Desde agosto, os músicos já ocupam o palco, sem a presença do público, para apresentações transmitidas ao vivo pelo canal da Filarmônica no YouTube. Mesmo com o retorno do público à Sala, os concertos seguirão sendo transmitidos semanalmente ao vivo até o fim da Temporada 2020.

Para receber o público na Sala Minas Gerais, foi desenvolvido e implementado, junto à médica infectologista Dra. Silvana de Barros Ricardo, um rigoroso Protocolo de Segurança, que prevê diversas restrições, como a presença de, no máximo, 412 pessoas por apresentação, o que corresponde em torno de 30% da capacidade total da Sala (1.493 lugares). Serão realizadas duas apresentações por programa, para acomodar todos os assinantes interessados.

MEDIDAS GERAIS

  • Aferição de temperatura corporal de todas as pessoas nas portas de acesso à Sala Minas Gerais. A entrada será permitida somente àqueles que apresentarem temperatura igual ou inferior a 37,5° C.
  • Uso obrigatório de máscara facial em todos os ambientes.
  • Disponibilização de álcool em gel a 70% para higienização das mãos nas áreas de circulação e nas portas de entrada da sala de concertos.
  • Intensificação da limpeza e desinfecção do ambiente com produtos aprovados pela Anvisa.
  • Sistema de ar-condicionado operante de acordo com as determinações da legislação vigente, bem como os padrões referenciais de qualidade do ar interior.
  • Redução da ocupação da Sala Minas Gerais para, aproximadamente, 30% da sua capacidade total.
  • Controle dos fluxos de entrada e saída para evitar aglomeração e garantir o distanciamento de 1,5m entre as pessoas.
  • Interdição de dois assentos entre as cadeiras disponibilizadas para o público na sala de concertos.
  • Pessoas do mesmo grupo familiar poderão ocupar, no máximo, duas cadeiras, lado a lado.

ACESSO À SALA MINAS GERAIS

A partir da área externa coberta, que dá acesso à bilheteria e antecede a porta principal da Sala Minas Gerais, serão instalados pedestais para organização da fila de entrada e demarcações no piso para garantir o distanciamento mínimo de 1,5m entre as pessoas. O uso de máscara é obrigatório para todos aqueles que ingressarem na fila.

Em frente às portas de acesso ao foyer principal, antes do ponto de controle de ingresso, será implantada uma barreira sanitária para medição de temperatura com termômetro digital sem contato. A entrada será permitida somente dos indivíduos que apresentarem temperatura igual ou inferior a 37,5° C e estiverem utilizando máscara de proteção facial adequadamente. O procedimento será realizado por funcionários utilizando equipamentos de proteção individual.

Serão afixados cartazes informativos no local detalhando as medidas sanitárias adotadas e que devem ser observadas por todos durante a permanência nas dependências da Sala Minas Gerais. O sistema de som também poderá ser utilizado para orientar o público.

BILHETERIA

Na bilheteria, a ocupação máxima será de 3 pessoas simultaneamente, distantes 1,5m entre si. Elas serão organizadas em filas, cumprindo rotas de entrada e saída. O uso de máscara é obrigatório.

LEITURA DO INGRESSO

O controle do ingresso será feito por leitura óptica, sem contato físico com o funcionário. Para realização do procedimento, o espectador deverá inserir seu ingresso de papel ou digital (celular) no leitor do equipamento, conforme indicação local, aguardar a validação e retirá-lo após a leitura. A verificação dos ingressos se encerrará cinco minutos antes do horário estipulado para o início da apresentação, possibilitando a acomodação do público de forma organizada na sala de concertos. Os funcionários da área de controle de ingressos utilizarão equipamentos de proteção individual. 

FOYERS – TÉRREO, PRIMEIRO E SEGUNDO ANDARES

A permanência do público nos foyers será limitada à sua necessidade de acesso aos banheiros e à sala de concertos. Nestes locais também será observado o distanciamento de 1,5m entre as pessoas, não sendo recomendada a proximidade física entre casais ou grupos de amigos. Para promover o trânsito rápido por estes ambientes, a sala de concertos estará liberada para o acesso do público logo após a validação dos ingressos. Os cafés não funcionarão.

SALA DE CONCERTOS

O acesso do público à sala será permitido até cinco minutos antes do início do concerto, quando as portas serão fechadas. Os assentos disponíveis ao público serão reduzidos a, aproximadamente, 30% da capacidade total da sala. Eles serão sinalizados e separados por dois assentos interditados ao uso. Os assentos disponíveis serão apenas para uso individual ou em duplas, sendo estes últimos para pessoas do mesmo grupo familiar que cheguem juntos à Sala Minas Gerais.

Os fluxos para entrada e saída do público da sala de concertos serão definidos de tal maneira a evitar, ao máximo, a proximidade entre as pessoas, podendo ser alterados conforme a densidade de espectadores presentes. A ocupação das poltronas deverá ocorrer a partir do centro das fileiras em direção aos corredores, e das fileiras mais próximas ao palco em direção às portas de saída. Nossos recepcionistas estarão dispostos nos corredores para organizar esse fluxo e evitar o contato próximo entre os espectadores. O uso de máscara é obrigatório durante toda a permanência no interior da sala de concertos.

BANHEIROS

O uso dos banheiros destinados ao público da Sala Minas Gerais será limitado a 6 pessoas simultaneamente, de acordo com sinalização afixada nas portas de acessos. Em frente aos lavatórios será indicado, através de sinalização adesivada no piso, o local para posicionamento dos usuários, garantindo o distanciamento de 1,5m. Uma sinalização semelhante será adesivada no piso dos sanitários masculinos, em frente aos mictórios.

 ELEVADORES

O público será incentivado a utilizar as escadas, reservando-se os elevadores para uso das pessoas com alguma dificuldade de locomoção. A ocupação dos elevadores será de, no máximo, cinco pessoas, conforme sinalização adesivada no piso de cada equipamento. Nas escadas também deverá ser observado o distanciamento de 1,5m entre os indivíduos.

 ROTINAS DE DESINFECÇÃO DO AMBIENTE

A desinfecção de todos os ambientes da Sala Minas Gerais será intensificada, sendo empregados produtos com ação comprovada contra o coronavírus. Conforme recomendação da Nota Técnica Anvisa nº 26/2020, são utilizados o álcool a 70% e o hipoclorito de sódio 0,5%, além de detergente neutro. Os sanitários e as superfícies frequentemente tocados, como chamadas dos elevadores, corrimãos, maçanetas, bebedouros etc. serão higienizados de forma intensificada durante a presença do público. Os assentos liberados para o uso do público na sala de concertos serão desinfetados antes de cada apresentação.

PURIFICADORES DE ÁGUA

Serão disponibilizados copos descartáveis para utilização nos purificadores. Não será permitida ingestão direta de água por aproximação da boca.

 ÁLCOOL EM GEL

Na barreira sanitária, nas áreas de circulação, foyers e acessos à sala de concertos haverá dispensadores com álcool em gel a 70%. Nos banheiros será reforçada, através de comunicação visual específica, a necessidade de higienização das mãos utilizando-se água e sabonete.

AR-CONDICIONADO

A Sala Minas Gerais mantém o Plano de Manutenção, Operação e Controle de sistemas de climatização (PMOC) rigorosamente atualizado, de acordo como determinações da Lei nº 13.589, de 4/01/2018. As análises microbiológicas, físicas e químicas atestam a conformidade com os padrões referenciais de qualidade do ar interior definidos pela Resolução-RE Anvisa nº 9/2003. Todas as informações técnicas pertinentes podem ser obtidas em nosso site.

ESTACIONAMENTO

O estacionamento da Sala Minas Gerais é terceirizado e não opera com cancela eletrônica. No entanto, os procedimentos adotados pelos funcionários da empresa seguem os padrões de segurança recomendados pelas autoridades sanitárias e supressão do contato físico direto com os usuários.

Foto: Rafael Motta

icms

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) finalizou, neste janeiro de 2021, a migração de dados do sistema ICMS Turismo. Com isso, a plataforma já se encontra completamente aberta para o recebimento da documentação do ano-referência 2020.

Desde julho de 2020 o sistema já estava aberto para inserção das comprovações de 2020, referente às ações turísticas executadas, atas de reunião dos conselhos municipais de turismo e movimentações dos fundos municipais de turismo.

Com a conclusão da migração, os campos destinados à inserção da documentação comprobatória foram liberados. A Secult solicita que os municípios realizem a atualização dos gestores no sistema para terem acesso imediato à plataforma e aos comunicados da Comissão.

Os municípios têm até o dia 1º de março de 2021 para concluir a inserção completa de toda a documentação.

Outras orientações podem ser consultadas no ambiente interno do Sistema do ICMS Turismo e dúvidas podem ser encaminhadas para os seguintes endereços: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  e Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pleito de 2019

O resultado dos municípios pleiteantes de 2019, processo que durou até março de 2020, foi publicado pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), no último dia 23/12, no Diário Oficial do Estado. Dos 476 pleiteantes, 376 municípios foram habilitados, numero recorde no sistema. Os recursos serão repassados aos municípios durante o ano de 2021.

Para os interessados no pleito de 2020, o sistema ICMS Turismo está aberto para que os gestores enviem a documentação necessária. A plataforma está disponível AQUI. Outras informações sobre o programa podem ser acessadas neste link.

Para o pleito em 2021, o ICMS Turismo está com novas regras. Em breve a SECULT fará uma capacitação sobre as novas regras.

ICSM Turismo

A Lei Estadual n.º 18.030/2009, visando a organização e o desenvolvimento turístico dos municípios mineiros, redistribuiu as cotas de repasse financeiro do ICMS e do IPI, contemplando o setor do turismo. Assim, a criação de um critério de repasse financeiro, denominado ICMS Turismo, fortaleceu a política pública para o desenvolvimento da gestão turística nos municípios mineiros.

O ICMS Turismo atua como motivador e catalisador de ações, visando estimular a formatação e implantação, por parte dos municípios, de programas e projetos voltados para o desenvolvimento turístico local e regional, em especial os que se relacionam com as políticas para o turismo dos governos Estadual e Federal.

Para ter direito ao repasse, o município deverá, anualmente, se enquadrar nos seguintes critérios obrigatórios:

Participar de uma Instância de Governança Regional (IGR) certificada pela Secult, nos termos do Programa de Regionalização do Turismo no Estado de Minas Gerais;

Ter uma política municipal de turismo elaborada e em implementação;

Possuir Conselho Municipal de Turismo (Comtur), constituído e em regular funcionamento;

Possuir Fundo Municipal de Turismo (Fumtur), constituído e em regular funcionamento.

 souminasgerais3

Objetivo é deixar as redes sociais repletas de homenagens ao estado pelos 300 anos de sua fundação

Em comemoração aos 300 anos da fundação de Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), a partir desta quinta-feira (26/11), convida os cidadãos mineiros e também de outros estados para participar da campanha “#SouMinasGerais”, que será realizada nas redes socais. O objetivo é homenagear a história do estado por meio de quem se sente pertencente, de alguma maneira, às terras mineiras.

“O momento que estamos vivendo pede que despertemos o vínculo com a nossa terra, com lembranças de experiências que nos fortalecem e demonstram o quanto Minas Gerais é especial. No ano em que comemoramos seus 300 anos, despertar estas memórias de bons momentos e alegrias e compartilhá-las é permitir que cada um de nós faça parte desta celebração! A ideia é valorizar nossos destinos e nosso território, compartilhar histórias e vivenciar a mineiridade! Participe, compartilhe e comece a celebrar os 300 anos de Minas Gerais!", convida o secretário Leônidas Oliveira.

A ação acontecerá na próxima quarta-feira (2/12), data dos 300 anos da fundação de Minas Gerais, e será concentrada no perfil promocional da pasta no Instagram, o @visiteminasgerais. A ideia é que as pessoas contem um pouco, em suas redes sociais, por meio de  fotos e vídeos, sobre como Minas Gerais faz parte de momentos marcantes de suas vidas. Para participar, basta marcar, nas publicações, as hashtags #Minas300Anos e #SouMinasGerais , além do @visiteminasgerais.

A revisitação ao trabalho realizado no ano passado acontece até meados de fevereiro e celebra a reinvenção dos Corpos Artísticos, da FCS, em meio à pandemia.

2020 foi um ano atípico que impôs muitos desafios aos três Corpos Artísticos da Fundação Clóvis Salgado – Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG), Coral Lírico de Minas Gerais (CLMG) e Cia. de Dança Palácio das Artes (CDPA). De uma hora para outra, os artistas tiveram que sair do palco e da sala presencial de ensaio, para trabalharem isolados, com cada profissional em sua casa, e tendo que lidarem com todo o processo de uma gravação audiovisual: definir um bom cenário, pensar numa fotografia interessante, operar a câmera, captar um áudio de qualidade e imaginar como as cenas gravadas iriam compor uma obra audiovisual individual ou coletiva.

Por outro lado, o cenário de distanciamento social ampliou a atuação artística da OSMG, do CLMG e da CDPA, gerando outras linguagens artísticas e agregando novas possibilidades de criação e de comunicação com o público, ainda mais um período em que as pessoas precisavam se entreter em casa. Ao todo, no ano passado, foram produzidos 160 vídeos inéditos, entre solos e coletivos.

Com o intuito de revisitar esses melhores momentos dos Corpos Artísticos em 2020, a Fundação Clóvis Salgado apresenta uma retrospectiva com as 17 produções mais marcantes realizadas no ano passado por meio do projeto Palácio em Sua Companhia.  A retrospectiva tem início no dia 08 de janeiro e termina no dia 14 de fevereiro, e poderá ser acompanhada pelo Instagram e Facebook da FCS por meio de três postagens semanais que acontecerão aos domingos, quartas-feiras e sextas-feiras. Aos domingos e sextas-feiras, os vídeos serão postados no mesmo horário, sempre às 10h da manhã. Já nas quartas-feiras, os vídeos serão postados sempre às 19h da noite.

A primeira apresentação a ser relembrada é “Querelas do Brasil”, performada pelo Coral Lírico de Minas Gerais em homenagem ao compositor Aldir Blanc, falecido em maio do ano passado, vítima da Covid-19.

Será exibida também a Trilogia do Afeto, série criada pela Cia. de Dança Palácio das Artes, retrata três fases distintas do distanciamento social vividas no início da pandemia, por meio de três vídeos: “Abraço”, “A Saudade” e “Presente”.

Outro destaque são os vídeos da série Sinfônica Pop. Parceria entre a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e o Coral Lírico de Minas Gerais, a série apresentou ao público uma nova versão do clássico “Vai Passar”, parceria de Francis Hime e Chico Buarque. A interpretação contou com a participação especialíssima de Francis Hime nos vocais e piano. E a regência ficou a cargo de Roberto Tibiriçá, maestro convidado. Outra apresentação inédita da série foi realizada com o cantor e instrumentista Maurício Tizumba, que, junto com a OSMG e o CLMG, interpretaram a música “A Criação”, para celebrar o aniversário de 300 anos de Minas Gerais.

A retrospectiva 2020 dos Corpos Artísticos é realizada pelo Governo de Minas Gerais / Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais e Fundação Clóvis Salgado e tem a Appa – Arte e Cultura como correalizadora. Conta ainda com o patrocínio Master da Cemig e Instituto Unimed-BH (viabilizado pelo incentivo de mais de 5,1 mil médicos cooperados e colaboradores), Usiminas e Instituto Usiminas como patrocinadores.

Confira abaixo a lista com todos os momentos que serão relembrados e suas respectivas datas:

08 de janeiro: Quereleas do Brasil - Coral Lírico de Minas Gerais

10 de janeiro: Abraço - Cia. de Dança Palácio das Artes

13 de janeiro: Sinfônica Pop Maurício Tizumba - Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

15 de janeiro: Muié Rendêra - Coral Lírico de Minas Gerais

17 de janeiro: Presente - Cia. de Dança Palácio das Artes

20 de janeiro: Sinfônica Pop Francis Hime -  Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

22 de janeiro: Pachelbel em Evidência - Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

24 de janeiro: Saudade - Cia. de Dança Palácio das Artes

27 de janeiro: Três Homens em Conflito - Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

29 de janeiro: Primavera - Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

31 de janeiro: Um chamado de corpo - Cia. de Dança Palácio das Artes

03 de fevereiro: Ave Maria - Coral Lírico de Minas Gerais

05 de fevereiro: Heine Kleine Nachtmusik-  Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

07 de fevereiro: A dança é um corpo que a gente veste - Cia. de Dança Palácio das Artes

10 de fevereiro: Hallelujah - Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

12 de fevereiro: Rainha da noite - Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

14 de fevereiro: A todas as infâncias - Cia. de Dança Palácio das Artes

#PALÁCIOEMSUACOMPANHIA – A diversidade cultural do Palácio das Artes encanta o público mineiro há décadas. No período de distanciamento social, o propósito é continuar a oferecer toda essa produção artística para o público, mas em casa. Com esse objetivo, foi lançado no dia 3 de abril o projeto PALÁCIO EM SUA COMPANHIA, que disponibiliza conteúdo cultural e produções inéditas da FCS em plataformas virtuais. São vídeos criados pelos integrantes dos Corpos Artísticos (Cia de Dança Palácio das Artes, Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais), coletivos e individuais, veiculados nas redes sociais da FCS (Facebook, Instagram e Youtube) e na Rede Minas. São criações artísticas, pesquisas e bastidores. É oferecida também uma ampla programação com curadoria do Cine Humberto Mauro, composta por mostras de cinema e sessões comentadas. Nas artes visuais, foi criado um potente programa de difusão, reflexão e resgate de exposições realizadas no Palácio das Artes.  No Canal da FCS - Palácio das Artes no YouTube, são exibidos também registros de espetáculos e produções da FCS ao longo de sua história - óperas, concertos eruditos, populares e de espetáculos de dança. O EDUCATIVO FCS, acessado pelo site da FCS, reúne programação e conteúdos sobre as artes visuais, com reflexões e atividades práticas. A formação artística também está sendo oferecida virtualmente, pelo Centro de Formação Artística e Tecnológica – Cefart da FCS, com cursos, aulas abertas e debates. Ao ofertar essa intensa produção, a FCS permite a mais pessoas o acesso a um conteúdo cultural de qualidade, além de assegurar o direito à fruição artística de forma ampla e gratuita.

Retrospectiva FCS
Data de lançamento: 08 dejaneiro, às 10h
Instagram: @fcs.palaciodasartes
Facebook: /fundacaoclovissalgado
YouTube: /palaciodasartesmg

Programa exibe DVD “Dudu Lima Trio – Som de Minas”
 
Em um cenário natural, em meio ao Parque Estadual do Ibitipoca, o contrabaixista mineiro Dudu Lima assume o instrumento na gravação do DVD “Dudu Lima Trio – Som de Minas”. Acompanhado do tecladista Ricardo Itaborahy e o baterista e percussionista Leandro Scio, eles mostram um repertório com muito jazz e a sonoridade mineira.

O show, que tem o céu e as montanhas como moldura, contou com a participação de Emmerson Nogueira em uma faixa que faz uma homenagem a Milton Nascimento. O público confere o espetáculo no programa Noturno neste sábado (28), às 23h30, pela Rede Minas. A atração também é exibida, nesse mesmo horário, no site da emissora: redeminas.tv.

noturnodudulima

COMO SINTONIZAR:
redeminas.tv/comosintonizar
A Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF) ou 17 (UHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina. ACESSE AS REDES SOCIAIS:
www.redeminas.tv
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas

Imagem: Divulgação /Noturno - Rede Minas

Diante do avanço da segunda onda da Covid-19 em Minas Gerais, os equipamentos culturais do Circuito Liberdade e museus sob gestão da Secretaria de Estado e Cultura e Turismo (Secult) intensificaram as atividades on-line para que mineiros, mineiras e gente de todo Brasil possam ter acesso à arte e à cultura durante esse período de isolamento social. O público poderá acompanhar as atrações virtuais pelos perfis do Instagram, Facebook e também pelos canais no YouTube de cada espaço cultural. Há atividades para todos os gostos e idades que podem ser acessadas gratuitamente de casa.

Espaços culturais privados ou parceiros do Estado que fazem parte do Circuito apresentam ampla programação. Destaque para o Minicurso de Aquarela, que acontece nos próximos dias 15, 22 e 29 de janeiro, pelo canal do Youtube da Casa Fiat de Cultura. Serão apresentadas as noções básicas dessa técnica de pintura. Os vídeos serão disponibilizados sempre às 10h e ministrados pela professora Naira Duarte. Ele é voltado para iniciantes e não há necessidade de inscrições. 

Já por meio do link programacomciencia.org.br, do MMGerdau – Museu das Minas e do Metal, o público pode conferir a Exposição CoMciência: Cristais do Tempo. A definição de um futuro a partir de um presente demasiadamente complexo nos leva a refletir que é necessário pensar um presente mais propositivo, reconstruindo nossa proposta de humanidade e coletividade, sendo a arte e a tecnologia meios legítimos para isso.

Quem gosta de astronomia não pode perder, às quintas-feiras, às 17h, as lives do projeto “Descobrindo o Céu”, no YouTube do Espaço do Conhecimento UFMG, conduzidas pelo Núcleo de Astronomia. O projeto apresenta o céu de Belo Horizonte e ensina a localizar as estrelas e planetas.

O CCBB BH também está com programação variada, incluindo a peça teatral Na Sala com Clarice, um solo de Odilon Esteves criado durante a quarentena em regime de isolamento físico. Os espectadores escolhem, ao longo da sessão, por enquete eletrônica, a partir das opções preparadas pelo ator, os textos que gostariam de ouvir interpretados. A transmissão é feita da sala do ator para a sala do espectador. Aos moldes de um acontecimento gastronômico, é oferecido ao público um "cardápio literário" com entrada, prato principal e sobremesa, representados pelos contos e crônicas da autora. A peça tem duração de 60 a 90 minutos, variando em função das escolhas do dia. É apresenta ao vivo pela plataforma Zoom, com sessões até 31 de janeiro. Ingressos gratuitos no site da Sympla.

Confira abaixo a programação completa dos espaços culturais:

BIBLIOTECA PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS

  • Tempo para Ler

O “Tempo Para Ler” é uma ação de incentivo à leitura desenvolvida pelo Setor Braille da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais e coordenada pelas voluntárias Annette Souza e Marília Marques. O projeto tem objetivo de promover e incentivar a leitura de textos literários entre as pessoas com deficiência e sem deficiência. O encontro será realizado virtualmente no dia 19 de janeiro, quando haverá leitura do conto “O espelho”, de Machado de Assis. O Encontro acontecerá por meio da plataforma Google Meet. A sala estará aberta a partir das 13h45min neste link: https://meet.google.com/gtb-friy-jrq. Não é necessário fazer inscrição prévia. Informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.; Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.; ou WhatsApp: 98675-0251;

ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG

  • Mostra Universidade Cidade: gestos, afetos e manifestos de urbanidade

Todos os dias, às 19h30 e às 20h30: Projeções na Fachada Digital do Espaço do Conhecimento UFMG (Praça da Liberdade, 700, Funcionários) – conteúdos produzidos pelos Centros Culturais municipais participantes da Mostra.

Terças-feiras, às 17h: Mostrinha – oficinas para o público infanto-juvenil (a partir de 8 anos), realizadas no Zoom. São 18 vagas em cada oficina e crianças até 12 anos devem estar acompanhadas pelos pais ou responsáveis. Inscrições já abertas pela página https://www.ufmg.br/espacodoconhecimento/mostrauniversidadecidade/mostrinha.

12/01 - No meio do caminho tinha uma história

19/01 - Do meu jardim para o mundo

26/01 - Giz e Traço

Quartas-feiras, às 17h: Lives “Contar Histórias”, no YouTube - conteúdos literários apresentados pelas equipes da Rede de Bibliotecas Públicas Municipais da Prefeitura de Belo Horizonte.

13/01 - Do terror ao riso na literatura brasileira 

20/01 - Leituras de Conceição Evaristo 

27/01 - Do chapéu à fita - os muitos modos de contar uma história (leitura do conto "Fita verde no cabelo", de Guimarães Rosa) 

Quintas-feiras, às 17h - Lives do projeto “Descobrindo o Céu”, no YouTube - conduzidas pelo Núcleo de Astronomia do Espaço do Conhecimento. As lives mostram o céu de Belo Horizonte, ensinando a localizar as estrelas e planetas, e ensinam algum tema da astronomia.

07/01 - História da Astronomia em Belo Horizonte

14/01 - O céu perdeu estrelas? É a poluição luminosa! 

21/01 - Astronomia e Belo Horizonte: elementos pelas ruas da cidade 

28/01 - Grupos de Astronomia em Belo Horizonte

Sextas-feiras, às 19h30 - Lives dos Centros Culturais municipais, no YouTube – Apresentações artísticas dos Centros Culturais, com a participação de artistas dos diversos territórios da cidade, com bate-papo e transmissão ao vivo.

08/01 - Gestos e afetos criativos, com Cia Badetes, Duo Afio, Victor Guerra, Rolim, Cia Mineira de Teatro e Henrique Manara

15/01 - Entre cordas, peles, teclas: manifestos musicais, com Marimbando, 80 Rock, Cia Agnes e Super Pamp

22/01 - Infância, afeto e urbanidade, com Cia Gaveta Caída, Wilma de Oliveira, Circo do Sufoco, Cia El Indivíduo e Quintal da Guegué

29/01 - Dirias à Live, com Léo Dirias

MM GERDAU – MUSEU DAS MINAS E DO METAL

  • Visitas Virtuais Mediadas

Todas as quartas de janeiro, 10h30 e 14h30, quintas e sextas, 14h30. As visitas terão duração média de 50 minutos e serão traduzidas em LIBRAS. A classificação etária é livre e a plataforma usada será o Google Meet ou o Zoom. Os roteiros serão realizados diretamente dos espaços expográficos do Museu e serão inspirados nas exposições virtuais do nosso perfil no Google Arts&Culture: “Diversidade Mineral”, que apresenta parte do acervo mineral do Museu, e “O Prédio Rosa: patrimônio, memória e arquitetura”, que irão revelar as belezas arquitetônicas de um edifício histórico de 1897.

Inscrições individuais: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfdSZ-ZgVVYxN9HC_mDmO2TRUrz66aAa0gMf6UbRDufFh32Jg/viewform

Inscrições para grupos pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

  • Live “Suplemento Literário - Especial 300 anos de Minas”

Como parte das comemorações dos 300 anos de Minas, o Suplemento Literário de Minas Gerais traz ao público um número especial sobre a literatura em Minas, de Minas e sobre Minas. Para conversar um pouco sobre esta edição comemorativa e colaborativa, teremos uma Live especial no dia 7 de janeiro, às 18h, no canal do YouTube do MM Gerdau, com a mediação do jornalista João Pombo Barile, e nosso convidado especial, o professor Jacyntho Lins Brandão, organizador desta edição comemorativa do Suplemento.

  • Exposição CoMciência

A Exposição CoMciência: Cristais do tempo pode ser visitada até o dia 14 de março, por meio do link programacomciencia.org.br. Em 2020, a ocupação dos espaços expositivos do MM Gerdau com arte, ciência e tecnologia teve como tema proposto aos artistas “Cristais do tempo: emergências nas fissuras do presente”. A definição de um futuro a partir de um presente demasiadamente complexo nos leva a refletir que é necessário pensar um presente mais propositivo, reconstruindo nossa proposta de humanidade e coletividade, sendo a arte e a tecnologia meios legítimos para isso.

  • Live “Bate-papo com Bruno Alencastro sobre projeto Obs-cu-ra - Processos Artísticos na Exposição CoMciência: Cristais de Tempo”

No dia 14 de janeiro, às 18h, no YouTubedo MM Gerdau, um bate-papo especial com Bruno Alencastro, artista responsável pelo projeto Obs-cu-ra, que está presente na Exposição CoMciência: Cristais do Tempo. Bruno irá abordar um pouco dos processos artísticos e principalmente a rede colaborativa que se organizou para a realização da obra. 

  • Live “Bate-papo com Felipe Carrelli sobre projeto Estrelas no Deserto - Processos Artísticos na Exposição CoMciência: Cristais de Tempo”

No dia 21 de janeiro, às 18h, no YouTube do MM Gerdau, um bate-papo especial com Felipe Carrelli, artista responsável pelo projeto Estrelas no Deserto, que está presente na Exposição CoMciência: Cristais do Tempo. Felipe irá abordar um pouco sobre sua pesquisa do mestrado, o grupo de divulgação de astronomia GalileoMobile, o projeto Amanar,do qual o Estrelas do Deserto faz parte, a experiência do projeto no uso de tecnologias para experiências em realidade virtual e sobre como o resultado alcançado é fruto de um processo de co-criação e pesquisa. 

MEMORIAL MINAS GERAIS VALE

  • Live Diálogo com os Novos Pesquisadores: Ridalvo Felix, Bárbara Mançanares e Fernanda Coimbra

O Educativo do Memorial Minas Gerais Vale propõe, nos dias 12, 19 e 26 de janeiro de 2021, no canal do YouTube, a série de lives intitulada Diálogos com Novos Pesquisadores. Elas fazem parte do projeto NovosPesquisadores, cujo propósito é transformar teses e dissertações defendidas nos últimos cinco anos, na área das Ciências Humanas, em uma exposição museal. No dia 12/01 receberemos Ridalvo Felix, que falará da sua pesquisa de doutorado que resultou na exposição Ngomas: SaravanoTambus, Peço Licença Pro Meu Canto Firmá; no dia 19/01 é a vez de Bárbara falando da exposição Entramos Nessa Casa Com a Bandeira na Frente, na qual ela traz a Festa do Divino de São Bartolomeu e, por fim, Fernanda Coimbra, com a exposição Coleções de Passagem, na qual ela analisa a coleção de Milton Ferreira. Dias 12, 19 e 26 de janeiro, das 17h às 18h, no site link www.youtube.com/memorialvale.

  • Magia & Ilusão, com a Família Kradyn

Magia & Ilusão é fruto de uma coletânea de efeitos mágicos que ao longo desses anos foram feitos nos shows. Um espetáculo alegre e divertido recheado de lenços coloridos, água, jornal, papel mesclado com um tema musical vibrante e muito humor sadio e indicado para todas as idades. Integra o projeto Eu, Criança, no Museu! Dia 16 de janeiro, às 15h, pelo canal do Youtube do Memorial Minas Gerais Vale.

  • Seu DazimConta...,com Keu Freire

Seu DazimConta...é um convite a uma boa prosa sobre lendas brasileiras. Um cafezim, um queijo dos bons, uns minutim de conversa, música com viola caipira e pronto! Seu Dazim propõe que o público embarque junto a ele nas lendas brasileiras e nos mais curiosos causos de que já se ouviu falar. Integra o projeto Eu, Criança, no Museu! De 26 a 29/01, às 11h, pelo canal do Youtube do Memorial Minas Gerais Vale.

  • Trem Tan Tan: Sambabilolado e Trem Negreiro

Uma síntese dos últimos trabalhos produzidos pelo coletivo, apresentando um repertório recheado de sambas reflexivos, samba romântico e outros que fazem denúncias sociais dos preconceitos vividos pelo cidadão com sofrimento mental, através de funk e samba rock, numa mistura eletrizante de ritmos. Integra o projeto Gerais Cultura de Minas. 31 de janeiro, às 16h, pelo canal do Youtube do Memorial Minas Gerais Vale.

  • Vamos Fazer Dinossauros?, com João Mota

Você sabia que o território de Minas Gerais muito tempo atrás foi ocupado por dinossauros? Um deles é o Trigonosaurus, que viveu há 70 milhões de anos na região hoje conhecida como Triângulo Mineiro. Os fósseis do Trigonosaurus foram encontrados nos anos 1940. Ele tinha a altura de um elefante e 12m de comprimento, era herbívoro e pesava 10 toneladas! Que tal aprender a fazer esse dinossauro utilizando materiais descartáveis? João ensinará a fazer o Trigonosaurus e também o famoso Tricerátops que viveu nos Estados Unidos. Dias 17 e 24/01, às 10h, pelo canal do Youtube do Memorial Minas Gerais Vale.

  • Deixa que a Gente Conta!, com Raysner de Paula

E se criássemos um espaço de invenção e contação de histórias, protagonizado por diferentes crianças? Onde elas mesmas criassem, contassem, recontassem, reelaborassem diversas narrativas num encontro criativo de partilha e de escuta? Deixa que a Gente Conta é uma ação artística concebida pelo artista-pesquisador Raysner de Paula que prima pelo convívio com crianças de 6 a 11 anos, entremeada pela ação de criar, ouvir, reinventar e reelaborar narrativas a partir de diferentes dispositivos criativos. Ou seja: durante o tempo no qual crianças e o artista estiverem juntos, serão criadas e performadas diferentes histórias, situações, diálogos e personagens, a partir de diversos “pontos de partida”. Assim, ao longo da ação, as crianças experimentarão diferentes jogos e brincadeiras nos quais ocuparão os lugares de criadores, narradores e ouvintes de narrativas surgidas nos encontros. Dias 18, 20, 22, 25 e 27/01 (turmas diferentes), das 16h às 17h30. 15 vagas por turma. Faixa etária: 6 a 11 anos. Os encontros serão on-line pela plataforma Google Meet e será necessária a inscrição pelo telefone: 31 3343-7317.

  • Corpo em Memória, com Fernanda Signorini

A oficina propõe o início de uma autoinvestigação pessoal a partir das memórias armazenadas no corpo. Já é sabido que no corpo estão inscritas todas as nossas memórias, e essa é uma proposta para se autoperceber e reconhecer o reflexo da nossa história e como ela  interage em nosso corpo físico, mental e emocional. Por meio de uma sequência de práticas vamos aguçando as lembranças e estimulando a nossa capacidade de sentir, abrindo a escuta de um corpo vivo para identificar e acolher nossa expressão autêntica. Os exercícios são baseados na metodologia Corpo Alquímico, com referência no teatro, na dança e nas psicoterapias corporais, em que a proposta é que todas as pessoas possam vivenciar o trabalho corporal como parte primordial para a saúde e o bem-estar de maneira integral. 20 vagas por turma

Faixa etária: a partir dos 16 anos. Os encontros serão on-line pela plataforma Google Meet e Será necessária a inscrição pelo telefone: 31 3343-7317. 21e 28/01 (turmas diferentes), das 10h às 12h.

  • Oficina Carrancuda, com Júlia Mendes

Vinda das águas do São Francisco, essa prima das carrancas é poderosa. Com sua esquisitice, afasta de casa os maus espíritos, os pesadelos e o olho gordo. Nessa oficina, usando massinha caseira e objetos diversos encontrados pela casa, cada um cria sua carrancuda, personagem-objeto com poder de proteção. Cria-se primeiro a base de massinha caseira. Modela-se uma esfera e então é hora de enfeitar com o que se tem: botões, folhas, galhinhos, trecos, miudezas, pedaço de coisa, macarrão, flor seca, tampinha, brinco sem par... 23/01, às 10h, pelo youtube.

  • MeuBaobá

Você já ouviu falar de uma árvore chamada Embondeiro? Conhecida como árvore da vida ou árvore do conhecimento, ela é também chamada de Baobá. E que tal poder ter uma versão mini dela com você? Através de um vídeo apresentado de forma lúdica, o Educativo do Memorial Minas Gerais Vale convida as crianças a conhecerem um pouco da história dessa curiosa árvore, tão simbólica na cultura africana e afro-brasileira, e a soltarem a criatividade para montar sua versão de um mini Baobá, que será disponibilizado no youtube do Memorial. 31/01, às 10h.

  • Exposição Coleções de Passagem, de Fernanda Coimbra

Pode ser vista pelo site www.memorialvale.com.br até 28 de fevereiro. O projeto da exposição Coleções de Passagem foi desenvolvido a partir da pesquisa de mestrado da artista visual Fernanda Coimbra. O trabalho consistiu na análise do processo de construção de coleções pessoais, tendo como objeto de estudo a casa do colecionador Milton Ferreira, localizada no interior da cidade de Arcos, em Minas Gerais. A residência abriga diversas coleções relacionadas à memória pessoal do colecionador, remetendo também a uma memória coletiva da família e dos moradores de sua cidade natal, Arcos. Integra o projeto Novos Pesquisadores, do Educativo MMGV.

  • Exposição Bruma, por Angelo Mazzuchelli Garcia (Fotografia)

A exposição pode ser vista no site www.memorialvale.com.br até 22 de janeiro.  Bruma é uma série de fotografias tratadas digitalmente que registram uma modelo usando uma peça em

papel, denominada véu tipográfico. A repetição da palavra bruma gera uma padronagem que forma o véu. A referência visual são antigos cartões postais fotográficos. Integra o projeto Mostra de Fotografia.

  • Circo Imagético - Trapézio - Chica da Silva, por Liz Monteiro (Circo)

A exposição pode ser vista no site www.memorialvale.com.br até 15 de janeiro. Série de registros fotográficos de uma cenacircense de trapézio solo inspirada em Chica da Silva. Em um trapézio, Liz Monteiro retrata e transcorre sobre Chica da Silva, grande personalidade históricada cultura local, que fez história e se tornou um grande símbolo cultural do país. A montagem ea documentação das imagens estão sendo realizadas em Milho Verde, subdistrito de Serro-MG, cidade ondenasceu Chica da Silva. Integra o projeto Gerais Cultura de Minas / Mostra de Fotografia.

  • Ngomas: SaravanoTambus, Peço Licença pra Meu Canto Firmá, por Ridalvo Félix

A exposição pode ser vista no site www.memorialvale.com.br até 31 de janeiro. Ngoma,termo encontrado na língua kimbundo, significa tambor. É utilizado nas tradições afro-brasileiras de matrizes Bantu para se referir aos tambores e às expressões de cantantes dançantes. O tambor é feito de tronco de árvore escavado, coberto com pele de animal, e sua afinação é realizada numa fogueira. Aqui, os ngomas confluem expressões que matizam e geram cantos dançados. A intenção dessa expografia (e afrografias) é entoar nossos constructos sistêmicos e epistêmicos a partir das Famílias de Ngomas dos Candombes mineiros, em que as espirais do tempo/espaço traduzem modos de ser/estar em cada uma delas. Integra o Projeto Novos Pesquisadores, do Educativo MMGV.

  • Entramos Nessa Casa Com a Bandeira na Frente, por Bárbara mançanares

A exposição pode ser vista no site www.memorialvale.com.br até 31 de janeiro. A exposição traz ao ambiente virtual do Memorial a Festa do Divino realizada em São Bartolomeu, distrito de Ouro Preto. Apresenta diversas leituras do sagrado existentes em um “museu imaginado” articulando religiosidade, manifestações do sagrado às categorias de patrimônio e museu. Colocando o distrito de São Bartolomeu como um museu à céu aberto, e a Festa do Divino, como acervo performático. Aexposição integra o projetoNovosPesquisadores, do Educativo MMGV.

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

  • Visitas Virtuais

Visitas virtuais pelo prédio e exposições, mostras de cinema 100% on line, Lives shows, catálogos digitais, detalhes e curiosidades sobre os projetos podem ser conferidos na tela do seu computador ou celular. Tudo para que esse período atual de atenção e recolhimento seja o mais tranquilo possível, com arte e cultura. Passeio virtual no Google Arts & Culture.

  • Exposições

Egito Antigo: do cotidiano à eternidade

Exposição inédita sobre o Egito Antigo, considerada uma das mais importantes civilizações da história da humanidade. Por meio de um amplo panorama sobre o cotidiano, a religiosidade e os costumes ligados à crença na eternidade, a seleção de obras para o CCBB reúne esculturas, pinturas, objetos, sarcófagos e até uma múmia, vindos do Museu Egípcio de Turim, segundo maior acervo egípcio do mundo. Curadoria de Paolo Marini e Pieter Tjabbes. Para Tour Virtual, Catálogo digital, Webinares, visite: https://www.bb.com.br/cultura.

 Ivan Serpa – A Expressão do Concreto

Retrospectiva completa sobre a vida e o legado do artista carioca, referência na história da arte brasileira moderna e contemporânea. Por meio de obras oriundas de diversas coleções, serão mostradas várias fases do pintor e sua multiplicidade estética e técnica, com importantes pinturas do período concretista, peças de caráter expressionista, da fase Negra, em que o artista preferia denominar Crepuscular, obras das fases Op-erótica, Amazônica e Mangueira, terminando com a fase Geomântica, que revelam um aspecto místico do pintor. Curadoria: Hélio Márcio Dias Ferreira e Marcus de Lontra Costa. Para visita virtual e webinar, visite: https://www.bb.com.br/cultura.

  • Playlists no Spotify

Iniciativa dos Centros Culturais Banco do Brasil em propor atividades culturais, como a escuta musical, enquanto não se pôde frequentar seus espaços.  As playlists, inspiradas em projetos apresentados nos CCBBs, estão disponibilizadas no perfil do Banco do Brasil no Spotify, que pode ser acessado pelo link: https://open.spotify.com/user/bancodobrasil.

  • Teatro

Na Sala com Clarice

A peça literária é um solo de Odilon Esteves e foi criado durante a quarentena em regime de isolamento físico. Os espectadores escolhem, ao longo da sessão, por enquete eletrônica, a partir das opções preparadas pelo ator, os textos que gostariam de ouvir interpretados. A transmissão é feita da sala do ator para a sala do espectador. Aos moldes de um acontecimento gastronômico, é oferecido ao público um "cardápio literário" com entrada, prato principal e sobremesa, representados pelos contos e crônicas da autora. Serão oferecidas 15 opções para cinco serem escolhidas e apresentadas na sequência. A peça tem duração de 60 a 90 minutos, variando em função das escolhas do dia.A cada rodada da apresentação, alternam os elementos oferecidos ao público para estimular sua escolha: leitura de pequenos trechos; apresentação das sinopses; exposição de objetos relacionados aos textos, sem que o público conheça sequer seus títulos. Será apresentado ao vivo pela plataforma Zoom até 31 de janeiro de 2021. Ingressos gratuitos no site da Sympla.

CASA FIAT DE CULTURA

  • Exposição Sagoma

Paisagens naturais e artificiais são retratadas e ressignificadas em obras pictóricas e instalações que prezam pela representação dos contornos das inspirações. A escolha do título da exposição, “SAGOMA”, de Henrique Detomi, reflete o significado da palavra italiana, “silhueta”, que, para o artista, reproduz de forma subjetiva e conceitual os lugares onde sua contemplação e sua observação inspiraram as peças produzidas. As obras revelam a visão do artista sobre a interação entre o homem e a natureza e a forma como ele ocupa os espaços, com foco no desenho natural da vegetação e relevo. A exposição poderá ser vista de 26 de janeiro a 15 de março em conteúdos que serão produzidos para redes sociais e YouTube, além de mediações virtuais. Haverá um bate papo ao vivo no dia 26, às 19h pelo YouTube

  • Encontros com o Patrimônio

Belo Horizonte: uma cidade, um ideal - a vocação mineira para a modernidade impressa nas ruas de BH. No dia 24 de janeiro, das 11h às 12h30, pelo Youtube. Em comemoração aos 300 anos de Minas, o Encontros com o Patrimônio retoma a tradição dos passeios pela cidade, mas agora em um percurso virtual. A história do estado, com sua característica empreendedora e a busca pelo futuro e pela modernidade, poderá ser percebida em algumas edificações. A jornada começa no Parque Municipal Américo Renné Giannetti, em frente ao Automóvel Clube, e segue pela Av. João Pinheiro, passando pelo Museu Mineiro e pelo Arquivo Público Mineiro até chegar na Praça da Liberdade e na Casa Fiat de Cultura, diante do painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari. Serão destacados alguns aspectos históricos das edificações selecionadas e, ao final, acontece um bate-papo com a historiadora e coordenadora do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura, Clarita Gonzaga. Inscrições gratuitas pela Sympla.

  • Dia do Quadrinho Nacional - Relançamento do e-book “Amor em Tempos Modernos”

30 de janeiro, pelo site da Casa Fiat de Cultura. Em comemoração ao Dia do Quadrinho Nacional, vamos compartilhar o e-book "Amor em Tempos Modernos", que foi produzido especialmente para a primeira exposição virtual da Casa Fiat de Cultura. Essa produção artística foi criada para celebrar algumas das coisas mais importantes da vida: as relações, os amores e os afetos. O e-book reúne as cinco HQs criadas especialmente para a Casa Fiat de Cultura pelas quadrinistas Carol Rossetti, Laura Athayde, Line Lemos, Lu Cafaggi e Rebeca Prado.

  • Minicurso de Aquarela

Acontece nos próximos dias 8, 15, 22 e 29 de janeiro, pelo canal do Youtube da Casa Fiat de Cultura, o Minicurso de Aquarela. Serão apresentadas as noções básicas dessa técnica de pintura, que é feita em camadas. Delicadeza, paciência e precisão são características importantes para se trabalhar com aquarelas. A técnica milenar permite que a transparência das cores seja preservada, construindo um diálogo com o branco do papel e surpreendendo pela mistura das tintas aguadas, que resultam em matizes e tons inusitados. Os vídeos serão disponibilizados sempre às 10h e ministrados pela professora Naira Duarte. Ele é voltado para iniciantes e não há necessidade de inscrições. 

 

CONFIRA AQUI OS PERFIS DAS REDES SOCIAIS DOS ESPAÇOS DA SECULT NO CIRCUITO LIBERDADE:

Centro de Arte Popular

Facebook: /centrodeartepopular e Instagram: @centrodeartepopular

Museu Mineiro

Facebook: /museumineiro.mg e Instagram: @museumineiro

Museu dos Militares Mineiros

Facebook: /museudosmilitaresmineiros e Instagram: @museudosmilitaresmineiros/

Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais

Facebook: /bibliotecapublicaestadualmg e Instagram: @bibliotecaestadualmg

Foto: CCBB-BH. Pedro Vilela/MTur

O secretário Leônidas Oliveira também apresentou aos parlamentares outras iniciativas da pasta para efetivar a transversalidade entre cultura e turismo no estado

As ações da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) para o enfrentamento da pandemia de Coronavírus foram os principais pontos destacados pelo titular da pasta, Leônidas Oliveira, durante o Assembleia Fiscaliza nesta quinta-feira (26/11). A sessão, realizada no auditório José Alencar da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), é uma iniciativa pioneira para que órgãos do Governo do Estado possam prestar contas de suas políticas públicas.

Presidida pelo Deputado Bosco, que também está à frente da Comissão de Cultura da ALMG, a sessão também contou com a presença dos parlamentares Laura Serrano, Professor Cleiton e Jean Freire, participando de forma presencial, e dos deputados Virgílio Guimarães, Carlos Pimenta e Mauro Tramonte, que completaram a mesa de forma remota. Além das medidas de enfrentamento à pandemia, o secretário apresentou à Comissão metas e objetivos da Secult para a atual gestão.

almgfiscaliza

Quando, em março deste ano, o Governo do Estado determinou as medidas de isolamento implantadas para conter a disseminação da pandemia em Minas Gerais, os setores da Cultura e do Turismo foram dos mais afetados, já que boa parte de suas atividades dependem da circulação e ou presença de público. Frente à grave situação que os profissionais desses segmentos se encontravam, a Secult apresentou o projeto #ARteSalva.

Realizado em parceria com o Sesc em Minas, por meio do Programa Mesa Brasil, e órgãos do governo, como a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), a Secretaria de Saúde (SES-MG), o Servas, a Defesa Civil, BDMG, a Codemge e todo o sistema de Cultura do Estado, o projeto também contou com parcerias de empresas privadas, associações, entidades e coletivos da sociedade civil e universidades.

O #ARteSalva teve início em junho e se prolongou até outubro. Ao longo desse período, o projeto beneficiou mais de 330 mil pessoas, com a distribuição de alimentos e cestas básicas, e auxiliando um total de 495 entidades. Foram mais de 500 toneladas de cestas básicas, 140 toneladas de alimentos, 15 mil máscaras, 1386 livros, além de promover 23 lives solidárias.

A iniciativa também se desdobrou em ações de fomento e incentivo à cultura e ao turismo, com a publicação de três editais emergenciais. O montante consolidado somou R$ 6 milhões em recursos diretos do Fundo Estadual de Cultura (FEC). Os esforços contínuos da Secult possibilitaram a formatação dos editais #ARteSalva – Fundo Estadual de Cultura (R$ 2,5 milhões), #ARteSalva – Museu Seguro (R$ 2 milhões) e #ARteSalva – Exibe Minas (R$ 1,5 milhão). Além disso, houve atenção especial à população em situação de rua de Belo Horizonte. O projeto Canto da Rua Emergencial ocupou a Serraria Souza Pinto oferecendo ajuda àqueles que mais necessitavam de apoio. Ação é articulada entre a Secult, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) e a Arquidiocese de Belo Horizonte.

Minas para Minas
Para além do balanço de ações voltadas ao enfrentamento da pandemia no estado, a Secult divulgou outras políticas públicas para integrar atividades culturais e turísticas em Minas Gerais. A aposta é em uma transversalidade cada vez mais sólida entre esses dois setores tão significativos para o estado. “Temos o desafio de juntar a cultura e o turismo em um projeto único. Em Minas, 71% do turismo é cultural, então, essas áreas conjuntas têm muito a oferecer para todos”, disse o secretário.

Oliveira destacou o Minas para Minas, programa de retomada segura das atividades turísticas no estado e que vai oferecer o destino Minas Gerais para os próprios mineiros. Depois disso, o programa se desdobrará em Minas para o Brasil e Minas para o Mundo. Além disso, Leônidas Oliveira destacou o sistema ICMS Turismo, iniciativa única no país que repassa recursos financeiros aos municípios, fortalecendo políticas públicas e estimulando o desenvolvimento. O sistema, inclusive, é finalista no Prêmio Inova 2020, na categoria “Iniciativas Implementadas de Sucesso”.

As ações do programa Minas Recebe para o fortalecimento do turismo mineiro também foram pontuadas durante a sessão. A iniciativa habilitou, neste ano, 115 empresas, número 74% maior do que em 2019. O programa também realizou uma série de ações virtuais focadas na capacitação de profissionais turísticos. Foram webinários sobre segurança turística, marketing turístico e posicionamento digital, além de capacitações com foco em Gastronomia.

O Observatório do Turismo de Minas Gerais também teve atuação enfatizada. Por meio dessa iniciativa, foram publicados boletins periódicos para o acompanhamento da pandemia no setor turístico. Com a retomada gradual das atividades, o faturamento de Minas Gerais chegou a R$ 1 bilhão em setembro, o que corresponde a 8,2% do valor em comparação aos demais destinos do país.

O estado é, inclusive, o 6º destino mais procurado por turistas. Em setembro, desembarcaram no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, 137 mil passageiros, que correspondem a um crescimento de 14,8% em relação a agosto. Mais de 14 mil pessoas chegaram à Rodoviária de BH, em setembro. O aumento registrado foi de 26% em relação a agosto e, quando comparado com o mês de abril, período crítico da pandemia, o aumento foi de 359%.

O plano Cozinha Mineira é outra importante iniciativa da Secult. A proposta é articular iniciativas do poder público, setor privado e sociedade civil organizada com objetivo de criar e promover políticas públicas para o fomento, posicionamento e fortalecimento da gastronomia como setor estratégico de desenvolvimento socioeconômico por meio da revisão do Plano Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia Mineira e participação mais ativa da sociedade.

Lei Aldir Blanc
Com a consolidação das primeiras ações emergenciais, a Secult inciou o processo de operacionalização da Lei nº 14.017, de 29 de junho de 2020 – Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural. Minas Gerais recebeu um recurso total que somou mais de R$ 135 milhões que foram direcionados à elaboração conjunta de 27 editais para contemplar diferentes áreas, como música, dança, circo, teatro, literatura, culturas populares e tradicionais entre outras.

Os editais foram elaboradas de forma coletiva, mobilizando todo o Sistema Estadual de Cultura, formado pela Empresa Mineira de Comunicação (EMC – Rede Minas e Rádio Inconfidência), Fundação Clóvis Salgado (FCS), Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) e Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), além do intenso diálogo com a sociedade civil.

Adaptação e oferta
Apesar da paralisação de todas as atividades durante a pandemia, os equipamentos da Secult readaptaram suas ofertas culturais para o ambiente virtual, disponibilizando ao público novas possibilidades de acesso à arte e à cultura. “A Fundação Clóvis Salgado iniciou o projeto ‘Palácio em Sua Companhia’, oferecendo, de forma virtual e gratuita, a programação dos corpos estáveis da instituição, que são a Orquestra Sinfônica, o Coral Lírico de Minas Gerais e a Cia. de Dança Palácio das Artes”, destacou o secretário.

Os espaços culturais e museus geridos pela Secult, como o Arquivo Público Mineiro, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, o Centro de Arte Popular, a Museu Mineiro, o Museu Casa Guimarães Rosa, a Fundação de Arte de Ouro Preto, o Museu Casa Guignard e a Casa Alphonsus de Guimaraens também registraram bons resultados em suas atividades virtuais, atraindo um grande número visitantes virtuais para as programações disponibilizadas.

Entregas
Nesse período de enfrentamento à pandemia, a Secult também fez importantes entregas à sociedade. Uma delas é a restauração do Vapor Benjamim Guimarães. O processo de restauro teve início em outubro, com o processo de docagem da embarcação das águas do rio São Francisco em Pirapora.

Por meio do Decreto Nº 48.074, de 29/10/2020, a Secult passou a ser a gestora do Circuito Liberdade. Uma das primeiras ações foi o anúncio da expansão do Circuito, englobando novos equipamentos culturais do Estado e de parceiros no perímetro da Avenida do Contorno, resgatando, assim, o projeto original de 1985, elaborado por Aarão Reis para a capital mineira.

Com um reposicionamento estratégico, está sendo elaborado o Circuito Turístico Liberdade, com redes de articulação conceituais e rotas turísticas. Essa iniciativa criará o primeiro circuito turístico de Belo Horizonte, transformando a capital na porta de entrada para os demais destinos em Minas Gerais. “Isso vai nos permitir maior transversalidade entre a cultura e o turismo e fazer de BH o ponto de partida para as demais atrações do estado”, disse o secretário.

E o Circuito Liberdade celebra mais uma entrega com a chegada da Casa Funarte Liberdade. O novo equipamento, inaugurado em novembro, está sediado no edifício Rainha da Sucata, cedido pela Secult à Fundação Nacional de Artes, e é uma extensão da seção Minas Gerais da Funarte em Belo Horizonte. O prédio vai oferecer programação artístico cultural diversificada, apostado tanto em formação artística quanto em fruição cultural.

Minas 300 Anos
Em um ano atípico, as celebrações que marcariam o tricentenário da Capitania das Minas Gerais foram canceladas ou adiadas. Ainda assim, a Secult investiu em ações virtuais, como a exposição “Várias Minas: encruzilhada de histórias”, o lançamento do site Minas 300 Anos (www.minas300.mg.gov.br), em parceria com o Governo do Estado, o lançamento do novo site da Secult, que conta com recursos de acessibilidade, interface mais dinâmica e formato responsivo.

Imagem: Tiago Ciccarini⠀

A partir do dia 11 de janeiro, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais abre seu programa de assinaturas da Temporada 2021 para a adesão de novos assinantes.  As assinaturas são pacotes de ingressos vendidos antes do início da temporada, pela internet ou pessoalmente, na bilheteria da Sala Minas Gerais, por meio dos quais o público poderá adquirir, antecipadamente e com descontos, ingressos para todo o ano. As séries disponíveis para assinatura são Presto, Veloce, Allegro, Vivace e Fora de Série. A campanha de assinaturas vai até 12 de fevereiro de 2021.

Lançado em 2009, o Programa de Assinaturas, iniciativa inédita nas produções culturais do estado, foi rapidamente abraçado pelo público da Filarmônica de Minas Gerais. De lá para cá, o número subiu gradativamente – das 705 iniciais às 3.506 assinaturas de hoje.

Os assentos na Sala Minas Gerais disponíveis para assinatura são distribuídos em cinco setores, com preços diferentes (balcão principal, plateia central, balcão lateral, mezanino e balcão palco). O público pode comprar pacotes de 9, 12, 21, 24 ou 33 concertos. Têm direito a meia-entrada, de acordo com a legislação, as pessoas maiores de 60 anos, estudantes, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência. Ao pagar preço cheio ou meia-entrada, os assinantes podem dividir o valor da compra em até seis vezes, sem juros, no cartão de crédito.

O assinante recebe vantagens que vão de significativos descontos nos preços dos ingressos à possibilidade de manter o mesmo lugar nos concertos adquiridos e à comodidade de receber, em casa, os ingressos das apresentações compradas. Além disso, assinaturas têm sido adquiridas como opção de presente, pela experiência que proporcionam e pela razoabilidade de seu custo, além de durarem todo o ano.

“O ano de 2020 foi de profundas mudanças e incertezas. Contudo, uma certeza se consolidou em nossa sociedade: a relevância da cultura, especialmente da Música, como força de consolo, apego, superação e valorização daquilo que é essencialmente humano. Em um mundo onde transformações ocorrem da noite para o dia, estabeleceu-se o desejo universal de uma ‘volta à normalidade’. É com esse espírito, e cientes do papel crucial que tivemos durante os meses obscuros pelos quais passamos, que trazemos a vocês um sinal concreto de esperança, manifestada na divulgação da Temporada 2021 de nossa Filarmônica”, ressalta Fabio Mechetti.

Segundo Mechetti, três celebrações importantes nortearam boa parte do repertório escolhido: os 50 anos da morte de Stravinsky, os 100 de Camille Saint-Saëns e os 125 de Carlos Gomes. Outra novidade, conta ele: “Em respeito ao público e aos assinantes, vamos repetir as sinfonias de Beethoven ao longo da Temporada 2021. A Nona Sinfonia, obra de Beethoven sempre esperada, será apresentada pela Filarmônica de Minas Gerais em concerto especial, fora da programação de assinaturas. As datas serão anunciadas mais tarde”.

Destaques da programação 2021

 A abertura da nova temporada será nos dias 4 e 5 de março, em concerto regido pelo maestro Fabio Mechetti e que terá como solista o Principal Contrabaixista da orquestra, Neto Bellotto. O programa terá a célebre e revigorante Quinta Sinfonia de Beethoven e o desafiador Concerto nº 1 de Bottesini, nos 200 anos do compositor italiano.

Em 2021, a Filarmônica de Minas Gerais celebra os 50 anos de morte de Stravinsky, os 75 anos da morte de Falla, os 100 anos da morte de Saint-Saëns, os 100 anos da morte de Humperdinck, os 125 anos da morte de Carlos Gomes e os 200 anos de nascimento de Bottesini.

Em homenagem a Stravinsky, será apresentado, em concerto único, os três balés do compositor russo que revolucionaram a música no início do século XX: O pássaro de fogo: Suíte; Petrushka e A Sagração da Primavera.

Dentre os destaques da programação estão o aniversário de Saint-Saëns, com sua Sinfonia nº 3, “Órgão”, seu Concerto para violino nº 3 e outras obras; a Sinfonia nº 2 de Rachmaninov; as aberturas de Carlos Gomes, que serão gravadas em parceria com o selo Naxos; a “Inacabada” e a “Grande”, de Schubert; Um réquiem alemão, a Canção do destino e a Quarta Sinfonia de Brahms. A estreia mundial da obra do vencedor do Festival Tinta Fresca 2019, Igor Maia, e as Cartas Portuguesas, obra do compositor carioca João Guilherme Ripper, com regência do maestro Roberto Tibiriçá, participação da soprano Camila Titinger e direção de cena de Jorge Takla. A obra estreou na Osesp, em agosto de 2020, sem a presença de público.

Na Temporada 2021, a série Fora de Série contará, em nove concertos, a história da evolução da orquestra ao longo de quatro séculos: Orquestra barroca, Orquestra pré-clássica, Orquestra clássica, Orquestra romântica I, II e III, Orquestra Moderna I e II e a Orquestra contemporânea.

Convidados nacionais e internacionais

A Filarmônica de Minas Gerais oferece assinatura para cinco séries de concertos: Presto e Allegro (realizadas às quintas-feiras), Veloce e Vivace (realizadas às sextas-feiras) e Fora de Série (aos sábados). 

Haverá presença de jovens solistas, como Leonardo Hilsdorf, Ronaldo Rolim, Lucas Thomazinho, Carmelo de Los Santos, Camila Titinger, Luisa Francesconi, Leonardo Neiva e Ana Lucia Benedetti; de regentes brasileiros convidados, como Luís Gustavo Petri, Roberto Tibiriçá, Marcos Arakaki, Roberto Minczuk, Cláudio Cruz e Marcelo Lehninger; de brasileiros consagrados internacionalmente, como Antonio Meneses, Arnaldo Cohen, Cristian Budu, Ricardo Castro e Fábio Zanon; além do violinista Vadim Gluzman, da pianista Juliana Steinbach e dos pianistas Jean-Louis Steurmann e Benedetto Lupo, e da vencedora do mais recente concurso Rainha Elizabeth da Bélgica, a violinista Stella Chen.

O ano será especial, também, pela “prata da casa”, com músicos e musicistas da Filarmônica de Minas Gerais, que ganham destaque na programação 2021, como o contrabaixista Neto Belloto, o oboísta Alexandre Barros, a flautista Cássia Lima, o violinista e spalla associado Rommel Fernandes, o violoncelista Philip Hansen, o violista Mikhail Bugaev, a harpista Clémence Boinot, o clarinetista Marcus Julius Laender, o violista João Carlos Ferreira e os violoncelistas Robson Fonseca e Lucas Barros.

Filarmônica Digital

A Filarmônica segue seu projeto de difusão da música de concerto em ambiente digital, por meio da realização de várias ações em suas redes sociais e no canal do YouTube. Entre elas, a produção e veiculação de documentários e podcasts, veiculação de conteúdos educacionais e transmissões ao vivo de concertos, direto da Sala Minas Gerais.

Acesso à venda de assinaturas:

– Pela internet: www.filarmonica.art.br/assinaturas

– Na bilheteria da Sala Minas Gerais (Rua Tenente Brito Melo, 1.090, Barro Preto, BH)

De terça a sexta – das 12h às 20h

Sábados – das 12h às 18h

Processo licitatório foi concluído pelo Iepha-MG e valor investido será de R$ 200 mil. 

O Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) concluiu o processo licitatório para contratação de empresa especializada para a restauração do retábulo do Sagrado Coração de Jesus da antiga matriz de Belo Horizonte — chamada de Igreja Matriz da Boa Viagem de Curral de El-Rey — que atualmente está instalado na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem.  

O Projeto Executivo para restauração prevê a  imunização contra cupins, a revisão e substituição de peças estruturais ineficientes, recomposição do fundo, fôrro do camarim e coroamento, limpeza e reintegração da camada pictórica e  douramento. O valor do investimento é de R$200.000,00, recurso de emenda parlamentar de autoria do deputado estadual Bruno Engler. 

Retábulo Acervo Iepha

O retábulo  é um remanescente da antiga matriz, provavelmente datado de fins do século 18, com características do rococó mineiro, apresentando ornamentação em talha dourada representando rocalhas, folhas de acanto, rosas e outros elementos fitomorfos sobre fundo branco.

Retábulo
O Retábulo do Coração de Jesus é de madeira pintado de branco com douramento. O corpo é composto externamente por duas colunas jônicas, marcadas no seu terço inferior por estrias em diagonal. Duas pilastras com forma de duplo modilhão e dispostas em plano recuado estão localizadas internamente. No camarim, o trono escalonado recebe uma réplica em madeira da imagem de Nossa Senhora da Boa Viagem. No coroamento, o arco do camarim é encimado por dossel sustentado por elemento contracurvado inserido em arco superior e arrematado por entablamento retilíneo. As plumadas das colunas externas são arrematadas por fragmentos de cornija. Este retábulo esteve no Museu Abílio Barreto até 1999, quando foi restaurado e transferido para o coro da igreja da Boa Viagem. 

Histórico da Catedral
A Catedral de Nossa Senhora da Boa Viagem passou por várias construções e demolições, a última intervenção aconteceu em 1931 e foi projetada pelo escritório do arquiteto Luís Signorelli. O tombamento estadual da Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem foi realizado em 1977 com inscrição no Livro do Tombo Arqueológico, Etnográfico e paisagístico, no Livro do Tombo de Belas Artes e no Livro do Tombo Histórico, das obras de Artes Históricas, e dos Documentos Paleográficos ou Bibliográficos.

O tombamento estadual da Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem foi realizado em junho de 1977  e abrange a catedral e a praça que a circunda, os bens que compõem o seu interior como a Imagem de Nossa Senhora da Boa Viagem, o lavatório da sacristia, a pia batismal, a custódia do Congresso Eucarístico Nacional e os três retábulos da antiga matriz e os dois sinos da catedral, remanescentes da antiga Matriz da Boa Viagem.

A catedral passou por diversas obras, como a retirada do pórtico original em 1949, a inserção do relógio da torre em 1951. A última intervenção aconteceu em 1994 com a restauração dos jardins, conforme projeto paisagístico de recomposição dos gramados, recuperação do piso e criação de praças internas com bancos de ferro e madeira, implantação de nova iluminação e sistema de irrigação.

Imagem: Acervo Iepha-MG

Evento acontece às 18h e será transmitido pelo canal do YouTube do Museu das Minas e do Metal.

Interessados em história e literatura não podem perder o bate-papo online que acontece nesta quinta-feira (7/1) sobre o processo de pesquisa e concepção da edição especial do Suplemento Literário que aborda o tricentenário do Estado.

A live, promovida pelo MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, que integra o Circuito Liberdade, será transmitida a partir das 18h, via Youtube.  O convidado é o pesquisador e professor Jacyntho Lins Brandão, organizador desta edição do Suplemento, e seu interlocutor será João Pombo Barile, jornalista e redator da publicação.

O Suplemento Literário de Minas Gerais foi criado em 1966 e segue como um dos mais respeitados periódicos do gênero no Brasil. É produzido pela Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). A edição comemorativa propõe um olhar mais apurado sobre a formação literária do estado a partir da criação da Capitania das Minas Gerais, inspirando reflexões a respeito da história mineira contada por meio de páginas e mais páginas ao longo de três séculos.

A edição especial foi lançada em dezembro do último ano, durante as comemorações do aniversário do Estado, e está disponível nas versões digital e impressa.

A edição impressa do Suplemento Literário de Minas Gerais – “Especial 300 anos de Literatura” foi viabilizada graças a um esforço da Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais e da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas da Secult, ao lado da Associação Amigos da Biblioteca, por meio de patrocínio da Gerdau.

Jacyntho Lins Brandão é professor emérito da UFMG, professor visitante da UFOP e membro da Academia Mineira de Letras. Organizou o volume Literatura mineira: trezentos anos, publicado pelo BDMG Cultural em 2020 (o livro pode ser baixado gratuitamente no site bdmgcultural.mg.gov.br).

João Pombo Barile é jornalista. Redator do Suplemento Literário de Minas Gerais. Dirige, desde 2011, o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura.

Acesse AQUI o Suplemento Literário de Minas Gerais.

Selo WTTC

Chancela pode ser solicitada à pasta por processo virtual; objetivo é reforçar o estado como destino  turístico seguro e confiável

O selo “Viagem Segura”, da World Travel & Tourism Council (WTTC), cujo uso pelo Destino Minas Gerais foi autorizado em função da adequação dos protocolos de saúde e segurança sanitária aos padrões internacionais de enfrentamento à Covid-19, poderá ser solicitado por instituições do setor turístico à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais.

De acordo a Resolução nº 44/2020, publicada no Jornal Minas Gerais desta quarta-feira (25/11), Instâncias de Governança Regionais (IGRs), prefeituras, organizações da sociedade civil, empresas privadas e profissionais do setor podem solicitar o selo Viagem Segura. Segundo o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, este processo foi pensado para os interessados em evidenciar e alinhar seus próprios protocolos de segurança em saúde e higiene, desde que estejam em consonância com as orientações do Plano Minas Consciente. 

“A solicitação de adesão ao selo Viagem Segura, do Conselho Mundial de Viagens e Turismo, vale também para aqueles que queiram aderir aos protocolos sanitários e adotar uma gestão proativa e responsável. Elaboramos o processo para que a adesão seja ágil e eficaz, com base em um mecanismo executivo de solicitação e validação, coordenado pela Secult. Quanto mais selos forem validados, mais nosso estado será reconhecido como um destino seguro e confiável para turistas do mundo todo”, explicou o secretário.

Passo a passo

Para solicitar o selo Viagem Segura da WTTC, os interessados devem seguir os seguintes procedimentos: acessar e ler atentamente os Termos e Condições de uso do selo; acessar, imprimir, assinar e transformar em arquivo .pdf o Termo de Responsabilidade e preencher o link do Formulário de Solicitação.

As informações estão sujeitas a uma revisão para garantir que os dados estejam corretos e completos. E caso haja necessidade de complementação de informações, a SECULT fará uma solicitação específica aos interessados.

Os candidatos que concluem o processo planejado são notificados por e-mail pela Secult com a confirmação de sua aprovação e fornecimento do selo e do seu manual de utilização. A inserção da logomarca da organização ou da empresa será feita pelo próprio solicitante. 

Elegibilidade

Poderão solicitar o selo as Instâncias de Governança Regionais (IGRs), municípios, sociedade civil organizada com fins para o desenvolvimento do turismo e demais prestadores de serviços turísticos cadastrados no “Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos” ou “Cadastur”:  empresas do setor de organização de meios de hospedagem; agências de turismo; transportadoras turísticas; organizadoras de eventos; parques temáticos; acampamentos turísticos; restaurantes, cafeterias, bares e similares; centros ou locais de convenções, feiras ou exposições e similares; empreendimentos de entretenimento, lazer e parques aquáticos; empreendimentos de apoio ao turismo náutico ou à pesca desportiva; casas de espetáculo; prestadoras de serviços de infraestrutura para eventos; locadoras de veículos para o turista; prestadoras especializadas em segmentos turísticos e guias de turismo. Os solicitantes devem ter sede no estado de Minas Gerais e cumprir a aplicação dos protocolos do Plano Minas Consciente.

Requisitos

Os usuários do Selo devem confirmar a implantação da estrutura de previsão, gestão e operação prevista no Plano Minas Consciente, os quais estão alinhados e complementados com os Protocolos Globais do WTTC.

Da mesma forma, os usuários reconhecem e aceitam os termos e condições definidos pelo WTTC, bem como as condições, diretrizes e requisitos definidos no Formulário de Solicitação, e quaisquer adendos que possam surgir.

Os beneficiários públicos comprometem-se a assumir o papel de Embaixadores do Selo Viagem Segura junto aos parceiros do seu território, promovendo o desenvolvimento turístico em consonância com os seus preceitos.

Selo Viagem Segura WTTC

O Destino Minas Gerais recebeu o selo “Safe Travels” (Viagem Segura) do World Travel and Tourism Council (WTTC). O selo é um reflexo da adequação dos protocolos de saúde e higiene durante a pandemia de Covid-19 desenvolvidos pelo Governo de Minas Gerais em conjunto com a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio do Plano Minas Consciente,  às diretrizes internacionais do WTTC. Assim, Minas Gerais foi reconhecida pelas ações de retomada do turismo de forma sustentável e responsável, a favor dos viajantes globais e das comunidades locais que os recebem.

O Departamento de Jornalismo da Rádio Inconfidência AM 880 e FM 110,9 apresenta a série “Folia de Reis”. Três reportagens serão veiculadas nos dias 6, 7 e 8 de janeiro, investigando elementos sobre a fé, arte e identidade mineira a partir das Folias de Reis.  A tradicional celebração é reconhecida como patrimônio cultural e imaterial pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA), desde 2017.

Parte 1: “Patrimônio de Minas”, veiculação no dia 6/1, a partir das 18h45, no Jornal da Inconfidência.
Apresenta as Folias de Reis dentro da tradição das folias mineiras, manifestação que envolve a devoção aos Santos Reis e a outros santos, além de elementos da história e identidade do estado.  

Parte 2: “A arte das Folias”, veiculação no dia 7/1, a partir das 18h45, no Jornal da Inconfidência.
Aborda a Festa de Reis a partir de saberes orais, relações comunitárias e familiares que permitem a transmissão dos ofícios artísticos entre gerações.

Parte 3: “A Folia de Reis em tempos modernos e de pandemia”, veiculação no dia 8/1, a partir das 18h45, no Jornal da Inconfidência.
Aborda os desafios vividos pelas Folias de Reis na atualidade, diante da urbanização, dos modos de viver na cidade e da pandemia de Covid-19.

 

Ficha técnica: 

Produção: Lina Rocha e Verônica Pimenta.

Reportagem e edição: Verônica Pimenta.

Trabalhos Técnicos: Celso Júnior.

Coordenação: Gustavo Abreu.

Veiculação: Rádio Inconfidência AM 880, FM 100,9 (Belo Horizonte) e site www.inconfidencia.com.br.

Agradecimentos: IEPHA, Comissão Mineira de Folclore, Folia de Reis Dona Guidinha (Caiçara/Belo Horizonte), Kátia Cupertino e Dadá Diniz.

7 Panoramas E Tendencias

Publicação, elaborada pelo Observatório do Turismo de Minas Gerais, apresenta dados da retomada das atividades turísticas no estado

Esta disponível no site do Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG) o sétimo volume do relatório “Panoramas e Tendências para o Turismo em Minas Gerais Pós Covid-19”. A publicação, referente a novembro de 2020, pode ser visualizada em sua versão completa ou resumida.

De acordo com o documento apresentado pelo OTMG, entidade de pesquisas que é coordenada pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), o mês de setembro reforça a recuperação gradual do turismo no estado se for observado o fluxo de voos e de passageiros no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte: foram 322.259 desembarques, o que representa um aumento de 38,25% em relação a agosto. O número de voos também foi maior: foram 3.481 pousos e decolagens, o que representa um crescimento de  35,5% em comparação com agosto.

Além disso, o relatório mostra que a taxa de ocupação hoteleira na capital mineira manteve o crescimento, com média de 37,9% - a maior em 2020 desde o mês de abril, e um dos motivos atribuídos a isso é a reabertura dos estabelecimentos comerciais em Belo Horizonte.

Faturamento, empregos e viagens

De acordo com os dados da edição de novembro do Panorama e Tendências, o mês de setembro registrou muitos índices positivos para o turismo em Minas Gerais. Destaque para o faturamento de R$ 1 bilhão do setor e o primeiro saldo positivo de empregos formais desde fevereiro de 2020, ainda com crescimento de 0,23% em relação a agosto, o que significa mais admissões do que demissões na área.

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, os números positivos apresentados na mais recente edição do “Panoramas e Tendências” são mais um motivo para dar sequência ao que vem sendo feito pela pasta desde o início da pandemia. “O relatório mostra que o turismo em Minas Gerais está tomando fôlego novamente, sobretudo se olharmos o faturamento do mês de setembro, que ultrapassou R$ 1 bilhão e que corresponde a 8% do país. Continuamos o trabalho de muito diálogo com toda a cadeia produtiva do turismo e da cultura no estado para unir esforços, recuperar e desenvolver cada vez mais esses setores e conseguir resultados ainda mais expressivos, como estes que tivemos com relação aos meses de setembro e outubro”, ressalta Oliveira.

Também base no relatório, os principais e-commerces do setor de turismo e viagens apresentaram 71 milhões de acessos em outubro, o que significa um crescimento de 18% em relação a setembro – o que pode indicar que as pessoas estão se sentindo mais seguras e interessadas em planejar suas viagens.

Seguindo o tema “Viagem”, o estudo mostra que um tema muito buscado no Portal Minas Gerais, em outubro, foi “cachoeira” – neste mês, grande parte do território mineiro estava na “Onda Verde” do plano Minas Consciente e as temperaturas aumentaram, fatores que podem ter motivado a busca pela atração turística em todo o estado.

Ainda dentro de “Viagens”, o Panoramas e Tendências apresenta os resultados das enquetes realizadas por meio do perfil promocional da Secult no Instagram, o @visiteminasgerais,com números mais animadores do que os da última pesquisa: 52% dos entrevistados disseram que pretendem viajar nos próximos 30 dias, e 73% afirmaram que pretendem realizar uma viagem em até 90 dias. Para 61%, o tipo de viagem ideal será com duração de um fim de semana.

O relatório Panoramas e Tendências do Turismo em Minas Gerais pode ser acessado AQUI, tanto em sua versão completa quanto resumida.

Design sem nome 20

Programa da Secult tem objetivo de melhorar a qualidade e apoiar a comercialização dos serviços e produtos turísticos oferecidos pelas agências e operadoras de turismo receptivo do estado

Termina no próxmo domingo (10/1) o prazo para solicitar a habilitação de 2021 no programa Minas Recebe, da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). As agências de turismo receptivo que têm sede em Minas Gerais e interesse em fazer parte do programa de apoio à comercialização e promoção de produtos, serviços, roteiros e destinos turísticos devem acessar o Portal Minas Gerais e preencher o formulário de inscrição*. 

Para participar do Minas Recebe, é necessário atender a requisitos básicos como:

  • Possuir sede em Minas Gerais;Ter registro ativo no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), podendo ser Micro Empreendedor Individual (MEI) ou de outra natureza jurídica; ser registrado no Cadastur como agência de turismo;
  • Possuir inscrição municipal e ter autorização do órgão municipal competente para emissão de nota fiscal ou documento equivalente;
  • Operar e comercializar produtos turísticos de Minas GeraisPossuir site, blog ou rede social que divulgue informações atualizadas sobre os produtos turísticos mineiros comercializados.

O processo de inscrição para solicitar a habilitação consiste no preenchimento do formulário online* disponível no Portal Minas Gerais e envio, por Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., do tarifário dos produtos turísticos ou versão digitalizada de material publicitário com informações dos produtos turísticos de Minas Gerais operados e comercializados pela empresa.  

Ao receber as informações do formulário online mais tarifário ou documento equivalente, a equipe da Secult irá analisar o conteúdo e sinalizar a aprovação do mesmo por e-mail. A lista oficial de empresas habilitadas no Minas Recebe será divulgada no site da Secult 30 dias após o prazo de encerramento das inscrições.

Vantagens do programa
Entre as vantagens do programa Minas Recebe está a participação em diversas iniciativas que a Secult realizada com foco na promoção e comercialização do destino Minas Gerais para o trade turístico, como viagens de reconhecimento, press trips, famtours, parcerias com empresas e presença em feiras e eventos nacionais e internacionais.

A subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, cita, ainda, um dos principais benefícios de participar do Minas Recebe. “As empresas habilitadas tem um canal gratuito de promoção e divulgação dedicado especialmente a elas no Portal Minas Gerais, que é o site com informações turísticas oficiais do estado. O portal, que somou 920 mil acessos orgânicos de janeiro a outubro de 2020, teve sua nova versão lançada em setembro de 2020, e abriga, até então, mais de 200 roteiros turísticos comercializados pelos receptivos do Minas Recebe. É uma vitrine com uma capilaridade potente, e o Minas Recebe pode ser considerado um conjunto de vantagens que pode ser mais difícil conseguir se a empresa atuar de forma isolada”, ressaltou a subsecretária.

Para este ano, as perspectivas envolvem diagnostico e acompanhamento das empresas habilitadas; reuniões e encontros de alinhamento técnico; levantamento e encaminhamento de demandas do setor; parcerias e articulações com foco em melhorias de serviços, produtos e destinos turísticos; além de práticas comuns do programa como viagens de reconhecimento, capacitações alinhadas às tendências de mercado e participação em eventos.

*As agências de turismo repecetivo que ainda não possuem o cadastro no Portal Minas Gerais devem fazê-lo para ter acesso ao formulário de inscrição.

FAOP 52 ANOS

 

A Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP) completou, no último dia 25 de novembro,  o seu 52º aniversário. A data é um momento significativo para comemorar a existência desse espaço de produção e absorção de arte. Afinal, são mais de meio século de trajetória repleta de histórias, lutas e vitórias para celebrar. 

“É sempre um enorme prazer comemorar o aniversário da FAOP, principalmente para mim que ontem era aluna e hoje posso contribuir para o seu crescimento atuando como presidente desta Fundação tão importante e singular. Neste ano esta data tem um peso ainda maior diante de tantos desafios, mas estamos contentes em dizer que completamos mais um ciclo levando a arte, cultura e preservação do patrimônio a muitas pessoas e comunidades. Nos reinventamos, ampliamos nossa atuação em um momento atípico e desafiador e reafirmamos o importante papel que a cultura tem nesse cenário de poucas certezas. Dias melhores virão e em breve estaremos juntos presencialmente novamente promovendo cada vez mais ações. Estamos animados e com esperança de que os próximos anos sejam ainda mais exitosos. Na oportunidade, gostaria de parabenizar a todos os servidores e ex servidores da FAOP que veem, desde sua criação há 52 anos, contribuindo para o crescimento e consolidação da instituição como uma das mais importantes do país", celebra Júlia Mitraud, presidente da Faop.

Alunos, funcionários e moradores celebram a existência da FAOP

Ao longo dos anos a FAOP se consolidou como uma ferramenta significativa para o impulsionamento da arte e da cultura como forma de transformação social. O trabalho ultrapassa as barreiras da instituição e impacta, não apenas todos os profissionais e alunos, mas também a comunidade de modo geral. 

Um exemplo disso é o projeto ARO | Formação em Arte, Restauro e Ofício — que marcou a vida de vários jovens. 

“O projeto veio para dar vários caminhos para os alunos que por lá passaram, alguns amigos viraram empreendedores e artistas, sendo pintores, artesãos, dançarinos, criaram amor por atuar,  outros seguindo mais a fundo a área de restauração, foram vários os benefícios, mas em uma particularidade, o mais importante para mim foi o amadurecimento pessoal que tive lá dentro, a criação de responsabilidade, paciência, o lutar por direitos de forma correta, acreditar em mim mesma, ter perspectivas de futuro e nunca desistir dos meus sonhos”, conta Maxíléia Romão, ex-aluna da FAOP. 

Gabriela Rangel, Diretora da Escola de Arte Rodrigo Melo Franco de Andrade, explica que a fundação faz parte da sua trajetória desde o começo: “pensar a Faop em seus 52 anos, é rever minha história, nasci no primeiro ano de seu funcionamento, filha de dois artistas pioneiros na criação de sua escola de arte. Cresci frequentando os cursos. Como professora, coordenadora e diretora da Escola de Arte Rodrigo Melo Franco de Andrade, onde tive o privilégio de viver a arte como formação e convivência, aprendi sobre a importância da preservação do legado cultural e principalmente compreendi a abrangência e singularidade do trabalho realizado aqui, transformando vidas, comunidades, semeando propostas, projetos, programas, e se reinventando ao longo das décadas, sem perder a sua essência e capacidade de inovação.”

A história da FAOP

A FAOP nasceu em 1968 e foi resultado da união de esforços de importantes nomes da arte nacional, são eles o poeta Vinicius de Moraes, a atriz Domitila do Amaral, o escritor Murilo Rubião e o historiador Affonso Ávila. 

O objetivo era criar em Ouro Preto um instrumento capaz de fomentar a cidade como polo irradiador de cultura, incentivando a produção de arte. Para isso, o então governador do estado de Minas Gerais, Israel Pinheiro solicitou que Murilo Rubião fosse o responsável pela implantação da instituição. 

Em 1969, à FAOP foi integrada a Escola de Arte Rodrigo Melo Franco de Andrade | EARMFA, criada pelos artistas Nello Nuno e Annamélia Lopes. Poucos anos depois, o restaurador Jair Afonso Inácio criou, em conjunto com a EARMFA, o primeiro curso para a formação de conservadores e restauradores no Brasil.

Presente e futuro da Fundação de Arte de Ouro Preto

Desde a sua criação, a FAOP já impactou milhares de crianças, jovens e adultos com seus cursos, oficinas, seminários, exposições, festivais e concursos. A fundação também atua em projetos de preservação e restauro de obras de grande relevância para as comunidades. 

Veja alguns dos principais serviços oferecidos pela FAOP:

  • exposições gratuitas ao público na Galeria de Arte Nello Nuno;
  • edital anual para ocupação da Galeria de Arte Nello Nuno;
  • acervo com mais de 9 mil exemplares e computadores com acesso à internet na Biblioteca Murilo Rubião;
  • cursos de Desenho, Pintura, Gravura, Cerâmica, Curtas, Video Arte, Violão e muitos outros;
  • oficinas de Encadernação, Papel Marmorizado, Ofícios, Mosaico Mural e outros temas;
  • seminários temáticos;
  • Programa de Formação em Arte;
  • formação de Técnicos em Conservação e Restauro;
  • conservação e restauração de acervos comunitários;
  • prestação de serviços, laudos técnicos e diagnósticos na área de conservação e restauração de bens móveis, imóveis e integrados por meio do Laboratório de Conservação e Restauro Jair Afonso Inácio;
  • Concurso Nacional de Presépios.

A FAOP é uma instituição de tradição, mas que não para de se reinventar para atender as novas necessidades do mundo. Prova disso são as ações online promovidas pela fundação ao longo de 2020 para, diante da pandemia do coronavírus, manter o compromisso de fomentar a arte e incentivar a conservação e a preservação do patrimônio cultural do país.

“Não estávamos preparados para enfrentar tamanha crise sanitária e econômica. Diversas adequações precisaram ser realizadas, mas estamos felizes com o resultado do nosso trabalho online. Aprendemos muito e certamente vamos continuar aprimorando os nossos cursos virtuais para atingir mais pessoas, com cada vez mais qualidade”, destaca Júlia Mitraud.

A Fundação de Arte de Ouro Preto é uma entidade vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult).

2020 10 22 filarmonica flora Silberschneider

 

A Filarmônica de Minas Gerais está entre os vencedores do Grande Prêmio Concerto 2020 pela votação do júri – “Reinvenção na Pandemia”. A Orquestra já havia sido escolhida, também, pela votação popular. Agora, foi destacada pelo time de jurados da revista Concerto, composto por jornalistas e críticos de música do país. As transmissões ao vivo e as ações pedagógicas, que motivaram a premiação, seguirão em 2021 com o intuito de ampliar ainda mais o acesso do público à música de concerto e ao conhecimento musical.

Os números da Filarmônica em ambiente digital nos últimos 9 meses(março a dezembro de 2020)

281 dias de ações inéditas em ambiente digital;
3.575.000 vezes: nossos conteúdos foram vistos e ouvidos;
780 publicações nas diferentes plataformas digitais da Filarmônica;
20 transmissões ao vivo de concertos da Maratona Beethoven no YouTube – total de 102.000  visualizações, sendo 68.000 espectadores únicos, o correspondente a 46 Salas Minas Gerais  lotadas;
6 concertos inéditos da série Filarmônica em Câmara-Digital gravados na Sala Minas Gerais e transmitidos no YouTube;
14 vídeos Concertos em Casa (veiculação de obras na íntegra e inéditas no YouTube);
71 vídeos Solos em Casa e 29 Câmara em casa com apresentações gravadas dos músicos em suas  casas – total de 100 vídeos;
16 vídeos do projeto educativo Universo Sinfônico, sobre instrumentos da orquestra;
17 episódios do podcast Filarmônica no Ar em duas diferentes temporadas;
296 alunos de 14 instituições atendidos pela Academia Virtual Filarmônica;
Publicação de no total 155 vídeos inéditos entre transmissões ao vivo, concertos sinfônicos e de  câmara gravados e inéditos, apresentações de solos e de música de câmara gravados na casa dos  músicos e vídeos educacionais. 

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais foi fundada em 2008 e tornou-se referência no Brasil e no mundo por sua excelência artística e vigorosa programação. Conduzida pelo seu Diretor Artístico e Regente Titular, Fabio Mechetti, a Orquestra é composta por 90 músicos de todas as partes do Brasil, Europa, Ásia e das Américas. O grupo recebeu numerosos menções e prêmios, entre eles o Grande Prêmio da Revista CONCERTO em 2020 e 2015, o Prêmio Carlos Gomes de Melhor Orquestra Brasileira em 2012 e o Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA) em 2010 como o Melhor Grupo de Música Clássica do Ano. O CD Almeida Prado – obras para piano e orquestra, com Fabio Mechetti e Sonia Rubinsky, lançado em 2020 pelo selo internacional Naxos em parceria com o Itamaraty, foi indicado ao Grammy Latino 2020.

A recente premiação dada pela Revista Concerto teve como tema “Reinvenção na Pandemia” e destacou as transmissões de concertos realizadas pela Filarmônica em 2020, em sua Maratona Beethoven, e ações educacionais como a Academia Virtual.Suas apresentações regulares acontecem na Sala Minas Gerais, em Belo Horizonte, em cinco séries de assinatura em que são interpretadas grandes obras do repertório sinfônico, com convidados de destaque no cenário da música orquestral. Tendo a aproximação com novos ouvintes como um de seus nortes artísticos, a Orquestra também traz à cidade uma sólida programação gratuita – são os Concertos para a Juventude, os Clássicos na Praça, os Concertos de Câmara e os concertos de encerramento do Festival Tinta Fresca e do Laboratório de Regência. Para as crianças e adolescentes, a Filarmônica dedica os Concertos Didáticos, em que mostra os primeiros passos para apreciar a música de concerto. Além disso, desde 2008, várias cidades receberam a Orquestra, de Norte a Sul, passando também pelas regiões Leste, Alto Paranaíba, Central e Triângulo.

A Orquestra possui 9 álbuns gravados, entre eles dois que integram o projeto Brasil em Concerto, do selo internacional Naxos junto ao Itamaraty, com obras dos compositores brasileiros Alberto Nepomuceno e Almeida Prado. O álbum de Almeida Prado, lançado neste ano, foi indicado ao Grammy Latino de melhor gravação de música erudita. A Sala Minas Gerais, sede da Orquestra, foi inaugurada em 2015, em Belo Horizonte, tornando-se referência pelo seu projeto arquitetônico e acústico e uma das principais salas de concertos da América Latina. A Filarmônica de Minas Gerais é uma das iniciativas culturais mais bem-sucedidas do país. Juntas, Sala Minas Gerais e Orquestra vêm transformando a capital mineira em polo da música sinfônica nacional e internacional, com reflexos positivos em outras áreas, como, por exemplo, turismo e relações de comércio internacional.

Foto: Flora Silberschineider

DIVULGACAO

 

Exposições abordam a relação com o cotidiano de forma lúdica e reflexiva

 

A Fundação Clóvis Salgado anuncia a abertura das exposições do Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais, edição que marca a troca de nome do antigo Edital de Ocupação FCS de Artes Visuais, anunciada em 2019. Com diferentes e criativas propostas, foram contemplados o artista Froiid (MG), que ocupará a Galeria Genesco Murta com a exposição É hora da onça beber água, e a curadora Joyce Delfim (MG), responsável pela exposição Figurar o impossível, composta por obras da artista visual Marcela Cantuária (RJ).

Em É hora da onça beber água, Froiid expõe um site specific que enlaça as potências da arte à joguificação, criando um ambiente lúdico que estimula a participação do público na construção da obra. Uma mesa de bilhar de 13 metros compõe o cenário no qual o público é convidado a refletir, suspender e recriar as regras do jogo. Já Joyce Delfim, curadora da exposição Figurar o impossível, constrói a sistematização que torna o espaço físico e simbólico da galeria um local de reflexão. Para a mostra, Joyce selecionou pinturas de Marcela Cantuária, marcadas pela representatividade do feminino nas lutas de classe, a partir de um olhar transcendente e mágico, em uma estética vibrante.

Hoje denominado Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais, o Edital de Ocupação de Artes Visuais da FCS é uma importante ferramenta de estímulo à produção artística em âmbito nacional, permitindo o acesso do público a diferentes linguagens. Para a presidente da Fundação Clóvis Salgado, Eliane Parreiras, essa iniciativa abre as portas do Palácio das Artes às mais variadas propostas artísticas. “O Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais é reconhecido por sua diversidade. A cada edição, artistas de Minas e de outros estados ocupam nossas galerias com as mais variadas propostas. O fomento a essa diversidade de obras e artistas e seus resultados muito nos orgulha. Fazemos questão de preservar esse Prêmio, cujas exposições nos ajudam a ampliar o acesso à cultura, especialmente nesse momento em que o Palácio das Artes retoma suas atividades presenciais por meio das Galerias”, comemora.

Iniciativa já consolidada como evento de destaque no cenário artístico nacional, a realização do Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais visa fomentar a produção artística contemporânea e a divulgação de novos talentos. Como premiação, os artistas recebem quantia prevista em Edital para a montagem das exposições, além de apoio da FCS na divulgação das mostras. Artistas como Adriana Maciel, André Griffo, Bete Esteves, Claudia Tavares, Eder Oliveira, Juliana Gontijo, Luiza Baldan, Luiz Arnaldo, Marcelo Armani, Nydia Negromonte, Patricia Gouvêa, Ricardo Burgarelli, Ricardo Homen, Lorena D’arc, Renata Cruz e Rodrigo Arruda já tiveram seus trabalhos contemplados em outras edições do Edital de Ocupação de Artes Visuais da FCS.

Medidas de segurança – Seguindo as orientações do programa Minas Consciente, protocolo para a retomada econômica de Minas Gerais, a Fundação Clóvis Salgado estabeleceu uma série de normas para a volta das atividades de suas galerias de forma segura.

Para evitar aglomerações, a galeria contará com sinalização nas áreas externas e internas para garantir distanciamento mínimo de 2 metros entre as pessoas durante a visitação. O uso de máscaras – tanto para visitantes quanto funcionários – será obrigatório. Todos os ambientes do Palácio das Artes serão higienizados diariamente antes da abertura ao público e serão disponibilizados tapetes para a limpeza de calçados, assim como álcool em gel 70% para desinfecção das mãos.

Serão permitidos até 7 visitantes por vez na Galeria Genesco Murta e na Galeria Arlinda Corrêa Lima 6 pessoas, que deverão seguir recomendações como evitar conversar, manusear telefone celular, ou tocar no rosto durante a permanência no interior do centro cultural; cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar; realizar a higienização das mãos ao entrar e sair do espaço; seguir sempre as instruções dos funcionários e não frequentar a galeria caso apresente qualquer sintoma de resfriado ou gripe. Para o manuseio da obra interativa do artista Froiid, serão disponibilizadas luvas descartáveis, e os objetos tocáveis serão higienizados após cada uso.

Sobre as exposições:

 

É hora da onça beber água, de Froiid

Galeria Genesco Murta

 

Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais configura a primeira exposição individual de Froiid (1986) no Palácio das Artes. Graduado em Artes Plásticas, o artista possui enfoque em trabalhos que relacionam arte e o espaço urbano. Pela FCS, Froiid já exibiu nas mostras Leilão de Arte 1,99 (2014); Noite Branca (2012); e Grafitti sem Limites (2011), possuindo diversas outras exposições coletivas e individuais.

A mostra É hora da onça beber água traz para a Galeria Genesco Murta uma mesa de bilhar de 13 metros, contendo quatorze bocas e trinta bolas, configurando uma plataforma interativa que torna o espectador parte fundamental da obra. Os sons da mesa serão amplificados por microfones e alto-falantes, criando uma atmosfera acústica e sensorial, e as paredes da galeria, pintadas na cor vermelha e verde, remetem às pinturas dos comércios e bares populares.

site specific também conta com dois quadros, onde os visitantes/jogadores poderão marcar e enumerar com giz o placar do jogo. Um suporte para os tacos também estará presente na parede, como nos tradicionais espaços de sinuca. Ao fundo da galeria, dois vídeos serão exibidos de forma contínua, com filmagens de jogadores profissionais de sinuca interagindo com a mesa exposta na galeria.

Segundo o artista, a proposta é remodelar as experiências do jogo e cunhar uma experiência interativa e imersiva. “Busco criar outras possibilidades dentro da arte relacional, suspendendo as regras comuns e propondo diversas relações com o jogar, seja por escape da realidade, subversão da lógica ou crítica aos próprios mecanismos do jogo”, explica Froiid. “Dessa forma, se estabelece uma ampliação física, estética e sensorial da experiência”.

O trabalho apresentado no Prêmio possui relação com os jogos de futebol de prego (petelecos) desenvolvidos pelo artista a partir de 2014. Nesse trabalho, Froiid propõe novas configurações geométricas dos campos, que, como na exposição inédita, permitem inúmeras possibilidades de interação. Ainda segundo Froiid, “a mostra rememora as propostas de arte neoconcretistas, onde buscava-se promover um modo diferenciado de relações com o observador. O público, que agora é partícipe, constrói seu próprio jogo de modo colaborativo: eles devem discutir o que é ou não é permitido, de forma livre e mutável, criando suas próprias regras e objetivos”.

 

Figurar o impossível, com curadoria de Joyce Delfim e obras de Marcela Cantuária

 Galeria Arlinda Corrêa Lima

 

Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais configura a primeira curadoria de Joyce Delfim (1996) realizada para uma galeria do Palácio das Artes. Delfim é bacharel em História da Arte e pesquisa problemáticas relacionadas à representação do corpo feminino na Arte, atuando como curadora independente com foco na produção artística e poética de mulheres. Trabalhando de forma próxima com Marcela Cantuária (1991), a curadora reúne na exposição 32 pinturas da artista visual, contendo obras inéditas, que compõem as pesquisas/séries Mátria Livre e Oráculo Urutu.

Figurar o impossível, segundo Joyce Delfim, configura grande importância para a circulação das obras de Cantuária, artista carioca que possui no trabalho uma forte presença da memória política, do misticismo e da força da mulher latino-americana. “A pictórica é atrelada ao lúdico e à imaginação, assim como às forças da natureza. As obras lidam com a noção de tarô, de seus arcanos e arquétipos, e com personagens que sumarizam a força e permanência da mulher nos processos de luta e conquista”, destaca Delfim.

As pinturas selecionadas para a exposição possuem imagens históricas advindas do universo da política, característica da pesquisa da artista acerca da posição da mulher na sociedade, da luta de classes, da divisão de poderes e dos estereótipos de gênero. Na série Mátria Livre, a artista critica estruturas enraizadas, como o machismo e a misoginia, e elabora narrativas de enfrentamento, utilizando uma paleta cromática vibrante.

Personagens como Mamá Dolores e Mamá Tránsito, líderes indígenas equatorianas pioneiras no campo da luta pelos direitos humanos, Juana Azurduy Bermudez, militar latino-americana de origem indígena que participou das lutas pela independência da América Espanhola, e a cangaceira brasileira Maria Bonita, também compõem Mátria Livre. Já nas telas de Oráculo Urutu, o universo místico se mistura em representações de trechos musicais e obras literárias, uma espécie de “jogo divinatório das artes”.

O realismo mágico de Marcela Cantuária compila uma miscelânea de influências: os corpos de mulheres se encontram entrelaçados em paisagens em chamas, em animais domésticos e selvagens, inseridos em planos de narrativa anacrônicos, circulares, e até mesmo confusos. As obras da artista, por meio do olhar de Delfim, transbordam a luta, a força e ancestralidade latino-americana.

BDMG instrumental 2020 

A premiação comemora 20 anos e recebe inscrições até o dia 28 de fevereiro. Instrumentistas de Minas Gerais podem se inscrever, exclusivamente, pelo site do BDMG Cultural

Até o dia 28 de fevereiro, o BDMG Cultural recebe inscrições para o 20º Prêmio BDMG Instrumental. O edital foi reaberto nesta terça-feira, 5 de janeiro, após ter inscrições suspensas em março de 2020 devido à evolução da pandemia da Covid-19. Instrumentistas de Minas Gerais podem se inscrever, gratuitamente, pelo site www.bdmgcultural.mg.gov.br

O Prêmio BDMG Instrumental é voltado para compositores, arranjadores e instrumentistas mineiros, ou residentes em Minas Gerais há mais de dois anos, valorizando a pesquisa musical e a produção musical em curso no estado. O edital de concorrência pública premia quatro instrumentistas com o valor de R$ 12 mil e a realização de shows em Belo Horizonte, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), e em São Paulo, no programa Instrumental Sesc Brasil, uma parceria com o Sesc SP. Ressalta-se que a realização das apresentações presenciais somente será possível de acordo com as normas sanitárias vigentes no período e poderão ser modificadas de acordo com a evolução da pandemia da Covid-19.

A premiação está comemorando 20 anos e consolida-se como um dos principais prêmios de fomento à música instrumental no Brasil. Uma das celebrações de duas décadas do prêmio foi a realização da Mostra BDMG Instrumental, série especial com 10 episódios e que está disponível no canal do Youtube do BDMG Cultural. Participaram da mostra os artistas Alexandre Andrés, Antônio Loureiro, Cléber Alves, Deangelo Silva, Guanduo, Luísa Mitre, Lucas Telles, Marcela Nunes, Rafael Martini e Thiago Delegado, instrumentistas que venceram o Prêmio BDMG Instrumental durante estes anos de realização. As conversas musicais foram mediadas pela jornalista e radialista Patrícia Palumbo.

Outra novidade importante para esta edição foi a criação do edital Colé, um laboratório coletivo de design. Realizado em 2019, o laboratório contou com uma comissão avaliadora que selecionou seis designers para discussão e construção de uma identidade visual para a edição comemorativa de duas décadas da premiação. 

Serviço
Reabertura do edital 20º Prêmio BDMG Instrumental
Período: 05 de janeiro a 28 de fevereiro de 2021
Onde: edital completo e inscrições pelo site www.bdmgcultural.mg.gov.br

 

WhatsApp Image 2020 11 27 at 10.22.52

 

Com peças confeccionadas em Kraft e papelão, curador Leo Piló retrata cenas da Sagrada Família

 

Uma mãe que acaba de dar à luz, o pai da criança e o bebê são observados de perto por um pajem com seus cachorros, em cenário tipicamente brasileiro: uma mata de coqueiros. Essa cena, que poderia ser vista em diversas regiões do país, representa, neste ano, uma das histórias mais conhecidas da humanidade: o nascimento do menino Jesus e a Sagrada Família, no 6º Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura, que será inaugurado no dia 26 de novembro, às 19h, com transmissão ao vivo, e poderá ser visto até o dia 6 de janeiro, nas vitrines do espaço cultural. Para assistir à Live com o artista Leo Piló, curador do Presépio desde sua criação, que exibirá os espaços construídos, é preciso retirar ingressos na Sympla, gratuitamente, no endereço https://bit.ly/BatepapoLeoPilo.

O artista e curador do Presépio Colaborativo destaca que esta edição convida a pensar sobre nossa relação com o mundo. “É tempo de sermos mais solidários e pacientes, especialmente agora. A pandemia acentua a percepção de um homem mais íntegro e integrado à natureza”, reflete.

O Kraft, o papel e o papelão são as grandes estrelas do presépio 2020, que homenageia a simplicidade, ao valorizar as pessoas comuns que transformam o mundo. Para Leo Piló, o papel Kraft é o material que substitui o plástico, principalmente em sacolas, com uso mais ecológico e menor impacto ao meio ambiente. Por não passar por processos de clareamento do papel e ser mais natural, é menos contaminante e pode ser facilmente reciclado. No Brasil, apenas 3% dos resíduos gerados passam por processos de reciclagem. O papel tem taxa de reciclo de 68%, enquanto o plástico, de 22%. A escolha do material na 6ª edição do Presépio Colaborativo é um convite à revisão de atitudes, ao lembrar que as pessoas podem reduzir impactos ambientais com pequenas mudanças, como a compra de produtos sem embalagens plásticas.

O Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura chega à sexta edição como uma tradição de Natal na Praça da Liberdade. A cada ano, as cenas tradicionais ganham ares modernos, e são adaptados a novas realidades, aproximando o presépio da vida cotidiana. A base principal é a reciclagem de resíduos. A primeira edição foi feita com papel e propunha o resgate das tradições natalinas. No ano seguinte, Leo Piló apresentou temática futurista, com uso de tetra pak. Em 2017, as peças feitas em papel, isopor, plástico e papelão homenageavam os povos indígenas e faziam apelo à preservação das terras. Já a 4ª edição foi uma homenagem ao Presépio do Pipiripau, com mais de mil peças em papelão. Em 2019, realizou-se uma edição comemorativa, relembrando os anos anteriores e trazendo o presépio em bambu, considerado o material do futuro, pelo artista e curador.

O Presépio 2020

Mais de 400 peças em material reciclado compõem os cenários do presépio criado por Leo Piló em 2020. Elas foram feitas a partir de técnicas de dobraduras, franzimento, kirigami, empapelamento, papel colé, texturização e alfaiataria em papel. A cena será organizada em três planos diferentes: no primeiro, pequenas peças coloridas, em homenagem às crianças, no segundo, os personagens da Sagrada Família, e, ao fundo, a mata de coqueiros e bromélias, que representa o Brasil e aproxima a tradicional cena de Natal de nossa realidade. O ambiente também é composto por colunas com referências gregas e romanas, que simbolizam a tradição e o passado. O desgaste das colunas representa a superação desse tempo que não existe mais, anunciando que uma nova era está por ser descoberta e vivida.

Para garantir a segurança dos participantes e garantir a continuidade dos festejos natalinos, todo o conceito do Presépio Colaborativo foi adaptado à nova realidade mundial: as tradicionais oficinas, que todos os anos envolviam o público na sede da Casa Fiat de Cultura, para confecção das peças, foram realizadas em formato de vídeo, nas redes sociais da instituição, ensinando as pessoas a construírem artigos que serão utilizados na decoração natalina de suas casas. Os cinco vídeos, com passo a passo de como fazer botinhas de Natal, bromélias, coqueirinhos e enfeites de parede, já tiveram mais de 7 mil acessos. Os vídeos das oficinas podem ser vistos no canal da Casa Fiat de Cultura no YouTube.

O presidente da Casa Fiat de Cultura, Fernão Silveira, vê a realização do presépio como uma reinvenção, depois das tantas mudanças que 2020 provocou. “As experiências que antes aconteciam dentro da nossa Casa precisaram continuar a acontecer no espaço virtual e, agora, encontramos uma janela para nos aproximar. Desejamos que esses aprendizados se mantenham e que possamos celebrar um mundo mais unido e consciente do papel de cada um”.

A 6ª edição do “Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura” é uma realização do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e da Casa Fiat de Cultura, com o patrocínio da Fiat Chrysler Automóveis (FCA), da Fiat Chrysler Finanças e do Banco Safra. A iniciativa conta com apoio da Ilha Ecológica da Fiat, e apoio institucional do Circuito Liberdade, do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha), do Governo de Minas e do Governo Federal.

HOMENAGEM ÀS FAMÍLIAS BRASILEIRAS E À NATUREZA

A grande inspiração do Presépio Colaborativo 2020 vem da figura materna e do surgimento das famílias. Independentemente do lugar, das crenças e das classes sociais, há sempre um respeito muito grande pelas famílias e pelas crianças que nascem e precisam de proteção. “Cada pessoa é um pequeno deus. E um nascimento é sempre um sinal de esperança e de dias melhores”, analisa o artista Leo Piló.

A relação com a natureza vem, justamente, do instinto dessas mães em proteger suas crias, sejam nas famílias humanas, sejam nas famílias de animais. “Só se vem ao mundo através das mães, por isso a homenagem a essa figura tão poderosa”, explica.

Por serem confeccionadas, em sua maioria, com Kraft e papelão, as 400 peças apresentam tonalidade de areia. As únicas peças coloridas são as botinhas, que ficam no primeiro plano do cenário, e remetem a um tempo em que as crianças faziam seus próprios brinquedos e brincadeiras. Além de ficarem posicionadas em um local onde os pequenos consigam vê-las com mais facilidade, as peças propõem reflexão sobre a relação consumista que se estabeleceu com o Natal ao longo dos anos.

Com a tonalidade única, o cenário do Presépio ganhou ares de deserto, e a mata que ambienta o nascimento do Menino Jesus aparece como uma espécie de Oásis, que simboliza a força da natureza.

Como, excepcionalmente, o Presépio só poderá ser visto do lado de fora, o artista criou um conjunto de peças que representam os visitantes: um pajem, com dois cachorros, no lugar do tradicional anjo, que observam a cena e zelam pelo menino que acabou de nascer.

A partir dessa nova configuração, o Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura coloca luz em assuntos que precisam ser debatidos: a sustentabilidade, o consumo, a união dos povos, a valorização da simplicidade e nossa relação com o meio ambiente.

Presépio colaborativo ALÉM DA Casa Fiat de Cultura

Desde a primeira edição, o Presépio Colaborativo é marcado pela intensa participação do público. Todos os dias, cerca de um mês antes da inauguração, a Casa Fiat de Cultura abria suas portas para os visitantes, que aprendiam novas técnicas e modos de reciclar materiais e contribuíam para a construção do presépio com inúmeras pecinhas, feitas manualmente.

Os protocolos de segurança seguidos no cenário de pandemia exigiu novo formato e os resultados não poderiam ter sido melhores. O artista Leo Piló preparou quatro vídeos ensinando o público a fazer as peças, que, agora, decoram a casa das próprias pessoas.

A Casa Fiat de Cultura integra o Circuito Liberdade, coordenado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult).

SERVIÇO

Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura
26 de novembro de 2020 a 6 de janeiro de 2021
Visita à vitrine da Casa Fiat de Cultura

Abertura do Presépio Colaborativo
Bate-papo com Leo Piló - transmissão ao vivo
26 de novembro, das 19h às 19h30
Evento gratuito, com inscrição pela Sympla:https://bit.ly/BatepapoLeoPilo

Crédito foto: Leo Lara

Seguindo os critérios estabelecidos pelo programa Minas Consciente, do Governo de Minas, todos os equipamentos públicos sob a gestão do Governo no Circuito Liberdade suspendem suas atividades presenciais a partir desta terça-feira (5/1). O objetivo é evitar a propagação da Covid-19. As programações virtuais continuam e não há previsão para reabertura dos espaços.

Encontram-se fechados para visitação o Arquivo Público Mineiro, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, o BDMG Cultural, o Cefart Liberdade, o Centro de Arte Popular, o Museu Mineiro, Museu dos Militares Mineiros e o Palácio da Liberdade.

De acordo com os protocolos do Programa Minas Consciente, Belo Horizonte encontra-se na onda vermelha, na qual somente serviços essenciais devem funcionar. A superintendente de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais, Milena Pedrosa, destaca a importância de resguardar a saúde dos profissionais envolvidos, dos mineiros, mineiras e turistas nesse momento em que o país vive uma segunda onda da Covid-19. “Os espaços culturais do Circuito Liberdade seguem fechados para visitas presenciais, mas continuam com várias atividades online, como palestras, cursos, visitas guiadas e exposições”, ressalta.

Desde o início da pandemia de Coronavírus, todas as medidas de segurança sanitária têm sido adotadas para resguardar a saúde dos profissionais que continuam trabalhando para levar cultura e a arte à população, mesmo que de forma remota, pois a arte e a cultura têm se mostrado fundamentais nesse momento de isolamento social.

Os espaços culturais privados ou parceiros do Estado que fazem parte do Circuito Liberdade têm autonomia para funcionar. Estão abertos, entre outros, o CCBB e o Centro Cultural Minas Tênis Clube. Para ficar por dentro de todas as atividades do Circuito Liberdade, de forma online ou presencial, acesse o site www.circuitoliberade.mg.gov.br e as redes sociais dos espaços culturais.

Museus do Estado seguem fechados

Além dos espaços culturais em Belo Horizonte, os museus do Estado sob gestão do Governo de Minas também seguem a mesma diretriz de manterem as atividades presenciais suspensas. Os museus Casa Alphonsus de Guimaraens (em Mariana) e Casa Guignard (em Ouro Preto) estão fechados desde 21 de dezembro de 2020 e o Museu Casa Guimarães Rosa (Cordisburgo) está fechado desde 24 de dezembro de 2020, em virtude das três cidades estarem na onda vermelha. Em Ouro Preto, a Galeria de Arte Nello Nuno, da Fundação de Artes de Ouro Preto (Faop), também segue fechada. 

Foto: Divulgaçao/Secult

Sistema ICMS Turismo

Votação é aberta ao público e segue até este domingo, 29/11

Mais um reconhecimento importante para a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult): o projeto de criação do Sistema do ICMS Turismo é um dos seis finalistas da 5ª edição do Prêmio Inova Minas Gerais, na categoria  “Iniciativas Implementadas de Sucesso” e modalidade “Inovação em Processos Organizacionais”. A votação é aberta ao público e pode ser feita até o próximo domingo (29/11) ao clicar AQUI.

O projeto concorrente ao Prêmio Inova surgiu da ideia de criar um sistema digital para recebimento, análise e arquivamento virtual da documentação dos municípios que pleiteiam a habilitação no ICMS Turismo. Antes, era tudo realizado manual e fisicamente e, com a criação da plataforma, os gestores municipais recebem um cadastro e todo e qualquer envio de documentação passa a ocorrer por meio do portal www.icmsturismo.mg.gov.br.

Os servidores e ex-servidores da Secult que concorrem ao prêmio são Ana Patrícia Gusmão, Alexandre Miguel  de Andrade Souza, Rafaella Candelária Lemos, Fabiane de Oliveira Barbosa e Leonardo Diniz Souza.

De acordo com a coordenadora do ICMS Turismo na Secult, Ana Gusmão, o sistema é inovador e permite agilizar processos e dispensar o uso de papel. “Antes o recebimento  das documentações dos municípios que pleiteiam fazer parte do ICMS Turismo era arcaico, com grande fluxo de impressões e envio de papéis via Correios, com muitos documentos repetidos, inclusive. Com o sistema, conseguimos eliminar mais de 35 mil folhas por ano, além de dar celeridade aos procedimentos. Enxergamos a criação dos sistema como mais do que uma inovação tecnológica, porque é também um importante avanço na preservação do meio ambiente”, ressaltou.

Apesar de ser um prêmio voltado para a valorização dos servidores públicos, a votação é aberta a todos os cidadãos, uma vez que o foco é na melhoria da prestação de serviços públicos. Os votos podem ser realizados AQUI ou no aplicativo de smartphone MG Cidadão.

ICMS Turismo

O ICMS Turismo atua por meio da Lei Estadual n.º 18.030/2009, que redistribuiu cotas de repasse financeiro do ICMS e do IPI e contempla o setor do turismo. Com a criação deste critério de repasse financeiro, a Secult estimula a organização turística dos municípios mineiros, além de fortalecer políticas públicas para o desenvolvimento da gestão dos órgãos municipais de turismo.

Dessa forma, o ICMS Turismo age como motivador e catalisador de ações, visando estimular a formatação e implantação, por parte dos municípios, de programas e projetos voltados para o desenvolvimento turístico local e regional, em especial os que se relacionam com as políticas para o turismo dos governos Estadual e Federal.

Para ter direito ao repasse, o município deverá, anualmente, se enquadrar nos seguintes critérios obrigatórios: participar de uma Instância de Governança Regional (IGR) certificada pela Secult, nos termos do Programa de Regionalização do Turismo no Estado de Minas Gerais;

ter uma política municipal de turismo elaborada e em implementação; possuir Conselho Municipal de Turismo (Comtur), constituído e em regular funcionamento e possuir Fundo Municipal de Turismo (Fumtur), constituído e em regular funcionamento.

Prêmio Inova

O Prêmio foi criado para estimular a apresentação de projetos inovadores e implementar iniciativas de sucesso no Governo do Estado de Minas Gerais. Com a proposta de valorizar o trabalho dos servidores, a premiação reconhece propostas que buscam transformar e aprimorar a gestão pública e os serviços prestados, sempre com foco nas necessidades dos usuários.

A participação do agente público no Prêmio Inova é uma oportunidade de o governo conhecer as ideias dos servidores para simplificar e melhorar a prestação dos serviços públicos, assim como divulgar iniciativas que estão dando certo e podem ser replicadas no âmbito da administração. É o que diz a superintendente Central de Política de Recursos Humanos da Seplag, Maria Muniz. Segundo ela, além do reconhecimento, os vencedores receberão troféus e premiação em dinheiro.

“Na edição deste ano, o foco na participação está ainda mais forte! Além de incentivarmos a participação ativa dos agentes públicos na apresentação de propostas e de ações já implementadas que contribuem para a simplificação e melhoria dos processos de trabalho e das políticas públicas, os cidadãos também poderão participar na 2ª etapa de avaliação do Prêmio, votando naquelas que considerarem apresentar maior contribuição para os serviços públicos prestados”, afirma.

Serviço

Secult finalista do Prêmio Inova

Canais de votação:
Site do Cidadão: https://cidadao.mg.gov.br/#/splitpane/dashboard
MG APP - Cidadão

Informe LAB
A publicação nesta semana, pelo Governo Federal, da Medida Provisória 1019/2020, altera a Lei nº 14.017/2020 (Lei Aldir Blanc), dispondo sobre a execução e os prazos para realização das ações emergenciais destinadas ao setor cultural.
 
Com isso, fica autorizada a liquidação e o pagamento, em 2021, dos recursos inscritos em "restos a pagar" por estados e municípios no exercício fiscal de 2020. O objetivo é assegurar a continuidade das ações emergenciais, a manutenção do apoio aos beneficiários e a efetividade do socorro ao setor cultural.
 
Assim, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) informa que tem a previsão de concluir até esta quinta-feira (31/12) o empenho de 100% dos recursos de Minas. 
 
Publicaremos números da LAB MG atualizados em breve.

Honraria é concedida a personalidades cívico-militares que contribuem com a proteção de mares, rios e lagos brasileiros, apoiando o trabalho da Marinha do Brasil.

Com quase cinco décadas de história, a Medalha Amigo da Marinha é uma honraria concedia pela Marinha do Brasil àqueles que contribuem com a divulgação dos valores e o fortalecimento das ações da Força Naval, bem como a intensificação da presença da Marinha em Minas Gerais.

Neste ano, um dos agraciados foi o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, que participou da cerimônia de imposição da Medalha Amigo da Marinha, realizada no dia 23/11, na sede operacional da Capitania Fluvial de Minas Gerais (CFMG).

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) tem acompanhado de perto a questão do lago de Furnas e fez parte, ao lado de gestores locais e da sociedade civil, em outubro, de uma série de eventos para promover o desenvolvimento do turismo local e, sobretudo, apoiar e fortalecer o movimento pela proteção do lago.

A solenidade, que foi conduzida pelo Comandante da Capitania Fluvial de Minas Gerais, Capitão dos Portos de Mar e Guerra, Nicácio Satiro de Araújo, também contou com a presença de outras autoridades civis e militares, empresários e membros da comunidade náutica.

Minas Gerais tem rios e bacias importantes, que vão além do estado e fornecem água para o complexo hidrelétrico do País, além de possuir represas que demandam fiscalização da Marinha do Brasil, com destaque para Três Marias, Furnas, Emborcação e até a Várzea das Flores, nos territórios de Betim e Contagem.

Entre as principais atividades da Marinha do Brasil em Minas Gerais estão a de atender a comunidade fluvial e lacustre de Minas Gerais, com a emissão de documentos diversos (registro de embarcações, carta de arrais, etc.), realização de cursos e fiscalização preventiva, conscientização da sociedade da necessidade de se primar pela segurança da navegação e prevenção da poluição hídrica, entre outros.

A Medalha Amigo da Marinha foi criada em agosto de 1966 para agraciar personalidades civis, militares de outras Forças e instituições que se distinguiram na divulgação da mentalidade marítima e da importância do mar para o País, bem como no relacionamento e defesa dos interesses atinentes à Marinha do Brasil.

Furnas

O lago de Furnas é a maior extensão de água do estado, com 1.440 km²- quatro vezes a Baía de Guanabara. Ele banha 39 municípios, formando lagos, cachoeiras, balneários e piscinas naturais. Para que atividades como navegação, turismo, piscicultura e produção agrícola possam ser desenvolvidas sem prejuízos pelos municípios, é necessário que se mantenha o nível do lago com o mínimo de 762 metros de profundidade. O governo de Minas apoia integralmente o estabelecimento deste limite mínimo.

panoramas vol 8

Documento mostra crescimento no fluxo de passageiros nos aeroportos e expressivo aumento de comercialização de viagens

Está disponível no site do Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG) o oitavo volume do relatório “Panoramas e Tendências para o Turismo em Minas Gerais Pós Covid-19”, que reúne informações sobre a retomada das atividades  e a recuperação do setor no estado referentes, principalmente, aos meses de outubro e novembro. Tanto a versão completa quanto a resumida podem ser visualizadas AQUI.

A mais recente edição do “Panoramas e Tendências”, elaborado pelo OTMG, entidade de pesquisa que é coordenada pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), mostra que o mês de outubro registrou fluxo de 448.198 pessoas nos aeroportos mineiros - crescimento de 39% em relação a setembro. Já as taxas de ocupação hoteleira nos meses de outubro e novembro de 2020 foram de, respectivamente, 37,9% e 41,2%.

Outro dado que mostra a recuperação do setor é referente ao Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged): o mês de outubro apresentou saldo positivo de 3.153 ocupações em relação ao número de funcionários registrados em setembro, considerando os setores que integram a atividade turística formal. Este resultado é fruto tanto do aumento do número de admissões quanto da relativa estabilização no número mensal de desligamentos.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, explica que a série de relatórios “Panoramas e Tendências para o Turismo em Minas Gerais Pós Covid-19” foi criada exatamente para que tanto a pasta quanto as entidades envolvidas na atividade turística possam acompanhar a evolução do setor em relação ao cenário atual. Com todos os registros, que incluem dados, pesquisas e medidas adotadas em prol do setor e seus impactos, é possível fazer comparativos e analisar quais os principais desafios e gargalos para esse período atípico de pandemia.

​“Notamos que, nos últimos três meses, os números estão mais otimistas, o que traz mais tranquilidade e confiança sobre a recuperação do setor, que foi um dos mais prejudicados pela pandemia. O aumento da taxa de ocupação hoteleira, do fluxo de passageiros e da emissão de selos Turismo Responsável no estado é muito relevante, mas um dos principais destaques é o crescimento do número de postos de trabalho formal nas atividades relacionadas ao turismo. Isso significa que o setor voltou a contratar e reforça o peso do turismo como uma atividade geradora de emprego e renda. Por isso a retomada do setor é tão importante, pois ele é capaz de impactar direta e positivamente no desenvolvimento socioeconômico do Estado. Reforçamos que o destino Minas Gerais recebeu a autorização para uso do selo mundial “Viagem Segura”, em função do cumprimento dos protocolos de segurança sanitária orientados pelo plano Minas Consciente, e que, antes de planejar qualquer viagem, o recomendado é verificar em qual onda do Minas Consciente  o município mineiro a ser visitado se encontra ”, ressaltou.

Tendências para o turismo

Sobre a comercialização de produtos e serviços turísticos, o Panoramas e Tendências apresenta dados da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), que apontam, no mês de novembro, 86% das operadoras associadas à BRAZTOA realizaram vendas. Em outubro, esse índice foi de 92%.. Das vendas realizadas para viagens ainda em 2020, 61% são para o mês de dezembro. Das vendas realizadas para 2021, 73% são de embarques ainda dentro do primeiro semestre.

O  relatório ainda apresenta uma pesquisa realizada com viajantes brasileiros por uma empresa de serviços de reserva online de hospedagem, que mostra os seguintes resultados: 91% dos entrevistados tomarão mais precauções em relação à saúde e segurança; 52% preferem evitar certos destinos por preocupações relacionadas à saúde e à segurança; 79% não veem problema em viajar para destinos onde verificações de saúde na chegada são procedimento padrão; 77% não veem problema em usar máscara em público nos destinos onde a medida é obrigatória; 67% esperam que as operadoras de viagem e demais fornecedores de serviço do setor de turismo descrevam claramente as medidas de segurança que tomam; 50% concordam  que é essencial, neste momento, exibir as políticas de higiene e limpeza.

O relatório mostra, ainda, intenções dos viajantes, acompanhamento da adesão ao selo Viagem Segura, do Conselho Mundial de Turismo, entre outros assuntos relevantes que apontam as tendências do turismo no atual cenário.

Clique AQUI para acessar a versão resumida e AQUI para fazer o download do modelo completo.

Deferimento de totem na Serraria Souza Pinto foi realizado durante solenidade do IV Dia Mundial dos Pobres

Nesta sexta-feira (20/11), a Serraria Souza Pinto recebeu o IV Dia Mundial dos Pobres, que é celebrado desde 2017 como forma de assistência às pessoas mais necessitadas. Organizado pela Pastoral de Rua da Arquidiocese de Belo Horizonte, o evento evidenciou ações de resgate da dignidade, como o projeto Canto da Rua Emergencial, e contou com a presença do secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, além de outras autoridades.

Na ocasião, também houve a inauguração de um totem memorial na Serraria Souza Pinto, como marco de agradecimento ao Governo de Minas Gerais, à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), à Fundação Clóvis Salgado (FCS), ao projeto #ARteSalva e ao Canto da Rua Emergencial pelo acolhimento da população em situação de rua durante a pandemia. O projeto Canto da Rua Emergencial, que teve início em 13 de junho, transformou o espaço, localizado no Centro de Belo Horizonte, em um local de acolhida para a população de rua, oferecendo serviços de assistência social, jurídica e atenção à saúde.

serraria1

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, os esforços conjuntos para a viabilização do projeto Canto da Rua Emergencial merecem reconhecimento. “O Projeto Canto da Rua Emergencial conseguiu mobilizar a sociedade civil, o poder público e tantos outros parceiros que se uniram a esta nobre causa em um momento tão difícil para todos nós. Receber essa homenagem muito nos orgulha e, também, nos motiva a seguir adiante com iniciativas como esta”, destacou o secretário.

Durante o encontro, que também celebrou o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, os participantes conferiram atrações artísticas, como um número musical de tambores e uma palestra para conscientizar as pessoas sobre a importância dessa data. Além disso, o público conheceu um pouco mais da campanha “Direito na sua mão”, iniciativa da Defensoria Pública de Minas Gerais com o intuito de tornar questões jurídicas mais acessíveis à população.

O evento também contou com a presença do defensor Público-geral do Estado de Minas Gerais, Gério Soares, do procurador-geral de Justiça do Estado de Minas Gerais, Antônio Carlos Tonet, e do Vigário Episcopal para Ação Social e Política da Arquidiocese de Belo Horizonte, Padre Júlio César Amaral, entre outras autoridades do poder público e representantes de entidades da sociedade civil.

Sobre o Dia Mundial dos Pobres
O Dia Mundial dos Pobres, estabelecido pelo Papa Francisco em novembro de 2016, visa provocar o olhar mundial para os desfavorecidos e fomentar a solidariedade. Neste ano, com o tema “Estende a tua mão ao pobre”, o chamado vem no sentido da perspectiva da humanização desta população tão invisível e relegada.

Imagem: Isabella Melissa Monteiro

icms

Alterações foram oficialmente publicadas pela Secult em decreto regulamentador

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) publicou, nesta quarta-feira (30/12), no Diário Oficial do Estado, o novo decreto regulamentador da Lei n.º 18.030/09 e que contém regras para o pleito do ICMS Turismo.

A maior parte das alterações diz respeito a incorporações de documentação e informações contidas na Resolução SETUR n.º 25/2017 que já são de conhecimento e domínio dos gestores municipais.

As principais inovações são a exigência de requisitos mínimos para a validação dos planos municipais de turismo; a comprovação da execução de ações regionais, de forma a fortalecer o programa de regionalização; e a comprovação da execução de ações de fomento ou planejamento de marketing do destino.

Também, conforme já vem sendo trabalhado com os gestores, passou a ser obrigatória a comprovação dos investimentos realizados com os recursos do Fundo Municipal de Turismo, por meio de notas de empenho, notas fiscais ou recibos e a clara definição de onde os recursos poderão ser aplicados, sob pena de inabilitação dos municípios.

“O novo decreto promove o fortalecimento do programa de regionalização da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, e também fomenta o desenvolvimento de ações de marketing de destino dos municípios habilitados ao ICMS Turismo. Além disso, as novas exigências tornam ainda mais transparentes os investimentos realizados com recursos dos fundos municipais de turismo”, afirmou o  secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira.

O Decreto tem vigência imediata e suas determinações já precisam ser seguidas a partir de janeiro de 2021.

A Secult editará nova Resolução e, em breve, vai ofertar capacitação virtual para todos os gestores municipais após essa publicação.

 

Pleito de 2019

O resultado dos municípios pleiteantes de 2019, processo que durou até março de 2020, foi publicado pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), no último dia 23/12, no Diário Oficial do Estado. Dos 476 plieteantes, 376 municípios foram habilitados, numero recorde no sistema. O recursos serão repassados aos municípios durante o ano de 2021.

Para os interessados no pleito de 2020, o sistema ICMS Turismo ainda está aberto para para que os gestores enviem a documentação necessária. A plataforma está disponível AQUI. Outras informações sobre o programa podem ser acessadas neste link.

ICSM Turismo

A Lei Estadual n.º 18.030/2009, visando a organização e o desenvolvimento turístico dos municípios mineiros, redistribuiu as cotas de repasse financeiro do ICMS e do IPI, contemplando o setor do turismo. Assim, a criação de um critério de repasse financeiro, denominado ICMS Turismo, fortaleceu a política pública para o desenvolvimento da gestão turística nos municípios mineiros.

O ICMS Turismo atua como motivador e catalisador de ações, visando estimular a formatação e implantação, por parte dos municípios, de programas e projetos voltados para o desenvolvimento turístico local e regional, em especial os que se relacionam com as políticas para o turismo dos governos Estadual e Federal.

Para ter direito ao repasse, o município deverá, anualmente, se enquadrar nos seguintes critérios obrigatórios:

Participar de uma Instância de Governança Regional (IGR) certificada pela Secult, nos termos do Programa de Regionalização do Turismo no Estado de Minas Gerais;

Ter uma política municipal de turismo elaborada e em implementação;

Possuir Conselho Municipal de Turismo (Comtur), constituído e em regular funcionamento;

Possuir Fundo Municipal de Turismo (Fumtur), constituído e em regular funcionamento.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, encontrou-se nesta sexta (20/11) com Toninho Horta, um dos vencedores da premiação.

Artistas mineiros reafirmam o reconhecimento internacional e trouxeram para o estado dois gramofones de ouro nesta quinta-feira (19/11), na cerimônia de entrega do Grammy Latino 2020. O compositor e instrumentista Toninho Horta venceu na categoria melhor álbum de MPB, com o álbum “Belo Horizonte”. Já na categoria “Melhor Canção em língua portuguesa”, o prêmio foi pra João Bosco, com a canção "Abricó-de-Macaco", que faz parte do seu último álbum de mesmo nome.

Na manhã desta sexta-feira (20/11), o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, encontrou-se com Toninho Horta na sede da Empresa Mineira de Comunicação - Rede Minas e falou sobre a importância do prêmio para a música mineira. “Ao receber esse prêmio, Toninho Horta leva, mais uma vez, uma imagem potente de Minas Gerais para o exterior, fortalecendo a ideia e a referência da mineiridade e a questão do pertencimento. O álbum Belo Horizonte reafirma sua originalidade e difunde nossa paisagem cultural, reforçando a junção da arte com a contemporaneidade presente em Minas”, disse o secretário.

Em decorrência da pandemia, a premiação do Grammy Latino 2020 ocorreu de forma remota. Na categoria Melhor Álbum de MPB, Toninho Horta concorreu com Caetano Veloso & Ivan Sacerdote, Elza Soares, Ney Matogrosso e Zeca Baleiro. Essa foi a terceira indicação de Toninho Horta ao Grammy Latino. A primeira vez foi em 2005, com o álbum “Com o Pé no Forró”, depois em 2011, com “Harmonia & Vozes”, e agora, em 2020. “Belo Horizonte” foi lançado em 2019 para comemorar os 50 anos de carreira de Toninho. É um álbum duplo, composto pelo CD “Belo”, com canções já conhecidas, e por “Horizonte” que, segundo o artista, representa o futuro, com músicas inéditas compostas por ele e pelos integrantes da Orquestra Fantasma, que o acompanha há cerca de 40 anos.

Filarmônica de Minas Gerais

A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais também concorreu ao Grammy Latino na categoria “Melhor álbum de música clássica” de 2020. O disco apresenta três obras do compositor brasileiro Almeida Prado, que morreu há dez anos. O prêmio acabou indo para Eternal Gratitude, de Paulina Leisring & Domingo Pagliuca e do produtor Samuel Pilafian.

A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais possui nove álbuns gravados, entre eles dois que integram o projeto Brasil em Concerto, do selo internacional Naxos junto ao Itamaraty, com obras dos compositores brasileiros Alberto Nepomuceno e Almeida Prado. O álbum de Almeida Prado, lançado neste ano, foi indicado ao Grammy Latino de melhor gravação de música erudita. A Sala Minas Gerais, sede da Orquestra, foi inaugurada em 2015, em Belo Horizonte, tornando-se referência pelo seu projeto arquitetônico e acústico e uma das principais salas de concertos da América Latina. A Filarmônica de Minas Gerais é uma das iniciativas culturais mais bem-sucedidas do país. Juntas, Sala Minas Gerais e Orquestra vêm transformando a capital mineira em polo da música sinfônica nacional e internacional, com reflexos positivos em outras áreas, como, por exemplo, turismo e relações de comércio internacional.

Foto: Moto Uehara / Divulgação

carmo reuniao

Na última quarta-feira, dia 23 de dezembro, o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas de Oliveira, se reuniu com o prefeito de Carmo do Paranaíba, César Caetano de Almeida, e a secretária de Educação, Cultura, Lazer, Esporte e Turismo, Nilva Aparecida da Costa, para fazer um diagnóstico e conversar sobre as potencialidades turísticas do município e seu entorno.

Carmo do Paranaíba está inserida no Circuito Turístico Caminhos do Cerrado e capitaneia as cidades localizadas ao redor, se destacando pelos queijos de alta qualidade, pelo patrimônio preservado, pelo café reconhecido internacionalmente e por ser um divisor de águas no Brasil, pois as duas maiores bacias da América sul estão exatamente na região, de um lado a Bacia do Paranaíba, afluente do Rio da Prata, e do outro a Bacia do Rio São Francisco.

Entusiasta do turismo, o prefeito César Caetano apresentou algumas ações do município para ampliar a oferta turística e aumentar o fluxo de visitantes na região, incluindo os eventos agropecuários e projetos que ele deseja implantar, como a rota do queijo e do café, além da valorização da cozinha local. Vale ressaltar que o município tem sido habilitado nos últimos anos para receber o ICMS Turístico.

De acordo com o secretário Leônidas de Oliveira, a região possui grande potencial, com destaque para o turismo rural. “Segundo dados do Google, 52% das pessoas nesse momento de pandemia buscam o turismo em lugares abertos. É a hora! Nesse sentido, o Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba se destacam. O tropeiro, nome dos que essas terras conquistaram, deixaram forte herança na cozinha mineira do Cerrado. O queijo é ganhador de prêmios mundo afora, grandes rios, cachoeiras, café e o agronegócio, fundamentais para o desenvolvimento do turismo rural, que é a grande tendência para os próximos anos e vai gerar emprego e renda para a população mineira”, destacou.

Durante a visita, o secretário também conheceu algumas igrejas da cidade e ficou surpreso com a preservação do patrimônio local, mais uma potencialidade a ser explorada pela cidade na busca por atrair mais visitantes para a região.

As inscrições ficam abertas de 20/11 a 14/12. A remuneração dos pareceristas pode chegar a até R$ 1.500,00.

 

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) abre, nesta sexta (20/11), inscrições para os interessados em compor a Comissão Paritária Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (Copefic). Com mandato de 1 ano, podendo ser renovado até duas vezes, os pareceristas selecionados serão responsáveis por analisar os projetos culturais apresentados à Secult.

Criada em 2018, a Copefic tem a missão de tornar mais eficiente a análise dos projetos culturais realizados com os recursos do Fundo Estadual de Cultura (FEC) e da Lei de Incentivo à Cultura. A Comissão é composta por representantes da área cultural (50%) e servidores da administração pública estadual (50%), nomeados pelo secretário de Estado de Cultura e Turismo.

A remuneração dos pareceristas varia entre R$ 300,00 e R$ 1.500,00, nos termos do Decreto nº 48.056/2020. Eles atuam em uma das nove câmaras setoriais, constituídas por quatro membros efetivos e dois suplentes e, periodicamente, se reúnem também em Colegiado para discutir e avaliar o conjunto de projetos apresentados, além de dar transparência ao processo e aproximar produtores culturais da Secult.

As áreas de atuação são: artes cênicas, incluindo teatro, dança, circo, ópera e congêneres; audiovisual, incluindo cinema, vídeo, novas mídias e congêneres; artes visuais, incluindo artes plásticas, design artístico, design de moda, fotografia, artes gráficas, filatelia, numismática e congêneres; música; literatura, obras informativas, obras de referência, revistas e congêneres; preservação e restauração do patrimônio material, inclusive o arquitetônico, o paisagístico e o arqueológico; preservação e valorização do patrimônio imaterial, inclusive culturas tradicionais, populares, artesanato e cultura alimentar; centros culturais, bibliotecas, museus, arquivos e outros espaços e equipamentos culturais e áreas culturais integradas.

Inscrições

Podem se inscrever entidades da sociedade civil sem fins lucrativos e pessoas físicas, representantes da sociedade civil, com comprovada atuação cultural em âmbito estadual de, no mínimo, cinco anos. Os candidatos devem preencher a ficha de inscrição disponível por meio de formulário eletrônico no link: http://www.secult.mg.gov.br/documentos/outros-editais, enviando, digitalmente, cópia dos documentos previstos no item 7 do Edital, até o dia 14/12.

Em caso de dúvidas no preenchimento da ficha de inscrição ou necessidade de algum esclarecimento adicional, basta enviar email para a Superintendência de Fomento Cultural, Economia Criava e Gastronomia: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Design sem nome 19

 

Membros do Conselho Estadual debateram políticas públicas executadas durante a pandemia, além de votarem para prorrogação de mandatos no biênio 2019-2020

O Conselho Estadual de Política Cultural (Consec) realizou, nesta terça-feira (22/12), sua 33ª Reunião Ordinária. Na pauta, o colegiado debateu questões pertinentes à política pública executada em Minas Gerais ao longo deste ano, com um balanço das medidas de auxílio ao setor cultural em virtude da pandemia de Covid-19, bem como o andamento da Lei Aldir Blanc no estado.

A reunião virtual foi presidida por Magdalena Rodrigues, vice-presidente do Consec, e contou com as participações do diretor de Economia Criativa da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), José Oliveira Junior, e do deputado Bosco, que preside a Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Também estiveram presentes conselheiros titulares e suplentes de diferentes segmentos.

Para Magdalena Rodrigues, em um ano tão atípico, o saldo de trabalho do Consec é extremamente positivo. “Tivemos uma atuação conjunta e isso permitiu que pudéssemos ampliar o diálogo com a Secult, suas vinculadas e a sociedade civil”, pontou a vice-presidente do Consec.

Nesse último encontro do ano, o Conselho também deliberou sobre o encaminhamento do Plano do Livro e da Leitura e uma parceria firmada entre o Consec e a ALMG, cuja proposta é estabelecer um marco regulatório para a atuação do Consec, fortalecendo, assim, a presença do órgão deliberativo.

Leia mais:

Secult destaca ações para estimular a retomada do turismo e da cultura em Minas

Avanços da Lei Aldir Blanc

Durante a 33ª Reunião Extraordinária, foi apresentado um balanço sobre a operacionalização da Lei Aldir Blanc em Minas Gerais. Em destaque, a divulgação de resultados finais de editais de propostas artísticas e prêmios, o peticionamento de documentações dos proponentes e as atualizações sobre os pagamentos do Auxílio Emergencial da LABMG.

Saiba mais sobre a Lei Aldir Blanc AQUI.

Eleições em 2021

A prorrogação do mandato dos atuais conselheiros também foi outro assunto debatido pelo Consec. Em virtude da pandemia e do estado de calamidade pública, o quórum deu parecer favorável para que a escolha de novos membros do Conselho seja adiada para abril de 2021. O mandato atual, que compreende o biênio 2019-2020, se encerraria em 30/12.

 

acervosecult

Design sem nome 17

Neste sábado, 21 de novembro, às 18h, na Rede Minas, um programa especial: o Harmonia exibe, ao vivo, concerto da Maratona Beethoven, com obras do músico alemão executadas pela Orquestra Filarmônica de MG, direto da Sala Minas Gerais, no Centro de Cultura Presidente Itamar Franco. O evento celebra os 250 anos de um dos maiores compositores da música erudita de todos os tempos. A transmissão, com ancoragem de Clóvis Ribeiro, marca também os 15 anos do programa.

Os musicistas que sobem ao palco para interpretar obras de câmara de Beethoven são Rommel Fernandes, no violino, Nathan Medina, na viola, e Philip Hansen, no violoncelo. Eles executam peça do Trio de cordas nº 2 em Ré maior, op. 9. Na segunda obra, Quarteto de cordas nº 7 em Fá maior, op. 59, nº 1, Razumovsky, a apresentação é dos musicistas Joanna Bello e Rodrigo Bustamante, nos violinos; Gerry Varona, na viola; e Camilla Ribeiro, no violoncelo.

Para o encerramento, o Octeto de sopros em Mi bemol maior, op. 103, contam com os musicistas Públio Silva e Maria Fernanda Gonçalves nos oboés; Jonatas Bueno e Ney Franco nos clarinetes; Victor Morais e Francisco Silva nos fagotes; Alma Maria Liebrecht e Fábio Ogata nas trompas.

O Harmonia vai ao ar aos sábados, às 18h, com reprise aos domingos às 14h. Para assistir, a Rede Minas está no ar no canal 17 UHF ou 9.1 (HD) e 9.2 (SD); Net 20 e Net HD 520; Oi 09; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; além do site da emissora www.redeminas.tv e no aplicativo (redeminas.tv/aplicativoRedeMinas).

Acompanhe a programação e outras informações pelas redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter, YouTube. Atendimento ao Público: (31) 3254-3000 / Whatsapp: (31) 98272-6543.

A Rede Minas integra a Empresa Mineira de Comunicação (EMC) e está vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult).

Cidades receberão totens e portais que vão ajudar a contar a história do escritor e sua identificação com a região.

O gestor da Instância de Governança Regional (IGR) Guimarães Rosa, Marcos André Malaquias, entregou, nessa segunda feira (21/12), ao secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, a documentação final do projeto de sinalização turística dos municípios do Circuito Guimarães Rosa. A identificação prevê a instalação de 10 pórticos de entrada em cada cidade do Circuito, com frases do escritor, outras referências da identidade regional e totens sinalizando dois importantes roteiros turísticos: o Caminho da Boiada e o Travessia da Fé.

O secretário destaca as potencialidades desse corredor histórico-cultural e interpretativo que vai ajudar a conhecer a história de um dos mais importantes escritores mundiais. “Não há outro nome da nossa literatura, como Guimarães Rosa, que fale de forma tão profunda sobre o que é a mineiridade. Devemos muito a ele, por criar entre os mineiros o sentido de pertencimento do território, a forma de ser de Minas, que a gente leva para o Brasil e o mundo. Esse projeto é uma antiga reivindicação do chamado sertão mineiro que agora vai sair do papel e valorizar ainda mais o turismo da região, atraindo mais investimentos e turistas”, enfatiza Leônidas Oliveira.  

O projeto será executado pela Secult por meio de recurso de emenda parlamentar destinado pela deputada federal Greyce Elias (Avante/MG), que também esteve presente na apresentação do projeto final ao secretário. Serão investidos cerca de R$ 800 mil para instalação dos equipamentos, sendo que os dez portais previstos no projeto serão instalados na entrada dos municípios e os 80 totens vão ser espalhados por praças, trevos e pontos turísticos das localidades.

Roteiros sinalizados

O Circuito Turístico Guimarães Rosa nasceu de experiências realizadas por amantes da literatura, que percorrem o sertão de Minas para conhecer as paisagens e os lugares onde se passam as histórias do autor. Atualmente, fazem parte do circuito os municípios de Araçaí, Buritizeiro, Corinto, Curvelo, Felixlândia, Inimutaba, Morro da Garça, Pirapora e Presidente Juscelino, além da Basílica de São Geraldo em Curvelo. O circuito se localiza na confluência de três mesorregiões do estado: Norte, Central e Metropolitana de Belo Horizonte.

O Caminho da Boiada, percorrido por Guimarães Rosa, liga a cidade de Três Marias à cidade de Araçaí, passando por Corinto, Morro da Garça, Curvelo e Cordisburgo, com cerca de 290 km. Já o roteiro Travessia da Fé liga a Basílica de São Geraldo em Curvelo ao Santuário de Nossa Senhora da Piedade na cidade de Felixlândia, dois ícones religiosos da região e do Estado destacados pelo gestor do circuito Marcos André Malaquias. “A Basílica de São Geraldo é única no mundo e o Santuário de Nossa Senhora da Piedade preserva uma imagem da Pietá do Mestre Aleijadinho”, conta Malaquias.

Guimarães Rosa e 300 anos de Minas

Em maio de 1952, o escritor cordisburguense João Guimarães Rosa realizou uma viagem pelo interior mineiro que serviria de inspiração para o livro “Grande Sertão: Veredas”. Acompanhado por grupo de vaqueiros e sua boiada, e por uma equipe de reportagem da revista O Cruzeiro, Guimarães passava os dias “(...) Pernoitando em ranchos improvisados, almoçando à sombra de pequenos arbustos do Sertão, o escritor, os boiadeiros e os repórteres – pela importância que a obra em elaboração e o autor viriam a ter – foram atores de uma viagem histórica” , segundo a reportagem.

Os registros da viagem foram publicados na Revista “O Cruzeiro” em reportagem assinada por Álvares da Silva e registrada pelo fotógrafo Eugênio Silva. O livro “Grande Sertão: Veredas” consagrou Guimarães Rosa como um dos maiores escritores de língua portuguesa do século XX.

7 webinario turismo

Transmissão do debate entre membros de Observatórios do Turismo acontece pelo canal da secretaria no Youtube

Mais um encontro online está marcado para acontecer dentro da programação da série “Webinários Turismo – Políticas Públicas e Marketing”, promovida pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Desta vez, a sétima edição do seminário virtual será realizada na próxima quarta-feira (25/11), às 14h30, com o tema “A importância e os desafios do monitoramento de dados e a estruturação de observatórios do turismo”. A transmissão acontece pelo canal da Secult no Youtube.

A coordenadora do Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG), Julia Boroni, irá conduzir o debate entre a coordenadora do Observatório do Turismo do município mineiro de Extrema, Dora Ribeiro, o coordenador do Observatório de Viagens e Turismo do Sertão Mineiro, Hebert Canela e a diretora de Estudos e Inovação da Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa Catarina, Luana Emmendoerfer.

A subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, afirma que, com a realização dos webinários, a intenção é dar suporte ao setor no desenvolvimento de ações possíveis para este momento de retomada gradual, segura e consciente das atividades turísticas.

“Como já vem sendo feito desde o início do período de distanciamento, a Secult pretende, com a série de webinários, aproximar as Instâncias de Governanças Regionais, municípios, sociedade civil, terceiro setor e setor privado para dialogar sobre soluções e estratégias de fortalecimento de toda a cadeia envolvida pelo turismo. O tema desta sétima edição é crucial para guiar políticas e medidas que podem ser criadas e adotadas para a promoção do turismo, pois permite a visualização da realidade do setor por meio de números e aponta tendências que devem ser levadas em consideração nessa retomada das atividades”, ressaltou.

Representantes das Instâncias de Governanças Regionais (IGRs), dos órgãos de turismo dos municípios e de todo o trade turístico do país, além de demais interessados no tema, são os convidados para acompanhar a transmissão e enriquecer a discussão por meio da participação pelo chat da live. As dúvidas e perguntas antecipadas sobre o tema podem ser feitas AQUI.

Pinóquio tem um pai e ele se chama Gepeto. No Brasil, outro ‘artesão’ ganhou fama e está longe da ficção. É Raimundo Machado, o ‘pai’ do Pipiripau. O presépio criado por ele se tornou patrimônio nacional. A obra começou a ser construída em 1906 e conta com 586 figuras e três mil objetos que narram a história de Jesus Cristo, apresentada em 45 cenas. Conhecer o presépio é tão fascinante quanto conhecer a história de seu criador. Nesta sexta (25), a Rede Minas exibe o documentário "Pipiripau: o mundo de Raimundo", de Aluízio Salles Jr., na “Faixa de Cinema – Especial de Natal”. O filme conta a história do ainda garoto Raimundo, que saiu de Matozinhos com a família em busca de novas oportunidades na capital. Com apenas 12 anos, o menino dá início à criação do Pipiripau. O filme mostra toda a singularidade e engenho de Raimundo Machado, autor de uma obra de arte mecanizada que retrata e encanta os visitantes desde o início do século. A “Faixa de Cinema - Especial de Natal” com o filme "Pipiripau: o mundo de Raimundo", de Aluízio Salles Jr., vai ao ar nesta sexta (25), às 23h30.

COMO SINTONIZAR:
A Rede Minas está no ar no canal 17 UHF ou 9.1 (HD) e 9.2 (SD); Net 20 e Net HD 520; Oi 09; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; além do site da emissora redeminas.tv e o aplicativo (redeminas.tv/aplicativoRedeMinas).

ACESSE AS REDES SOCIAIS:
www.redeminas.tv
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas

 

pipiripau

 

Imagem: Cristiano Quintino

Tiradentes Em Cena

Festival conta com parceria cultural da Secult; abertura teve participação do secretário Leônidas Oliveira

A programação da Mostra de Artes Cênicas de Tiradentes segue até este sábado (21/11) com apresentações dos mais variados gêneros: espetáculos, música, dança, exposições, oficinas, intercâmbios e rodas de conversa fazem parte das atividades que pretendem estimular a reflexão e entreter o público, com respeito às recomendações de autoridades sanitárias para evitar a propagação de Covid-19. A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) é parceira cultural do festival, cujo evento de abertura, no dia 18 de novembro, contou com a participação do secretário da pasta, Leônidas Oliveira.

Em sua oitava edição em 2020, a Tiradentes em Cena acontece entre os dias 18 e 21 de novembro, tem o amor como tema e traz à tona assuntos como racismo, inclusão, liberdade e resistência. “O festival sempre acontece em maio, mas com todo esse cenário, fizemos em novembro. Neste momento de pandemia e isolamento, em que a classe artística foi uma das mais afetadas, faz-se necessário retomar a renda e a possibilidade de trabalho do meio artístico. Somos uma equipe formada por pessoas que acreditam na arte, na pluralidade, na diversidade e no poder de transformação e na inclusão da cultura. A produção cultural é importante para a cadeia produtiva, pois gera empregos, rendas, impostos, promove circulação de espetáculos, gera trocas. Por isso vamos resistir com amor”, ressaltou a idealizadora da mostra, Aline Garcia.

A programação completa pode ser acessada AQUI e acompanhada pelo canal da Tiradentes em Cena no Youtube. Toda a produção desta oitava edição foi pensada de forma a garantir a segurança de técnicos, produtores, artistas e toda equipe.

Homenagem

A atriz e fundadora do Grupo Galpão, Teuda Bara, que completará 80 anos em janeiro de 2021, é a homenageada desta edição da Mostra de Artes Cênicas Tiradentes em Cena.  A atriz, que atuou na maior parte dos espetáculos do grupo, viveu entre o Quebec e Las Vegas no início dos anos 2000 para, a convite do renomado diretor Robert Lepage, participar do espetáculo “K.Á.”, do Cirque Du Soleil. De volta ao Brasil, em 2007, retomou sua carreira pelos palcos e ruas brasileiros, ao lado do Galpão. Estreou, em 2015, a peça “Doida”, produção independente que ela própria encabeçou e na qual divide a cena com seu filho Admar Fernandes.

Nos dias do evento, o público poderá assistir ao espetáculo solo “Luta”, que será transmitido no canal do Tiradentes em Cena no YouTube. “Luta” é um espetáculo criado para e com Teuda Bara. Visitando suas memórias, a atriz, em cena, ficcionaliza sua trajetória, cria imagens, conta casos e elege a “Luta” como alegoria para o teatro e a própria vida.

Também está na programação um bate papo inédito com o escritor e jornalista João Santos sobre o livro “Comunista demais para ser Chacrete”, do qual ele é autor.  O livro é uma publicação da Editora Javali e traça um perfil biográfico de Teuda.

Parcerias, ações de continuidade, estreia e debates marcam mostra

A diversidade de apresentações e o intercâmbio entre artistas locais e grandes nomes do cenário nacional sempre fizeram parte do Tiradentes em Cena em 2020 não está diferente.

O Festival Cenas Curtas, realizado em parceria com o ator e produtor Vinícius Cristóvão, uma outra iniciativa dentro da Mostra para incentivar novos talentos, também está de cara nova.  Pela natureza do momento, o fazer teatral teve que se adaptar e experimentar novas formas de continuar criando e afetando o público. A plataforma online foi o caminho encontrado por tantos artistas. Por isso, essa edição do Cenas Curtas será toda online e voltada para a experimentação desse campo artístico, no qual teatro e audiovisual se entrelaçam, criando poéticas tecnológicas. A edição do Cenas Curtas acontece em parceria com o Teatro em Movimento e o Curso de Teatro da Universidade Federal de São João del Rei (COTEA).

O Campus Cultural UFMG em Tiradentes também participa do festival com a Exposição virtual ‘Confluências’, que coloca em repasse a trajetória de João das Neves. A mostra foi montada a partir do arquivo pessoal do dramaturgo sob a guarda da Divisão de Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central da UFMG - naturalmente, parte deste acervo, que, cumpre dizer, foi doado pelo próprio João das Neves à universidade. Também teremos interações pelas redes sociais com o tema.

Os espetáculos que fazem parte da oitava edição

A programação da oitava edição da mostra vem recheada de espetáculos dos mais variados gêneros e apresentações em diferentes espaços virtuais e físicos.

O Largo do Museu de Santana será palco para a peça sobre a vida e obra de Solano Trindade, poeta e fundador do Teatro Popular Brasileiro. A dramaturgia é de Elisa Lucinda e da diretora Geovana Pires, e a interpretação de Val Perré.  O sobrado Aimorés recebe “Prazer é Todo Nosso” com Juliana Martins  e “Yabás e suas histórias”. A Performance 999 acontece no Beco da Igreja São João Evangelista com Carolina Correa, atriz, diretora, performer e Coordenadora Internacional do Corredor Latinoamericano de Teatro. Na dança, o Alto do São Francisco será palco para a professora Renata Mara, certificada pela DanceAbility International Foundation, sendo referência em práticas e estudos ligados à arte, educação, inclusão e acessibilidade.

O Tiradentes em Cena também abrigará a estreia oficial do monólogo “Parece que foi Ontem”, da Trupe Ventania, de Passos, que acontecerá em casarão na Rua Direita. E as ruas da cidade receberão intervenções que falam desse tempo e que conscientizam para o cuidado ao próximo. Além disso, haverá palhaçaria para alegrar a criançada.

Novos tempos pedem novas narrativas

O “teatro-web” veio mesmo para ficar e evoluir para camadas cada vez mais profundas, sendo assim escolhemos algumas cenas que terão destaque no Tiradentes em cena. São elas:

“Pandas ou Era uma Vez em Frankfurt”. Com texto ágil, forte e provocativo, os dois atores e o diretor dominam o jogo cênico através da web e nos conduzem a uma verdade cênica poucas vezes experimentada via Zoom,

“O Tempo”, solo de  Monique Vaillé, será transmitido pelo nosso Instagram.  Conta a história de uma mulher em crise existencial que reflete sobre a vida e suas escolhas, tentando priorizar seus desejos e se conectar ao tempo presente. Já  “O amor faz-me fome” é um trabalho da Cia Mineira de Teatro, inspirado no livro “Jóquei”, da poeta portuguesa Matilde Campilho, e produzido durante o período de quarentena. O vídeo, com direção de Diego Matos e atuação de Júnio de Carvalho e Priscila Natany, é uma metáfora existencial dos nossos tempos.

A Mostra de Artes Cênicas Tiradentes em Cena é realizada com o patrocínio da Eletrobras Furnas, Secretaria Especial de Cultura, Governo Federal e Ministério do Turismo. A Mostra conta com parceria cultural da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), entre outros, e com apoio do Curso de Teatro da Universidade Federal de São João del Rei (COTEA),  SESI FIEMG, IPHAN, Prefeitura Municipal de Tiradentes, Conecta, Sobrado Cultural Aimorés, Associação Empresarial de Tiradentes (ASSET), Campus Cultural UFMG e Fundação Rodrigo Melo Franco de Andrade, empresários e amigos de Tiradentes.

Publicação apresenta experiências bem sucedidas nos eixos promoção, governança e sustentabilidade.

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) acaba de lançar o portfólio Boas Práticas Regionais no Turismo 2020. A publicação é um compilado de iniciativas que busca contribuir para fortelecer o desenvolvimento do turismo no estado, no âmbito das Instâncias de Governança Regionais (IGRs).

Com este relatório, que segue os passos do portfolio publicado em 2019, a ideia é reconhecer, incentivar e dar visibilidade às ações das IGRs, que são importantes interlocutoras e articuladoras da política de regionalização do turismo no estado. Além disso, considerando as peculiaridades de cada região,  a proposta é que o portfólio sirva de inspiração para que as Instâncias de Governança desenvolvam ações inovadoras e sustentáveis nas atividades turísticas.

O levatamento das ações foi feito por meio de formulário on-line, no qual as 44 IGRs do estado tiveram a oportunidade de inscrever suas ações. Foram inscritas 66 iniciativas, que passaram pelo crivo da equipe de técnicos da Superintendência de Políticas de Turismo da Secult para serem validadas, tendo como eixos Promoção, Governança e Sustentabilidade. Além de passar pela equipe ténica da Secult, a seleção das ações para a composição do portfólio ficou à cargo das Câmaras Temáticas do Conselho Estadual de Turismo, que avaliou as iniciativas com notas de 0 a 10, sendo considerados os quesitos: inovação; benefícios; metodologia; e resultado.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, destaca a importância do diálogo e trabalho conjunto entre Secult e entidades e profissionais da Cultura e do Turismo em Minas, para recuperar e fortalecer ambos os setores neste período desafiador de pandemia. “Todas as boas práticas apresentadas neste portfólio são um reflexo da variedade e potência turísticas que Minas Gerais oferece, com consideração às características e especificidades de cada região do estado. É necessário compartilhar boas experiências, que demonstram como o turismo vem sendo exercido com profissionalismo e seriedade, sobretudo pela forma como foi imposta a necessidade de se reinventar e se adequar a novas tendências e exigências”, afirma o secretário.  

Das 66 iniciativas inscritas, 39 foram selecionadas para compor o portfólio, contemplando um total 13 IGRs. As iniciativas se subdividiram em nove catogorias, sendo elas: Economia, responsabilidade social e segurança sanitária no contexto pandêmico; Empreendedorismo e captação de investimentos; Gestão descentralizada do turismo; Informação Turística; Infraestrutura turística; Pesquisas e Monitoramento; Promoção e apoio à comercialização; Qualificação profissional dos serviços associados ao turismo; e Valorização das culturas locais e saberes tradicionais. A categoria que contemplou mais iniciativas foi a de Qualificação profissional dos serviços associados ao turismo, com 13 iniciativas. Vale destacar também a categoria Economia, responsabilidade social e segurança sanitária no contexto pandêmico, que teve sete iniciativas selecionadas para a publicação.

Iniciativas

A categoria Economia, responsabilidade social e segurança sanitária no contexto pandêmico é uma novidade nessa edição e se justifica pelo contexto atual, em que todos foram surpreendidos pela pandemia mundial do coronavírus. O turismo foi um dos setores que mais sofreu impactos, uma vez que as viagens, sobretudo as de lazer, foram interrompidas. Nesse sentido, as IGRs desenvolveram ações no intuito de se adaptarem e se adequarem a esse contexto. A categoria contou com sete iniciativas selecionadas e correspondem a sete IGRs, sendo estas: IGR Associação do Circuito Turístico Trilha dos Inconfidentes; IGR Agência de Desenvolvimento Regional do Circuito Turístico Veredas do Paraopeba; IGR Associação do Circuito Turístico das Grutas; IGR Associação do Circuito Turístico Lago de Irapé; IGR Associação do Circuito Turístico Serras Verdes do Sul de Minas; e IGR Associação do Circuito Turístico das Águas. As ações dessa categoria dizem respeito, principalmente, a planos de retomada do setor e cartilhas de boas práticas sanitárias.

A IGR Associação do Circuito Turístico Serras Verdes do Sul de Minas, por exemplo, elaborou um manual de boas práticas para membros do trade turístico. Com o título “Manual de Boas Práticas (Negócios de Alimentação, Meios de Hospedagem, Artesãos, Produtores Rurais, Guias, Agências e Operadores de Atividades)”, a IGR reuniu recomendações e orientações, que devem ser adotadas total ou parcialmente, respeitando os decretos e diretrizes municipais, e de acordo com cada tipo de estabelecimento.

Já a IGR Associação do Circuito Turístico Lago de Irapé lançou o “Plano de Retomada do Turismo no Circuito Turístico Lago de Irapé”, que tem como objetivo minimizar os impactos da pandemia e preparar os setores para um retorno gradual às atividades nos municípios.  O Plano envolve três fases, sendo elas: Fase de Preparação, apresentação do PRTur e das ações que serão desenvolvidas; Fase de Execução, realização de curso presencial para capacitação de prestadores de serviço, meios de hospedagem, estabelecimentos comerciais e proprietários em área de atrativos. E, por último, a fase de Fiscalização, que consiste na realização de ações periódicas para se certificar que as atividades e operações estejam seguindo as orientações presentes no PSP (Protocolo de Segurança e Prevenção a Covid-19).

A categoria Empreendedorismo e captação de investimentos contou com uma iniciativa da IGR Associação do Circuito Turístico Trilha dos Inconfidentes. A ação “Desenvolvimento do Turismo de Base Local - São Tiago/MG” é resultante da parceria entre a IGR e a Prefeitura Municipal de São Tiago. O projeto é constituído por várias ações e, após a primeira fase de levantamento e algumas reuniões técnicas, definiu-se que a modalidade a ser desenvolvida em São Tiago seria o Turismo de Experiência, focado na oferta de experiências gastronômicas, sendo este seu principal atrativo, aliadas a outras atividades de experiência ligadas às demais tradições locais, como a religiosidade e as atividades no meio rural.

Acesse aqui o portfólio Boas Práticas Regionais no Turismo 2020

Caminho Das artes

Iniciativa tem como objetivo fomentar o setor cultural por meio de palestras e oficinas e geração de emprego e renda; Carlinhos Brown é o convidado especial para abertura

A cidade de Brumadinho passou por momentos difíceis e, para contribuir com o fortalecimento dos valores culturais locais, da autoconfiança da comunidade e do ambiente cultural, foi criado o programa “Caminhos da Arte”: uma iniciativa de promoção continuada de atividades reflexivas e de qualificação técnica cultural para os moradores do município, com estímulo à retomada gradual das atividades criativas e com oportunidades para um público jovem e adulto participar de vivências e atividades formativas artísticas.  

Concebido e idealizado pela Fundação Clóvis Salgado (FCS), por meio do Palácio das Artes e do Centro de Formação Artística e Tecnológica - Cefart, com o patrocínio da Caterpillar e do Instituto Social Sotreq – iSSO, o Caminhos da Arte é um programa humanístico de atuação cultural, artística, social e econômica, pautado na promoção de experiências criativas, artísticas e de desenvolvimento humano para a população de Brumadinho. A iniciativa tem um escopo amplo de atuação que se estenderá pelo período de um ano.

Em função das medidas restritivas para conter o avanço da pandemia de Covid-19, a primeira etapa do projeto será realizada em formato virtual, visando garantir a segurança dos participantes e envolvidos. A previsão para o próximo ano é de que as atividades aconteçam de forma presencial.

A palestra de abertura do Caminhos da Arte  será realizada pelo cantor, compositor e instrumentista Carlinhos Brown, no dia 23 de novembro, às 19h. Ele vai relatar sua história artística e os caminhos que trilhou até conquistar o espaço que ocupa hoje na música popular brasileira. A abertura contará também com performance musical do violonista André Correia, artista de Brumadinho. O evento será transmitido pelo site do programa (www.cdabrumadinho.com.br). O link será disponibilizado pelas redes sociais do programa (@cdabrum) e também pelo site da Fundação Clóvis Salgado/Palácio das Artes (fcs.mg.gov.br).

A programação de atividades online oferece palestras, conversas com artistas, educadores e articuladores de Brumadinho e de outras regiões do estado e do país, além de oficinas exclusivas para moradores do município. As atividades formadoras, profissionalizantes e reflexivas terão início no dia 24 de novembro. Toda a programação é gratuita.

Caminhos da Arte

O programa Caminhos da Arte tem como esferas norteadoras três princípios: Técnico – evidenciando o potencial de geração de emprego, renda e atividades econômicas; Artístico – que fomenta a expressão cultural e a inclusão social e de Bem-estar, como fator motivador da qualidade de vida humana. Todas as atividades foram pensadas para o desenvolvimento individual e coletivo.

“Estamos muito felizes com a realização do programa Caminhos da Arte, pela chance que ele nos dá de contribuir com o fortalecimento da identidade local, agregando novos saberes e ofícios, gerando atividades econômicas e renda para jovens e adultos por meio de inovações possíveis no campo da arte. É a possibilidade de geração de impacto social, econômico e humano que a arte e a cultura possuem. Nos orgulha muito contar com a parceria da Caterpillar e da iSSO neste programa, viabilizando ações de formação cultural de relevância para as comunidades de Brumadinho”, comemora Eliane Parreiras, Presidente da Fundação Clóvis Salgado.

Um dos propósitos básicos do programa Caminhos da Arte é a criação de uma Rede de apoio da iniciativa privada e sociedade civil, por meio do poder transformador da arte e da cultura, para fomento da comunidade local e geração de impacto social, econômico e humano.

Educativo

Uma equipe de Professores do Cefart irá produzir e disponibilizar no site do programa (www.cdabrumadinho.com.br) uma série de conteúdos voltados para o aproveitamento integral das atividades e assuntos apresentados durante a programação. São reflexões sobre conteúdos educativos e experiências práticas – desde primeira infância até adolescentes e para professores, que estão autorizados a utilizar o conteúdo em aulas on-line.

Esse programa é realizado pelo Ministério do Turismo por meio da Secretaria Especial de Cultura e da Lei Federal de Incentivo à Cultura; pelo Governo do Estado de Minas Gerais por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, à qual a Fundação Clóvis Salgado está vinculada;  com o patrocínio da Catterpillar e do Instituto Social Sotreq - iSSO. Este programa tem, também, a APPA Aarte e Cultura como co-realizadora.

Serviço

Programa Caminhos da Arte

Realizado pela Fundação Clóvis Salgado / Palácio das Artes

Contato para o público: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. / (31) 99400-1347

Site do programa Caminhos da Arte: www.cdabrumadinho.com.br

Site Fundação Clóvis Salgado: www.fcs.mg.gov.br

Abertura da programação: 23 de novembro de 2020 – 19h.

Neste ano, houve recorde de pleiteantes no sistema, com 376 habilitações.

O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), divulgou nesta quarta-feira (23/12), os índices definitivos do ICMS Turismo. Os critérios para distribuição dos recursos foram publicados nas páginas 10, 11, 12, 13 e 14 do Diário Oficial do Estado. Dos 470 pleiteantes ao programa, foram habilitados 376 municípios, número recorde neste ano.

O envio da documentação pelos municípios ocorreu até o dia 2 de março de 2020, e os recursos serão repassados aos habilitados ao longo de 2021. Em virtude da pandemia e das medidas de isolamento, excepcionalmente, a Secult realizou duas rodadas de notificação para que os municípios pudessem fazer correções na documentação enviada, conforme orientações da Comissão do ICMS Turismo.

O Sistema ICMS Turismo está aberto desde julho para que os gestores interessados façam a inserção de documentos ao pleito deste ano. A plataforma está disponível para acesso AQUI. Outras informações sobreo programa ICMS Turismo estão disponíveis neste link.

ICMS Turismo

A Lei Estadual n.º 18.030/2009, visando a organização e o desenvolvimento turístico dos municípios mineiros, redistribuiu as cotas de repasse financeiro do ICMS e do IPI, contemplando o setor do turismo. Assim, a criação de um critério de repasse financeiro, denominado ICMS Turismo, fortaleceu a política pública para o desenvolvimento da gestão turística nos municípios mineiros.

O ICMS Turismo atua como motivador e catalisador de ações, visando estimular a formatação e implantação, por parte dos municípios, de programas e projetos voltados para o desenvolvimento turístico local e regional, em especial os que se relacionam com as políticas para o turismo dos governos Estadual e Federal.

Para ter direito ao repasse, o município deverá, anualmente, se enquadrar nos seguintes critérios obrigatórios:

  • Participar de uma Instância de Governança Regional (IGR) certificada pela Secult, nos termos do Programa de Regionalização do Turismo no Estado de Minas Gerais;
  • Ter uma política municipal de turismo elaborada e em implementação;
  • Possuir Conselho Municipal de Turismo (Comtur), constituído e em regular funcionamento;
  • Possuir Fundo Municipal de Turismo (Fumtur), constituído e em regular funcionamento.

Emissora mostra shows com vencedores 21 de novembro às 22h15

O resultado das 12 horas de gravações realizadas nos estúdios da Rede Minas será exibido no dia 21 de novembro, às 22h15, com vencedores do Prêmio da Música Popular Mineira, promovido pela Rádio Inconfidência (Empresa Mineira de Comunicação – EMC). Na disputa estiveram 394 artistas de áreas diversas da música. A premiação, realizada pela primeira vez, recebeu aporte da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais via Edital Arte-Salva, com valores que totalizaram 63 mil reais.

O objetivo do Prêmio é reconhecer e valorizar novos talentos da música em Minas Gerais. De acordo com o diretor artístico da Rádio Inconfidência (EMC), Dênio Albertini, os quase 400 inscritos e a qualidade dos materiais apresentados surpreeendeu: “Houve muita dificuldade por parte da curadoria para chegar aos vencedores devido à quantidade de bons trabalhos concorrentes”, destacou.

Foram estabelecidas 18 categorias musicais divididas em cinco áreas: na 1 – MPB, Samba, Pagode, Choro e Forró; na 2 – Pop, Rock, Eletrônico, Blues, Jazz, Reggae, Indie, Funk, Soul e Rap; na 3 – Instrumental; na 4 – Regional; e na 5 – Obra Infantil, com premiações de R$ 7 mil para os melhores intérpretes e discos de cada área. As avaliações foram realizadas por curadoria composta por cinco pessoas do meio artístico mineiro. São elas Kiko Ferreira, Marina Machado, Gegê Lara, Sá e Renegado.

Os vencedores na Área 1: melhor disco – Warley Henrique e Rodrigo Brasileiro, com a obra Memórias, e o melhor intérprete foi Sérgio Santos; na 2: melhor disco – Dolores 602, com a obra Cartografia, já o melhor intérprete foi Zimun; na 3: o melhor disco foi o de Leonardo Brasilino, com a obra Terra Brasilis. Os intérpretes aqui foram Maria Bragança e Maria Teresa Madeira; na 4, o melhor disco foi o de Sol Bueno, Poeira Dançante. Já o melhor intérprete foi Wilson Dias; e, por fim, na 5, o melhor disco foi o de Kátia Peifer – Jardim das Margaridas. A cada agraciado foi entregue uma placa de metal – com um violão estampado em alto-relevo –, produzida pelo artista plástico Giovani Fantauzzi.

No dia 24 de novembro, terça-feira, a emissora reapresenta os shows do Prêmio da Música Popular Mineira, às 23h. Para assistir, a Rede Minas está no ar no canal 17 UHF ou 9.1 (HD) e 9.2 (SD); Net 20 e Net HD 520; Oi 09; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; além do site da emissora www.redeminas.tv e o aplicativo (redeminas.tv/aplicativoRedeMinas).

Acompanhe pelas redes sociais: 
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas. 

Atendimento ao Público: (31) 3254-3000 / Whatsapp: (31) 98272-6543

 

premioredeminas

Cerimônia entrega prédio para a comunidade após obras de restauração; Em sua visita ao município, Leônidas Oliveira também recebeu a Medalha do Centenário da Diocese de Luz.

Minas Gerais tem mais um museu para se orgulhar. Na última sexta-feira (18/12), foi inaugurado no município de Luz o “Museu Histórico de Luz - Casa Grande Capitão Dú”. A Casa Grande representa a história sociopolítico-cultural da cidade, conservando as tradições na cultura, no desenvolvimento e na integração do povo.

O museu foi inaugurado após longo processo de desapropriação e tombamento, além da restauração, readequação e revitalização. A obra de restauração contou com recursos variados, entre eles valores aprovados em edital do Fundo Estadual de Cultura (FEC) para a readequação arquitetônica do bem. Outros recursos são oriundos do Fundo Municipal de Cultura, advindos da pontuação no ICMS do Patrimônio Cultural e recursos próprios da Prefeitura de Luz.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas de Oliveira, participou da solenidade, ao lado do prefeito de Luz, Ailton Duarte, da secretária municipal de Educação, Cultura e Esportes, Rosemary Ferreira da Silva, e de outras autoridades locais. Oliveira afirmou que a inauguração desse espaço engrandece a cultura de Minas. “Luz respira cultura e arte e é muito louvável a inauguração do museu em meio a isso tudo que estamos vivendo durante o período de pandemia. A cidade faz parte da minha história de vida e hoje sou só gratidão por poder participar desse momento tão importante, ao mesmo tempo em que revivo os anos que morei aqui”, declarou o secretário.

O museu abre suas portas para visita da população a partir de janeiro, com acervo permanente e coleção Ozório Couto, que conta parte da história de Luz. Uma galeria de arte anexa apresenta mais de 140 obras de artistas luzenses e artistas de renome internacional, como Yara Tupinambá, Bracher e Ziraldo. Entre elas, destaca-se o painel “Luz: Presente e Passado”, de Yara Tupynambá, produzido especialmente para o local. O espaço também terá café literário, oficinas de artesanato e loja para a comercialização de produtos produzidos por artistas locais.

Medalha

Em sua visita ao município de Luz, Leônidas Oliveira também foi homenageado com a Medalha do Centenário da Diocese de Luz. Esta edição comemorativa da medalha foi confeccionada e celebrada em parceria com o Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG).

Na comemoração do Jubileu do Bispado, em 2018, foi reimpressa a publicação “Série Centenário da Diocese de Luz” (edição fac-similar), com três importantes e raras obras sobre a história e a cultura religiosa de Luz e do Centro-Oeste Mineiro: a revista “O Município de Luz e as comemorações de Setembro de 1941” e os livros “O Bispado de Aterrado” (1941) e “Reminiscências da Peregrinação de Nª. Sª. de Fátima” (1954). Estas publicações foram fruto de parceria entre a Secult (na época, Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais), o Arquivo Público Mineiro (que organizou e digitalizou o material), o IHGMG, a Diocese de Luz e o município de Luz.

Fotos: Tatiana Rocha/Secult

Funarte e UFRJ abrem a programação no sábado, com shows de Kdu dos Anjos e de músicos de bandas mineiras. Atrações fazem parte do projeto Bossa Criativa – Arte de Toda Gente

casafunarte1

Inaugurada no dia 9 de novembro, a Casa Funarte Liberdade, em Belo Horizonte (MG), inicia neste fim de semana uma série de apresentações de música, teatro, dança e circo. A primeira delas, no sábado, às 17h, é do MC Kdu dos Anjos, acompanhado pelo Ballet Favelinha Dance. Já no domingo, no mesmo horário, sobe ao palco um grupo de músicos de várias cidades mineiras, todos participantes do movimento Salvem as Bandas.

Essas e todas as demais atrações da série fazem parte dos projetos Bossa Criativa – Arte de Toda Gente, Sistema Nacional de Orquestras Sociais (Sinos) e Um Novo Olhar (UNO), que são responsáveis por parte da programação do espaço. As três iniciativas são frutos de parceria entre a Fundação Nacional de Artes – Funarte e a Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, com curadoria da Escola de Música desta instituição. O imóvel foi cedido pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais. O programa tem apoio do Ministério do Turismo e da Secretaria Especial da Cultura - Governo Federal.

Os primeiros shows
No sábado (21/11), às 17h, Kdu dos Anjos, acompanhado pelo Ballet Favelinha Dance, apresenta o repertório de seu álbum Quanto Tempo, Hein, Kdu, gravado e lançado durante a pandemia e que traz músicas sobre o cotidiano das periferias. Com 29 anos, Kdu é empreendedor cultural e artista plural, que busca o novo e a experimentação. Ele atua como MC da cultura hip hop e do funk; é produtor de moda, poeta, compositor, ator e arte-educador; e é o criador do Centro Cultural Lá da Favelinha.

No domingo (22/11), também às 17h, é a vez do grupo formado por maestros e músicos que participam do movimento Salvem as Bandas, criado para preservar e unir as bandas de música e maestros de Minas Gerais. Para a apresentação, formou-se uma banda com representantes de 12 cidades mineiras, composta por Ricardo Rosental, de Pouso Alegre, Rocival, de Varginha; Kelvin, de Contagem, e Léo, de Sta Luzia (clarinetes); Freed, de Pitangui (sax alto); Robertinho, de Vespasiano (sax tenor); Joanir, de Sarzedo (trompete); Alexandre, de Vespasiano (trombone); Anderson, de Brumadinho (eufônio); Aldo, de Brumadinho (tuba); e Valeria, de Sarzedo, e Denner, de Ibirité (percussão). A regência é de Joanir Oliveira, maestro fundador e coordenador geral do Música de Sarzedo e da Banda Municipal Sarzedense. No repertório, dobrados e outros “clássicos de coreto”.

A Casa Funarte Liberdade
Situado em frente à Praça da Liberdade, em Belo Horizonte (MG), o Edifício Tancredo Neves foi cedido pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais à instituição federal e foi transformado em um novo espaço cultural: a Casa Funarte Liberdade. O prédio faz parte do Circuito Cultural e Turístico Liberdade, considerado um dos maiores conjuntos de espaços culturais do país. Assinado por Sylvio de Podestá e Éolo Maia, o projeto arquitetônico do imóvel é da década de 1980. Situado na Avenida Bias Fortes, o imóvel foi inaugurado em 1990 e se destaca pela concepção ousada e pelo uso de materiais diversos e cores fortes nas fachadas, em estilo pós-modernista.

Arte de Toda Gente, os projetos da parceria Funarte-UFRJ
O Bossa Criativa reúne apresentações e oficinas de diversas linguagens artísticas e manifestações da economia criativa. O foco é a democratização da cultura, bem como a diversidade e a difusão de todas as artes, de modo inclusivo. As atividades são compostas de shows curtos, performances e vídeos de capacitação, exibidos no site www.bossacriativa.art.br, com participação de artistas de todo o Brasil. A agenda inclui o lançamento de um edital para novas propostas artísticas e culturais; e também um chamamento público, para apresentação de trabalhos de mestrado na área das artes. A iniciativa faz parte do Programa Funarte de Toda Gente.

Lançado em julho deste ano, o Sistema Nacional de Orquestras Sociais (Sinos) é formado por uma rede de dezenas de profissionais de música, que atuam em cursos, oficinas, concertos e festivais, neste segundo semestre e também por todo o ano de 2021. As atividades se iniciaram exclusivamente online e, quando possível, se estenderão a ações presenciais, em todas as regiões do país. A ideia é capacitar regentes, instrumentistas, compositores e educadores musicais, apoiando projetos sociais de música e, ainda, contribuir para o desenvolvimento das orquestras-escola de todo o país.

Já o Um Novo Olhar (UNO) tem como alvo promover a inclusão e o acesso de crianças, jovens e adultos com algum tipo de deficiência, por meio das artes e da capacitação de professores e de regentes para coro. Com a exibição online de performances de artistas e vídeo podcasts (vodcasts) sobre arte e acessibilidade e com uma série de publicações, o projeto tem também o objetivo de ampliar a percepção de toda a sociedade sobre as deficiências.

Serviço:

Apresentações dos projetos Bossa Criativa - Arte de Toda Gente e Sistema Nacional de Orquestras Sociais na Casa Funarte Liberdade
Onde: Av. Bias Fortes, 50 – Praça da Liberdade – Belo Horizonte (MG)
Quando: sábados e domingos, às 17h.

Foi realizado na tarde desta quinta-feira (17/12), em formato virtual, o primeiro Fórum Circuito Liberdade, que teve como principal objetivo apresentar o novo formato da iniciativa e os pré-requisitos para as instituições que desejam fazer parte do complexo cultural e turístico.

Entre as perspectivas para 2021 discutidas no Fórum, estão a integração de novos espaços e instituições ao Circuito, funcionamento efetivo dos comitês temáticos da gestão, formatação de novas rotas turísticas, promoção de ações em rede, incremento da programação conjunta, capacitação do trade turístico, pitching entre equipamentos e o programa Minas Recebe, além de ações de apoio à comercialização dos roteiros.

Desde 30 de outubro a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) passou a ser gestora do Circuito Liberdade, com a publicação de Decreto do Governo de Minas que também prevê a ampliação do Circuito para além do entorno da Praça da Liberdade, abrangendo espaços culturais presentes na área definida pelo projeto original de 1895 da cidade de Belo Horizonte, delimitada pela Avenida do Contorno.

De acordo com a superintendente de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais, Milena Pedrosa, esse é um momento importante para o turismo e a cultura de Minas Gerais, pois, com a ampliação do Circuito, em dimensão e número de participantes, as áreas poderão ser trabalhadas de maneira mais fluida. “O poder público e as cadeias produtivas dos dois setores irão atuar juntos para, juntos, construirmos um Circuito mais eficiente, com criação de novos públicos e geração de negócios para todos os envolvidos”, ressalta. Vale dizer que, em 2019, cerca de 2,5 milhões de pessoas visitaram o Circuito Liberdade.

O evento também contou com palestra da diretora científico-cultural do Espaço do Conhecimento da UFMG, professora Diomira Maria Cici Pinto Faria, que falou sobre a cultura e o turismo como vetores para o desenvolvimento.

O novo Circuito Liberdade tem, entre suas principais propostas, a de permitir a redescoberta da capital mineira a partir da Praça da Liberdade, expandindo limites nas diversas rotas turísticas que serão criadas. Essas rotas narrativas serão articuladas em rede, unindo cultura popular, cultura urbana, patrimônio, tradições e educação. O objetivo central é incrementar a experiência do visitante, estimulando a interatividade, transversalidade de temas, afetividade e o conhecimento.

 

circuitoforum

 

Imagem: Lúcia Sebe

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) e o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG) divulgam a lista dos candidatos habilitados na primeira etapa do processo de contratação temporária para o Comitê Gestor Pró-Brumadinho. O edital contratará 23 profissionais para atuar em ações coordenadas pelo Comitê Gestor Pró-Brumadinho nos municípios diretamente impactados pelo rompimento da Barragem B1, da Mina do Córrego do Feijão, ocorrido em janeiro de 2019.

O resultado está disponível no site da Secult para consulta. Também encontra-se disponível no site o formulário para interposição de recursos às candidaturas indeferidas no processo. O prazo para recurso é até 20/11, sexta-feira.

Seleção

O processo seletivo simplificado terá três etapas, sendo a primeira de candidatura e habilitação; a segunda fase de análise de currículo e títulos; e a terceira fase de entrevistas. A atuação será em Belo Horizonte, nos cargos Analista de Gestão e Políticas Públicas em Desenvolvimento; Gestor de Cultura; e Analista de Gestão, Proteção e Restauro.

Poderão ser contratados profissionais das áreas de Administração, Administração Pública, Gestão Pública, Ciências do Estado, Turismo, Ciências Sociais, Sociologia, Antropologia, Ciências Políticas, História, Estatística, Economia, Arqueologia, Biblioteconomia, Artes (Plásticas, Visuais, Cênicas), Arquivologia, Museologia, Arquitetura, Engenharia Elétrica, Geografia, Ciências Socioambientais, Agroecologia, Ecologia, Agronomia, Engenharia Agronômica, e Ciências Biológicas. As informações detalhadas e requisitos para as vagas estão no Edital.

Das vagas ofertadas, 9 serão para a Secult e 14 para o Iepha. As inscrições e todas as etapas do processo podem ser acompanhadas pelo endereço www.processoseletivo.mg.gov.br. O contrato terá prazo de seis meses, a partir da sua assinatura, podendo ser prorrogado pelo prazo necessário à superação da situação de emergência que ocasionou a contratação e de acordo com limites expressos no Edital.

Dúvidas sobre o processo seletivo e sobre o Edital podem ser enviadas para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Design sem nome 15

Em balanço apresentado nesta sexta(18), pasta ressalta investimentos em editais de fomento e novas iniciativas para a reduzir o impacto da pandemia e retomar atividades de forma segura

No ano em que Minas Gerais completou 300 anos e enfrentou a pandemia de covid-19, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) conseguiu realizar entregas importantes nas duas áreas.

Em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira (18), na Cidade Administrativa, e transmitida ao vivo pelos canais da Secult nas redes sociais, o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, apresentou um balanço das ações da pasta em 2020. Entre os destaques, a agilidade em ações e reestruturação de políticas públicas para reduzir os impactos trazidos pela pandemia aos profissionais da Cultura e do Turismo, que tiveram fontes de renda interrompidas.

“Neste ano, tivemos que adaptar e aprimorar nossas ações, orientando-as para a nova realidade. Buscamos estratégias para fortalecer a economia criativa e utilizar a potência desses dois segmentos, Cultura e Turismo, em direção à retomada do desenvolvimento, para alavancar a geração de empregos e renda no estado”, ressaltou o secretário.

balanco

Já no início da pandemia no estado, o #ARtesalva, fruto de articulação entre Governo de Minas, órgãos públicos e mais de 60 parceiros da iniciativa privada e sociedade civil promoveu uma série de ações de apoio às cadeias produtivas dos dois setores.

Campanhas de doação, rede de informações sobre acesso a políticas públicas, linhas de crédito, capacitação, editais e outras atividades de incentivo e fomento integram o programa. Em quatro meses, o #ARtesalva arrecadou 500 toneladas de cestas básicas e 140 toneladas de alimentos que contemplaram 327 mil pessoas.

Canto da Rua
Projeto de parceria entre Secult, Fundação Clóvis Salgado e Arquidiocese de Belo Horizonte, o Canto da Rua Emergencial, localizado na Serraria Souza Pinto, também prestou assistência às pessoas em situação de rua da capital, em mais uma ação do #ARteSalva. Entre junho e agosto, foram feitos cerca de 32 mil atendimentos e distribuídas 195.218 refeições.

Com o encerramento da etapa de doações do #ARteSalva, as políticas públicas de fomento e capacitação continuaram e se intensificaram com a lei federal Aldir Blanc, de emergência cultural. A partir de setembro, foram disponibilizados ao Estado cerca de R$ 135 milhões, recurso utilizado em ações que incluem auxílio emergencial e 27 editais emergenciais, contemplando segmentos variados para alcançar de forma ampla toda a cadeia artística e cultural do estado.

Somando os recursos da Lei Aldir Blanc e do Fundo Estadual de Cultura (FEC), 126 milhões foram disponibilizados em 32 editais lançados em 2020 para apoiar, fomentar e incentivar o setor cultural.

Turismo
No mercado de turismo, a pasta destaca ações como o programa “Minas para Minas”, que promove a retomada gradual e segura das atividades turísticas no estado, em consonância com o Plano Minas Consciente. Houve investimento de R$ 3 milhões do Ministério do Turismo para promoção do programa, que contempla, como segmentos prioritários a cozinha mineira, o turismo cultural, rural, de aventura, de natureza e de experiências. As próximas etapas da iniciativa incluem “Minas para o Brasil” e “Minas para o Mundo”, de acordo com a evolução do quadro no país.

Em 2020, o Destino Minas Gerais também conquistou a habilitação do selo internacional Viagem Segura, do Conselho Mundial de Viagens de Turismo, o WTTC, por cumprir protocolos sanitários recomendados por autoridades mundiais. A Secult já deu início ao processo de concessão do selo para entidades do setor interessadas em usá-lo.

Minas Gerais também já alcança a posição de terceiro estado com maior emissão de selos “Turismo Responsável – Limpo e Seguro”, do Ministério do Turismo. Mais de 2,2 mil selos foram emitidos até o momento, a maioria para agências de viagem, meios de hospedagem, restaurantes e bares e transportadoras turísticas.

Neste ano, a Secult também atuou na revisão e fortalecimento do Plano Cozinha Mineira, com o objetivo de criar e promover políticas públicas para o estímulo e posicionamento da gastronomia como setor estratégico de desenvolvimento socioeconômico em Minas. Leônidas Oliveira destacou que a revisão do Plano consolida um esforço conjunto que já conquistou vários avanços nos últimos anos, trazendo uma nova perspectiva, “a da cozinha mineira enquanto ativo social e econômico, patrimônio imaterial do estado, que atrai 31% do turismo em Minas Gerais”.

Novo Circuito Liberdade
A interface entre Cultura e Turismo foi reforçada em 2020 com a expansão do Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. O complexo passa a abranger, de forma integrada, equipamentos culturais do Estado de Minas Gerais e de parceiros presentes na área delimitada pela Avenida do Contorno, com inspiração no projeto original de 1895 da capital mineira, elaborado por Aarão Reis. Além disso, o Decreto Nº 48.074, de outubro, define a Secult como gestora do Circuito Liberdade.

Oliveira detalha ações que serão implementadas a partir do Decreto. "Estamos dialogando com os espaços culturais e instituições que desejam fazer parte da iniciativa, criando rotas turísticas, abrindo inúmeras possibilidades de parcerias e arranjos criativos, em consonância com as políticas públicas de promoção à cultura e ao turismo do Estado”.

Revitalização
Por meio do trabalho do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG), vários projetos de restauração e proteção do patrimônio cultural do Estado foram concluídos em 2020 ou estão avançando.

Entre as obras entregues, a revitalização das fachadas das edificações que compõem o Centro Histórico de Córregos, em Conceição do Mato Dentro; intervenções para o retorno da sede do Iepha-MG à Praça da Liberdade; complementação das instalações de Prevenção e Combate a Incêndio e Pânico do Museu Guignard, em Ouro Preto; e a complementação das instalações de Prevenção e Combate a Incêndio e Pânico do Museu Alphonsus Guimarães, em Mariana.

Em andamento estão as obras de restauração do Vapor Benjamim Guimarães, com recursos da ordem de R$3,7 milhões, fruto de parceria entre Ministério do Turismo e Iepha-MG; além de projetos no Museu Casa Guimarães Rosa, em Cordisburgo; no Museu do Crédito Real, em Juiz de Fora; e no prédio do Arquivo Público Mineiro, em Belo Horizonte. Também foi finalizado o processo licitatório para início da restauração do retábulo do Sagrado Coração de Jesus da antiga matriz, que atualmente está instalado na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem, em BH.

Audiovisual em Minas Gerais
Setor estratégico e de destaque em Minas, o audiovisual passou por reestruturação das políticas públicas com o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) passando a operar como agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) no Sudeste, no Centro-Oeste e no Sul da Bahia. Outro avanço foi o fortalecimento da EMC – Empresa Mineira de Comunicação como catalisadora de políticas públicas e de fomento e divulgação do setor.

Metas 2021
Entre as metas da Secult para 2021, destacam-se a promoção de Minas para o Brasil e para o Mundo, no processo de retomada segura das atividades turísticas; o desenvolvimento do projeto de expansão do Circuito Liberdade, com novas rotas turísticas e a conexão com cidades de outras regiões do estado; o fortalecimento das políticas de fomento; e a articulação de novas parcerias com a sociedade.

Apostamos em ações que fortaleçam ainda mais a economia criativa, em diálogo com a iniciativa privada e o trade turístico, para recuperar o avanço das cadeias produtivas do turismo e da cultura. No ano de 2021, iremos trabalhar a interiorização de ações, promovendo encontros com secretários municipais de Turismo e Cultura do Estado, para que juntos possamos construir novas políticas e buscar linhas de fomento para desenvolver os dois setores nas diferentes regiões do território mineiro”, concluiu o secretário.

Imagem: Fábio Marchetto /Imprensa Minas

 

Design sem nome 16

Edição especial do Encontros com o Patrimônio online aborda o afro-patrimônio na história da cidade, com a participação do pesquisador e curador do Museu Muquifu, Padre Mauro 

 

Quais memórias, ancestralidades e tradições ecoam pelas ruas de Belo Horizonte? Cenário de muitas narrativas, a capital mineira teve parte de sua história apagada, ainda na sua construção, e esse tema será abordado pela Casa Fiat de Cultura, no Encontros com o Patrimônio “O Afro-Patrimônio na História de Belo Horizonte”, que será realizado no dia 29 de novembro, às 11h, com transmissão online. Para participar, é preciso se inscrever na Sympla, gratuitamente. Nesta edição, que valoriza as discussões antirracistas propostas pelo Dia da Consciência Negra, a historiadora e educadora da Casa Fiat de Cultura, Ana Carolina Ministério, convida o pesquisador e idealizador do Projeto NegriCidades e curador do Muquifu - Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos, Padre Mauro, para um bate-papo sobre o resgate dessas memórias.

Muito se diz sobre a inovação da construção de Belo Horizonte. Projetada entre 1894 e 1897, pelo engenheiro Aarão Reis, a capital foi a primeira cidade moderna planejada do país. Com um projeto urbano muito funcional, BH era celebrada pela localização, clima ameno e o desenho da malha perpendicular das ruas. Mas se, por um lado, ela foi construída com que tinha de mais inovador, por outro, já foi pensada com perfil higienista e segregante.

A historiadora e educadora Ana Carolina ministério vai abordar os processos de gentrificação da cidade e quais características sociais pautaram o planejamento de Belo Horizonte. “A mudança da capital de Ouro Preto para a região do Arraial do Curral Del Rei foi influenciada por um viés moderno e republicano, que impactou a forma como as ruas, bairros e pontos da cidade foram distribuídos”, ressalta. Marcada pelos modos de produção escravocratas, a região que hoje abriga Belo Horizonte já dava sinais de como seria a cidade idealizada pela Comissão Construtora da Nova Capital.

O pesquisador e curador Padre Mauro fará um breve resgate histórico do afro-patrimônio do Curral Del Rei em que identifica o olhar e a ação colonizadora e hegemônica que conduziu, segundo ele, à construção de uma cidade racialmente segregada. Serão abordados alguns pontos de sua pesquisa “Os 200 anos da Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Belo Horizonte: Negligências, Silenciamentos e Resistências”, além do Projeto “NegriCidades”, que promove iniciativas como seminários, palestras, fóruns, campanhas de conscientização e ocupações em lugares da cidade que, historicamente, eram espaços dos povos negros.

Padre Mauro alega que uma cidade pertence a quem caminha por suas ruas, habita suas casas, passeia em suas praças, e visita seus museus - e não apenas por quem nasce nelas. “Andar por uma cidade e não identificar traços da presença de determinados grupos sociais, não cruzar com corpos negros que são expulsos para as periferias e favelas me faz reforçar a luta pela reocupação de todos os espaços dessa mesma cidade”, defende. “O resgate da história do Curral Del Rey com destaque para o Afro-patrimônio edificado pela Irmandade de Nossa Senhora do Rosário é fundamental para que as próximas gerações tenham a oportunidade de se reconhecerem nesta cidade da qual somos também seus/suas construtores/as”, completa.

O Encontros com o Patrimônio “O Afro-Patrimônio na História de Belo Horizonte” é realizado pela Casa Fiat de Cultura, com apoio do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, patrocínio de Fiat Chrysler Automóveis (FCA) e Banco Safra. A palestra conta com apoio institucional do Circuito Liberdade, do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha), do Governo de Minas e do Governo Federal, além de apoio cultural do Programa Amigos da Casa, da Brose do Brasil e da Expresso Nepomuceno. 

 

Ana Carolina Ministério, historiadora e educadora da Casa Fiat de Cultura

Responsável pelo Núcleo de Pesquisa e Mediação em Arte, Cultura e Patrimônio do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura. É bacharel licenciada em História e especialista em Produção e Crítica Cultural, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), especialista em Cultura e Arte Barroca, pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), e mestra em Artes pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG).

 

Padre Mauro, pesquisador e curador do Muquifu

Padre Mauro Luiz da Silva (53 anos) cursa doutorado e é Mestre em Ciências Sociais; tem especialização em Psicopedagogia; graduado em Teologia e Filosofia pela PUC Minas; graduado em História e Tutela do Patrimônio Cultural, pela Universidade de Pádua/Itália. Atualmente é diretor e curador do MUQUIFU - Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos; é coordenador o Projeto de Pesquisa e Centro de Documentação NegriCidade, que busca resgatar os Afro-patrimônios da capital mineira; é Pároco da Paróquia Jesus Missionário, em Belo Horizonte. Tem experiência em Arte e Museologia Social. Atua no projeto "Interrogando à educação das relações étnico-raciais no Brasil: experiências com América Ladina", vinculado à Iniciativa para a erradicação do racismo na Educação Superior da Cátedra UNESCO - Educação Superior: Povos Indígenas e Afrodescendentes na América Latina.

 

Muquifu e o Projeto NegriCidades

O Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos surgiu em 2012, em Belo Horizonte, no Aglomerado Santa Lúcia. Tem como vocação garantir o reconhecimento e a salvaguarda das favelas, os verdadeiros quilombos urbanos do Brasil: lugares não apenas de sofrimento e de privações, mas, também, de memória coletiva digna de ser cuidada. A instituição reúne como acervo fotografias, objetos, imagens de festas, danças, celebrações, tradições e histórias que representam a tradição e a vida cultural dos moradores das diversas favelas e quilombos urbanos do Estado de Minas Gerais. O Muquifu nasce com a proposta de ser um museu de território e comunitário, como instrumento de resistência diante do risco iminente de expulsão dos favelados dos centros urbanos; reconhecimento e preservação do patrimônio, das histórias, das memórias e dos bens culturais dos moradores dos Quilombos Urbanos e Favelas de Belo Horizonte. O Projeto NegriCidades é coordenado pelo Muquifu e realiza ações que colocam luz sobre o “apagamento” dos locais dos povos negros na história de Belo Horizonte.

 

Dia da Consciência Negra

O Dia da Consciência Negra é celebrado no Brasil em 20 de novembro. A data foi criada em 2003, inicialmente como uma efeméride do calendário escolar. Em 2011 foi incluída oficialmente em âmbito nacional, sendo considerada um feriado em diversas cidades do Brasil. A data foi escolhida por ser o dia da morte de Zumbi dos Palmares, morto em 1695. Ele foi um dos maiores líderes negros do país e lutou contra o sistema escravagista e pela libertação dos povos negros.

 

Programação Casa Fiat de Cultura

Além do Encontros com o Patrimônio, no dia 29 de novembro, a Casa Fiat de Cultura preparou outras programações especiais, que contribuem para celebrar e refletir sobre essa importante data.

Durante todo o mês, sempre às quintas-feiras, é realizada a visita mediada online da exposição Mau Olhado, Bem Olhado II, dos artistas Janaína Leite e Wagner Viana, preparada pelo programa educativo da Casa Fiat de Cultura. A exposição é composta por cinco obras, desenvolvidas em conjunto pelos artistas, em processo criativo pensado a partir da construção de histórias. O trabalho desenvolvido pelos artistas começa a partir da afirmação do corpo negro, seus afetos e políticas.

O visitante poderá agendar um percurso temático à mostra “Mau Olhado, Bem Olhado II e participar de uma mediação online nos dias 12 e 26 de novembro, e 10 de dezembro, às 10h, e nos dia 19 de novembro, 3 e 17 de dezembro, às 16h.  O agendamento gratuito deve ser feito ou pela Sympla (https://www.sympla.com.br/casafiatdecultura). Já grupos de escolas que tiverem interesse em fazer a visita virtual em outro horário, devem contatar o Programa Educativo no e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Para marcar a data do Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, Janaína Barros e Wagner Leite Viana, artistas da  exposição “Mau Olhado, Bem Olhado II”, apresentam a videoperformance “A roupa é vermelha de terra”, no YouTube da Casa Fiat de Cultura. Uma reflexão sobre os corpos feminino e masculino negros em uma interação que reflete os afetos e sua dimensão política na formação da família negra.

 

SERVIÇO

Exposição “Mau Olhado, Bem Olhado II, dos artistas Janaína Leite e Wagner Viana

Mediação online nos dias 12 e 26 de novembro, e 10 de dezembro, às 10h, e nos dia 19 de novembro, 3 e 17 de dezembro, às 16h.  O agendamento gratuito deve ser feito ou pela Sympla (https://www.sympla.com.br/casafiatdecultura). Já grupos de escolas que tiverem interesse em fazer a visita virtual em outro horário, devem contatar o Programa Educativo no e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Videoperformance “A roupa é vermelha de terra”

Dia 20 de novembro, no YouTube da Casa Fiat de Cultura, a partir das 10h

Encontros com Patrimônio online – mês de novembro

O Afro-Patrimônio na História de Belo Horizonte

29 de novembro, das 11h às 12h30 - Bate-papo virtual

Evento gratuito, com inscrição pela Sympla: https://bit.ly/Afropatrimonio

A Casa Fiat de Cultura integra o Circuito Liberdade, coordenado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult).

Balanço do ano foi discutido pelos conselheiros; ações da Secretaria de Cultura Turismo de Minas Gerais foram apresentadas.

 Os desafios e conquistas do turismo em Minas Gerais em 2020 e as mais relevantes ações da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) para auxiliar e desenvolver o setor no estado, durante este ano, foram os principais assuntos da 47ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual de Turismo de Minas Gerais (CET). O encontro aconteceu nesta quinta-feira (17/12), por videoconferência.

O evento online reuniu cerca de 50 participantes e a abertura foi feita pela subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, que também conduziu a pauta e as deliberações da reunião.  “É nossa última reunião deste ano tão desafiador e atípico, mas que nos tornou mais fortes como profissionais e seres humanos, sobretudo pela união de toda a cadeia produtiva do turismo em prol da retomada e do fortalecimento das atividades turísticas. O setor de turismo foi um dos mais prejudicados pela crise causada pela pandemia de Covid-19, mas graças ao diálogo e ao trabalho realizado de maneira colaborativa entre poder público, iniciativa privada e terceiro setor, já apresenta sinais importantes de retomada. Esperamos que estas parcerias prevaleçam durante 2021 para colhermos bons frutos e conseguir a recuperação do turismo no nosso estado, além da projeção de Minas Gerais para os mineiros, para o Brasil e para o mundo”, ressaltou Marina.

Na ocasião, equipes da Secult apresentaram resultados e atualizaram informações das ações desenvolvidas pelas Superintendências de Políticas de Turismo e de Mrketing Turístico durante 2020, principalmente no que se refere ao enfrentamento da crise causada pela pandemia de Covid-19 e à retomada das atividades turísticas em Minas Gerais.

Entre o que foi mostrado aos conselheiros, estão a atualização do Minas pra Minas, programa de reposicionamento de Minas Gerais como destino turístico e de retomada gradual e segura das atividades turísticas; a liberação do uso do selo Viagem Segura, do Conselho Mundial de Viagens de Turismo (WTTC, em inglês), pelo destino Minas Gerais; e o passo a passo da concessão desta chancela, pela Secult, a entidades da cadeia produtiva do turismo sediadas no estado; o painel sobre a retomada do turismo, de acordo com dados do Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG); e a expansão do Circuito Liberdade com a transversalidade entre cultura e turismo.

Além disso, representantes do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae-MG) apresentaram os resultados da ação Checkin Minas, que contou com o apoio da Secult.

Na próxima reunião do CET, prevista para fevereiro de 2021, serão discutidos o calendário do ano e as perspectivas de ações para o desenvolvimento do setor turístico no estado.

Portal Minas Gerais 2

Formulário cumpre as diretrizes da Lei Geral de Proteção de Dados e é destinado a usuários da Plataforma Integrada de Turismo da Secult

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) deu início, neste mês de novembro, ao processo de preenchimento do Termo de Autorização de Uso de Dados do Portal Minas Gerais, que deve ser realizado pelos usuários que têm acesso às seções “Municípios” e “Trade Turístico” da Plataforma Integrada de Turismo. A iniciativa visa o cumprimento da Lei Geral de Proteção de Dados (Lei Nº 13.853/2019).

O termo tem o intuito de reforçar e alinhar a utilização dos dados que são fornecidos por meio da Plataforma Integrada do Turismo (PIT) – formulários contidos no inventário da oferta turística, calendário de eventos, entre outras informações – para que haja transparência, cuidado e consentimento com base nas informações que são utilizadas e divulgadas pela Secult. O formulário está disponível AQUI.

Para a superintendente de Políticas de Turismo da Secult, Flávia Ribeiro, é fundamental que os usuários de Municípios e Trade Turístico do portal preencham o formulário adequadamente. “A Plataforma Integrada do Turismo é uma importante ferramenta no processo de descentralização das informações relacionadas ao Turismo no estado, e por isso é necessário que o preenchimento do termo de uso de dados seja feito de forma correta e dentro do prazo. Só assim o Portal Minas Gerais continuará sendo fonte de informações oficiais e confiáveis para toda a cadeia produtiva do turismo e, obviamente, para os turistas e viajantes que queiram saber mais sobre as terras mineiras, além de permitir o melhor planejamento de políticas públicas que desenvolvam e promovam o turismo em Minas Gerais”, ressaltou Flávia.

Até o momento, o formulário já teve mais de 600  preenchimentos. O não preenchimento do Termo do Uso de Dados até dia o dia 4 de dezembro de 2020 implica no desligamento do acesso fornecido à Plataforma Integrada do Turismo, assim como a suspensão dos itens expostos no Portal Minas Gerais.

Instâncias de Governança Regionais

Para as Instâncias de Governança Regionais (IGRs), que também utilizam o Portal Minas Gerais como ferramenta para o desenvolvimento regional do Turismo, a Secult solicita o preenchimento do termo disponível AQUI, com o intuito de também haver um consentimento, cuidado e transparência na gestão dos dados.

Plataforma Integrada do Turismo

A Plataforma Integrada do Turismo (PIT) é uma ferramenta concebida pela Secult e tem o objetivo de permitir a gestão eletrônica dos municípios através da metodologia do Inventário da Oferta Turística, alimentado pelas Instâncias de Governança Regionais e pelos gestores de Turismo dos municípios. A solução sistêmica reduz a tramitação de papel, fornece uma base de informações para o planejamento, gestão e promoção da atividade turística na localidade, além de possibilitar e facilitar a criação de websites promocionais ao órgão, empreendedores e demais agentes que utilizarem a ferramenta.

Reconhecida nacionalmente como referência de compartilhamento de informações para gestão e planejamento em turismo, a PIT pode ser visualizada, na prática, no Portal Minas Gerais e no perfil do Instagram @visiteminasgerais, que promovem o estado como destino e interligam toda a rede do turismo mineiro, com a vantagem de estreitar a relação entre turistas e equipamentos turísticos.

Secretaria de Estado de Cultura e Turismo é coordenadora; videoconferência contou com participação de representantes do poder público e da sociedade civil.

Diálogo e esforço conjunto em prol da sustentabilidade do “Mar de Minas”: assim pode ser resumida a primeira reunião do Grupo de Trabalho criado a partir da Resolução Conjunta Nº 18 entre as Secretarias de Estado de Cultura e Turismo (Secult), de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), de Desenvolvimento Econômico (SEDE),  e o Instituo Mineiro de Gestão das Águas (IGAM). O encontro aconteceu por videoconferência nesta quinta-feira (17/12). 

De acordo com a resolução, publicada no Jornal Minas Gerais em 3 de dezembro de 2020, o Grupo de Trabalho destina-se a promover estudos referentes à manutenção, preservação e promoção do Lago de Furnas e do uso múltiplo de suas águas, para a preservação ambiental e o desenvolvimento econômico e turístico de Minas Gerais.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, fez a abertura e o encerramento da reunião, que contou com a participação de 33 representantes tanto do poder público quanto da sociedade civil.

“Espero que, com esse grupo, consigamos avançar ainda mais nesta pauta tão relevante para Minas Gerais. Promover a transversalidade entre cultura, turismo e meio ambiente em prol do Lago de Furnas e Peixoto significa amplificar essa potência turística capaz de gerar emprego e renda de forma imensurável. Tivemos ganhos importantes em 2020, como a instalação da Delegacia Fluvial de Furnas, da Marinha do Brasil, e a aprovação da PEC 52, que institui o Lago de Furnas e Peixoto como patrimônio imaterial de Minas Gerais”, disse Oliveira. O secretário destacou que em complemento a isso, inclusive, “já foram iniciados diálogos com o Iepha-MG, que vai desenvolver o trabalho participativo para detalhar os méritos e diretrizes de proteção de toda a região. Tivemos um primeiro encontro de debates profundos, proveitosos e saudáveis, e vamos continuar com a atuação conjunta para gerar mais frutos e soluções positivas”.

Apresentações

Durante a reunião, além da apresentação dos objetivos e modo de operação do Grupo de Trabalho feita pela subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, houve também a exposição do deputado estadual Professor Cleiton Oliveira sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 52, da qual é autor, que institui o tombamento dos Lagos de Furnas e Peixoto como patrimônios imateriais do Estado. A PEC foi aprovada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em segundo turno em 2 de dezembro de 2020.

Outra participação durante o encontro online foi da diretora do Instituto Mundi, Liliane Ferreira, que apresentou o Plano Regional da Paisagem Cultural do Lago de Furnas, compreendida por 34 municípios distribuídos por seis Instâncias de Governança Regionais (IGRs). Entre os objetivos do plano estão a realização de pesquisa, diagnóstico e planejamento de ações, projetos e eventos para a potencialização da vocação da região como “Mar de Minas”, além de criar uma identidade ao longo das rotas pertencentes ao território, a fim de estimular o desenvolvimento de arranjos produtivos locais e a movimentação da cadeia produtiva e da economia criativa.

Composição

O Grupo de Trabalho propõe a participação de representante de cada um dos seguintes órgãos do poder público: Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult); Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad); Secretaria de Estado Desenvolvimento Econômico (SEDE); Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM); Secretaria de Estado de Governo (SEGOV); Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico (IEPHA-MG); Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG); Marinha do Brasil; Ministério do Turismo; Furnas Centrais Elétricas; Ministério do Desenvolvimento Regional; Ministério de Minas e Energia; e Universidade Federal de Alfenas (UFAL).

Da sociedade civil, o Grupo de Trabalho sugere que participem um representante de cada uma das seguintes entidades: Instâncias de Governança Regionais Lago de Furnas, Grutas e Mar de Minas, Nascentes das Gerais e Canastra, Montanhas Cafeeiras, Vale Verde e Quedas Dágua e Caminhos das Gerais; Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago); Movimento Pró Furnas 762; Movimento Pró Peixoto 663 e Grupo Todos por Furnas.

O GT será coordenado por um representante da Secult e, em caso de sua ausência, pelo representante da Semad. O coordenador poderá convidar representantes de órgãos e entidades públicas e privadas, além de pesquisadores e especialistas, quando necessário, para subsidiar tecnicamente os trabalhos do grupo.

A proposta é de que as reuniões sejam mensais e a próxima está prevista para o dia 20 de janeiro de 2021.

Foto: Gláucia Oliveira

Neste ano, a MAX reúne participantes nacionais e internacionais e possibilita geração de negócios entre profissionais mineiros, de outros estados e países. Evento é realizado pelo Sebrae Minas, Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult).

O audiovisual em Minas Gerais segue movimentado e atualizado. A 5ª edição da MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo confirma sua importância como evento alimentador do segmento e promove, até 19 de novembro, uma série de reflexões e oportunidades do setor no estado. Dessa vez, realizada de forma totalmente virtual, o evento comemora crescimento, recebendo players e convidados nacionais e internacionais.

Desde a sua primeira edição em 2016, a MAX se consolidou como espaço para reflexão e caminho para viabilizar a produção, coprodução e distribuição de projetos. No contexto definido pela Covid-19, o evento reafirma sua vocação e amplia seu alcance, oferecendo mais acesso e abrangência, por meio das possibilidades tecnológicas de interação, sem a necessidade de deslocamento dos participantes.

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, que participou da abertura do evento, a MAX é uma importante iniciativa que, a cada edição, fortalece o audiovisual em Minas Gerais. “A MAX vem se consolidando no cenário mineiro, nacional e internacional como um momento importantíssimo de reflexão sobre a cadeia produtiva do audiovisual no estado e no país. São 14 estados debatendo sobre a retomada desse setor tão importante para a economia criativa, para a dinamização da cultura em transversalidade com o turismo”, destaca.

Em 2020, são 741 projetos inscritos, de 14 estados, indicando um crescimento de 55% em relação à última edição. Os participantes são de Minas Gerais (34% dos projetos), Rio de Janeiro e São Paulo (20% cada), Bahia (7%), Rio Grande do Sul (5%), Distrito Federal (4%), Paraná e Santa Catarina (3% cada), Piauí, Pernambuco, Paraíba e Espírito Santo (1% cada). O estado do Pará entrou com três projetos e Ceará com um.

Além disso, a MAX conta com 35 players de destaque nos mercados nacional e internacional, como distribuidoras, canais de TV paga e aberta, plataformas de vídeo on demand, agregadores e produtoras de vídeo para participar dos painéis, rodadas de negócios, sessões de pitching e diálogos. Em 2019, foram 50 debates, com a presença de mais de mil pessoas e apresentação de 476 propostas de 13 estados brasileiros, resultando num crescimento de 11% em relação a 2018.

Acesse a programação completa AQUI.

Com a regência do maestro Fabio Mechetti, além da presença de público, concerto será transmitido ao vivo pelo canal da Orquestra no YouTube na quinta-feira.

Nos dias 17 e 18 de dezembro, às 20h30, na Sala Minas Gerais, a Filarmônica de Minas Gerais encerra sua Maratona Beethoven com a Terceira Sinfonia, a “Eroica, e a Quinta Sinfonia do celebrado compositor alemão.   A regência é do maestro Fabio Mechetti, diretor artístico e regente titular da Filarmônica de Minas Gerais. No dia 17 de dezembro, dia em que Beethoven foi batizadoquando se comemora o aniversário do compositor, o concerto será transmitido ao vivo, direto da Sala Minas Gerais, pelo canal da Orquestra no YouTube fil.mg/youtube. Os concertos integram as homenagens aos 300 anos de criação do Estado de Minas Gerais.

Criada em agosto, para substituir apresentações suspensas desde o final de março, a Maratona Beethoven compreendeu concertos que exploraram tanto a obra camerística quanto sinfônica do grande gênio da música universal, em seus 250 anos de nascimento. As apresentações foram transmitidas ao vivo, diretamente da Sala Minas Gerais. O formato da Maratona permitiu à Filarmônica ocupar a Sala Minas Gerais gradualmente, com toda a segurança necessária.

Neste mês, a Filarmônica de Minas Gerais abriu sua sala de concertos para a presença de todo o público. Agora, o público em geral pode frequentar a Sala Minas Gerais, obedecendo aos mesmos cuidados tomados para prevenção à covid-19 que estão em vigor desde o início de novembro, quando os assinantes voltaram a assistir aos concertos presencialmente. Um rigoroso protocolo de segurança orienta a realização dos concertos para garantir a saúde do público, dos musicistas e da equipe técnica, como a limitação da presença de, no máximo, 412 pessoas por apresentação, o que corresponde a cerca de 30% da capacidade total da Sala (1.493 lugares). Mesmo com a volta da plateia à Sala, as transmissões ao vivo continuam a acontecer.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais, CBMM, Cemig e Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. Apoio Cultural: ArcelorMittal. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de MG, Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

mostras ciclo 2021 imprensa

Inscricoes-para-o-ciclo-de-mostras-bdmg-cultural-ocorrem-ate-21-de-dezembro-e-podem-ser-realizadas-virtualmente-serao-selecionados-quatro-projetos-para-o-ocupar-a-galeria-de-arte-em-2021.

Estão abertas as inscrições para o edital de concorrência pública de ocupação da Galeria de Arte BDMG Cultural. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas, exclusivamente, pelo site www.bdmgcultural.mg.gov.br até 21 de dezembro de 2020.

O edital do ciclo de Mostras BDMG Cultural busca estimular a produção das artes visuais contemporâneas em Minas Gerais, com o objetivo de dar apoio e incentivo para artistas com carreira em desenvolvimento. Em 2021, o edital selecionará quatro projetos de ocupação do espaço e viabilizará, para cada exposição, a produção de catálogos e reembolso financeiro de R$ 5.000 (cinco mil reais), além da montagem e divulgação durante o período de ocupação da galeria.

Poderão se inscrever artistas mineiros, estrangeiros ou de outros estados, desde que comprovada a residência em Minas Gerais, com proposta de exposição individual ou coletiva nas modalidades: arte digital, cerâmica, desenho, escultura, fotografia, instalação, performance e pintura. Cada artista poderá inscrever até duas propostas, desde que uma seja para exposição individual e a outra para exposição coletiva.

Os projetos inscritos serão selecionados por comissão composta por professores de instituições de ensino superior que mantêm curso regular com habilitação em artes visuais, curadores, críticos de arte e artistas convidados. O resultado do edital será divulgado no dia 13 de janeiro de 2021 no site www.bdmgcultural.mg.gov.br e nas redes sociais do BDMG Cultural.

A realização das exposições e a visitação do público estão sujeitas às normas sanitárias vigentes no período e poderão ser modificadas (em data e acesso) de acordo com a evolução da pandemia da Covid-19.

O BDMG Cultural integra o Circuito Liberdade, coordenado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult).

Serviço
Edital Mostras BDMG Cultural 2021
Período: 16 de novembro a 21 de dezembro de 2020
Inscrições: Gratuitas, por meio de formulário eletrônico, em www.bdmgcultural.mg.gov.br

Mais informações: (3) 3219-8691 | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

Em sua palestra, secretário Leônidas Oliveira falou sobre a importância do setor no estado.

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) foi uma das instituições convidadas do “Celebramee – 1º Seminário de Eventos de Minas Gerais”, promovido pela Associação Mineira de Eventos e Entretenimento (Amee), em 14/12, no Mineirão, em Belo Horizonte.

Na ocasião, o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, ministrou a palestra “Estratégia do Estado junto aos Eventos” e defendeu o diálogo e contínua união do setor para enfrentar os desafios que o atual cenário de pandemia impõe.

“A colaboração que aconteceu esse ano deve continuar em 2021, é preciso permanecer com o constante diálogo, porque vai haver trabalho para todos e essa fase que nos pegou de surpresa vai passar. Precisamos, em Minas Gerais e no mundo inteiro, compreender a cultura como uma questão ampla que envolve, principalmente, o setor de eventos”, ressaltou Oliveira.

O secretário comentou, ainda, os números significativos do setor de eventos para Minas Gerais. “O setor de eventos é muito importante para nosso estado e os temos dados que mostram isso: 2.468 eventos foram cadastrados e aprovados em 2019 no Portal Minas Gerais; o setor de entretenimento registrou 44.529 postos de trabalho formais e 6.437 estabelecimentos formais, sendo que a renda média foi de R$1.732,42. O setor de eventos em Minas é vital para a economia do Estado. Parabéns aos organizadores, por promoverem a troca de conhecimentos e experiências, através de painéis e palestras pertinentes para o desenvolvimento e soerguimento do setor. Contem comigo e fiquem atentos às ações da Secult para amparar essa cadeia produtiva”, destacou.

Foto: Juca Sousa / Amee

Primeira edição, divulgada em 10 de novembro, descreve a docagem da embarcação das águas do São Francisco, em Pirapora

minivapor

Patrimônio de Minas Gerais desde 1985, o Vapor Benjamim Guimarães, localizado em Pirapora, no Norte de Minas, está passando por um processo de restauração que, em breve, permitirá o retorno da embarcação ao Rio São Francisco. A licitação foi concluída em outubro de 2020, e a restauração do Vapor está sendo realizada por meio de um criterioso processo, que levará de seis a oito meses para ser concluído.

Com a proposta de tornar todo o processo transparente para os mineiros, o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), está publicando, periodicamente, Notas Técnicas em seu site a respeito das etapas de restauração do Vapor. A primeira, divulgada no domingo (8/11), trata do início dos trabalhos, com a docagem da embarcação das águas do São Francisco.

De acordo com o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, o processo de restauração do Vapor Benjamim Guimarães é muito simbólico. “Estamos devolvendo ao povo mineiro um patrimônio que conta parte da nossa história e a transparência ao longo de todo esse processo de restauro é fundamental para o fortalecimento de nossas políticas patrimoniais”, destaca Leônidas Oliveira.

A presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, Michele Arroyo destaca que a restauração já era uma iniciativa aguardada por muitos. “Depois de mais de 30 anos passados de sua última reforma integral, o Vapor Benjamim Guimarães tem a oportunidade de passar por uma nova restauração. Esperamos que, com isso, a comunidade de Pirapora, do estado e do Brasil possam usufruir e voltar a contar histórias pelo Rio São Francisco”.

Início do processo
Publicadas de forma periódica no site do Iepha-MG, as Notas Técnicas sobre o restauro do Vapor Benjamim Guimarães vão destrinchar todo o processo pelo qual a embarcação será condicionada ao longo dos próximos meses. A primeira edição, que foi divulgada em na terça-feira (10/11), descreve o processo de docagem do Vapor .A docagem consiste na retirada da embarcação da água para um local, conhecido como doca, onde serão realizados os procedimentos de manutenção e reparos geralmente de ordem maior, que não podem ser realizados com o barco em operação.

A docagem da embarcação, primeira e mais complexa etapa da obra, foi concluída. A operação foi dificultada pelo baixo nível da água do rio São Francisco e da fragilidade em que se encontra a embarcação, razão pela qual está impedida de navegar há alguns anos. A última obra de restauração foi realizada no ano de 1986 e ao longo destes trinta e quatro anos, foram realizadas intervenções pontuais.

Durante o processo de docagem iniciado no último dia 07/11, conforme cronograma da obra, a embarcação sofreu uma flexão na parte posterior, que será sanada e não implicará em serviços extras aos já previstos na obra em curso, que contemplará as intervenções necessárias para a conformidade da embarcação às normas vigentes, condição indispensável para sua navegabilidade.

O valor total que será investido na recuperação do Benjamim Guimarães é de R$ 3,7 milhões dos quais R$ 74.000,00 devem ser aportados pelo Iepha-MG a título de contrapartida. As obras estão sendo executadas pela empresa INC Indústria Naval Catarinense, vencedora da licitação. Clique AQUI e leia a versão integral da primeira Nota Técnica sobre o processo de restauro do Vapor Benjamim Guimarães.

Sobre o Vapor Benjamim Guimarães
A embarcação foi construída em 1913, pelo estaleiro norte-americano James Rees e Sons e navegou alguns anos no Rio Amazonas sendo transferido para o Rio São Francisco a partir de 1920. Transportou turistas pelo rio, sendo o único em funcionamento. Com capacidade para transportar até 140 pessoas, entre tripulantes e passageiros, ao vapor é permitido navegar em rio, lago e correnteza que não tenham ondas ou ventos fortes. O tombamento estadual foi aprovado em 1985 com inscrição no Livro do Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico.

Como características construtivas, o bem cultural é uma embarcação fluvial de popa quadrada, com máquina à vapor de 60 cavalos de potência alimentada por lenha, e com uma capacidade máxima de estocagem de 28 toneladas de combustível. O sistema de propulsão é o de roda de pás localizado na popa, capaz de atingir até 6,5 nós de velocidade máxima. O peso descarregado é de 243,42 toneladas, podendo ainda ser acrescido de mais de 66 toneladas, possui 43,85 metros de comprimento total e 7,96 metros de largura.

O Vapor Benjamim Guimarães é um dos últimos no mundo e tem sua história relacionada diretamente com o processo de implantação da navegação comercial no Rio São Francisco entre a segunda metade do século 19 e meados do século 20, participando como referência fundamental na paisagem do rio e na memória cultural coletiva local, regional e nacional. Por recomendação da Capitania dos Portos teve suas atividades interrompidas em 2015, desde então aguarda recuperação de sua estrutura para retomar sua atividade.

Imagem: Josuan Moraes Jr

Lago de Furnas

Em São José da Barra, governador afirmou que demanda energética deve ser atendida sem prejudicar economia e turismo da região

O governador Romeu Zema, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, reuniram-se nesta segunda-feira (14/12), em São José da Barra, no Sudoeste de Minas, com dezenas de prefeitos, parlamentares, representantes da sociedade e lideranças regionais para debater e encontrar uma solução para a situação do nível do reservatório do lago de Furnas e da Bacia Hidrográfica do Entorno da Represa de Furnas.

Na oportunidade, Zema defendeu a cota mínima de 762 metros da represa acima do nível do mar, considerado suficiente para o uso múltiplo da água, atendendo aos municípios banhados pelo lago com a manutenção de atividades econômicas voltadas ao turismo, piscicultura e agropecuária. Atualmente, o nível da represa está em 754 metros.

“Tivemos uma reunião longa, onde todos tiveram a oportunidade de se manifestar, principalmente os prefeitos da região do Lago de Furnas, que são aqueles mais afetados. Conheço muito bem a região e sei o quanto este nível baixo do lago tem custado para estes prefeitos. São várias atividades afetadas. Comprometemo-nos a analisar e criar uma solução para que o nível da represa fique no mínimo adequado, que é de 762”, disse o governador.

Zema ressaltou, ainda, a importância de o governo federal atender à demanda energética do país, mas sem que o estado seja prejudicado. O governador ressaltou que deverá ser criado um grupo para discutir a situação periodicamente. Ele também enfatizou a participação dos parlamentares mineiros na busca de uma solução.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, celebra a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição Mineira (PEC) 52, que garante a proteção ao Lago de Furnas e afirma que a pasta continuará acompanhando os trabalhos que serão executados. “Estamos todos comprometidos em defender a região, pela sua importância para o turismo, a economia e o meio ambiente, e pela necessidade de proteção ao Lago de Furnas, incluindo os reservatórios entre as unidades tombadas para fins de conservação. Nosso Mar de Minas será cada vez mais bem cuidado para que todos os seus recursos possam ser utilizados de forma sustentável por quem vive em seu entorno e se potencialize. Temos aqui a oportunidade de ser um dos principais vetores do Turismo no desenvolvimento econômico e turístico”, ressalta o secretário.

Compromisso

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, ressaltou o compromisso de trabalharem para elevar o nível da represa para 762 metros e que a solução vai partir de um trabalho em conjunto.

“É um compromisso que o presidente Jair Bolsonaro assumiu e é um compromisso do Ministério de Minas e Energia viabilizar isso junto com outros agentes e organizações, com suporte do Congresso Nacional e do Governo do Estado de Minas Gerais. Essa não é a primeira reunião. Vamos melhorar a nossa coordenação, a nossa governança, para que possamos apresentar de forma periódica à sociedade - a cada 60 dias - a evolução dessas ações estruturantes para elevar a cola do Lago de Furnas para 762”, reforçou.

Composição

Após a reunião, as autoridades fizeram uma visita técnica à usina hidrelétrica e à barragem de Furnas. A Bacia Hidrográfica do Entorno da Represa de Furnas é formada por 42 municípios. Possui área de drenagem de 16.562 km² e população estimada em 699 mil habitantes. A represa está localizada entre os municípios de São José da Barra e São João Batista do Glória.

A região é caracterizada pelo seu grande potencial turístico, sendo popularmente conhecida como “Mar de Minas” devido ao reservatório formado pela usina.

O Governo de Minas, por meio do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), vem acompanhando a situação, inclusive com um grupo de trabalho sobre o tema com a participação de diversas secretarias.

Também participaram da reunião o senador Rodrigo Pacheco; os deputados federais Diego Andrade, Emidinho Madeira e Greyce Elias; os deputados estaduais Cássio Soares, Dalmo Ribeiro e Bartô; os secretários de Estado de Governo, Igor Eto, e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo; a diretora-geral da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), Christianne Dias; o secretário de Energia Elétrica do MME, Rodrigo Limp Nascimento; o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (NOS), Luiz Carlos Ciocchi, e demais autoridades e representantes do governo federal, além de prefeitos e representantes da sociedade civil.

Foto: Pedro Gontijo

Publicação da Secult-MG integra o material educativo da exposição virtual “Várias Minas: encruzilhada de histórias”.

Reconhecida como um dos maiores momentos da história de Minas Gerais, a Inconfidência Mineira foi muito significativa entre as tensões do século XVIII e seus ideais reverberam ainda hoje na memória dos brasileiros. A conspiração, liderada por Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, atraiu a atenção da Coroa portuguesa e modificou a forma como a metrópole conduzia a política na colônia.

Para explorar esse importante capítulo da trajetória do estado, a exposição virtual “Várias Minas: encruzilhada de histórias” lança o terceiro Caderno de Atividades, que integra o material educativo e celebra os 300 anos de Minas Gerais. A publicação aborda a Inconfidência Mineira e seu pano de fundo, a cidade de Ouro Preto, propondo reflexões acerca da influência do movimento na sociedade, desde 1789.

“O terceiro Caderno de Atividades convida professores e alunos a refletir sobre a vida urbana na Vila Rica do século XVIII, atual Ouro Preto, as transformações de seu espaço e o simbolismo de parte da sua arquitetura. O material explora, ainda, registros sobre a Inconfidência Mineira e permite que o ensino do tema possa se tornar mais atraente a partir do contato com documentos do período reproduzidos e transcritos”, explica Denis Soares da Silva, coordenador do Núcleo de Arquivos Permanentes do Arquivo Público Mineiro e coordenador técnico dos Cadernos.

O terceiro caderno de atividades está disponível para acesso AQUI.

Publicações educativas e lúdicas

Os Cadernos de Atividades foram elaborados para expandir o alcance da exposição e contribuir com os professores, sobretudo na disciplina de História. O material é composto por um breve texto de contextualização histórica acerca dos principais eventos e conceitos que norteiam cada tema, seguido de uma apresentação e descrição do acervo selecionado. Após contextualização, são apresentadas as propostas de atividades que se encontram em consonância com as habilidades planejadas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O material apresenta, ainda, uma lista de bibliografia complementar que pode auxiliar o professor na busca de referências e textos sobre o tema tratado.

O tema do primeiro Caderno lançado foi “Formação do território e povoamento das Minas”. A ideia é que os conteúdos possam ser trabalhados de forma presencial ou virtual, não apenas na ocasião do tricentenário, mas que estejam disponíveis permanentemente por abordarem alguns conteúdos do currículo escolar sobre a história de Minas Gerais.

O segundo Caderno abordou a “Exploração de ouro e diamantes” e seu conteúdo contempla desde a escolha de Vila Rica para ser a capital da capitania de Minas Gerais em 1721, passando pelos aspectos do desenvolvimento das atividades econômicas, especialmente a atividade mineradora, e a dinâmica da escravização, até os episódios que consolidaram os métodos do controle português e antecederam a Inconfidência Mineira.

Além destes foi lançado um Livro de Colorir, que busca estimular práticas criativas e contemplativas que unem as ilustrações que remetem às peças do acervo físico às suas descrições textuais.

Os Cadernos são publicados acompanhando a temática da exposição, que explora o acervo do Arquivo Público Mineiro (APM), do Museu Mineiro e da Biblioteca Pública Estadual, e ficam disponíveis no site da Secult, na aba dedicada aos 300 anos de Minas Gerais

A Fundação de Arte Ouro Preto | FAOP foi declarada vencedora do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade nesta terça-feira. Com ação intitulada “Formação de Restauradores em estreita relação com comunidades de Minas Gerais”, a fundação receberá, assim como outras 11 iniciativas, R$ 20 mil em recursos do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

De acordo com o secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, o prêmio consolida o importante trabalho que a FAOP tem realizado ao longo dos anos. “Esse reconhecimento do maior prêmio de preservação do patrimônio histórico brasileiro é, sem dúvidas, um grande incentivo para a FAOP. Além de preservar nossa memória, a instituição se dedica a formar profissionais dedicados a esse trabalho tão criterioso. Conquistar uma premiação tão relevante é um estímulo ainda maior para que a FAOP siga firme na sua bela missão de preservar nossos bens e, certamente, nossa história”, destaca o secretário.

A premiação tem abrangência nacional e é considerada a mais expressiva na área do Patrimônio Cultural brasileiro, reconhecendo anualmente ações de excelência no segmento. 

Como não poderia ser diferente, a notícia foi recebida com grande alegria por todos os profissionais da FAOP. 

“Estamos extremamente felizes em ganhar um prêmio tão relevante para o Patrimônio Cultural do país. É o reconhecimento do trabalho desenvolvido há 52 anos pela FAOP e uma prova de que estamos no caminho certo. Nossa luta tem sido gigantesca, e receber um prêmio tão importante é uma verdadeira coroação. Parabéns a todos que fizeram e fazem parte dessa importante história que vamos construindo — a dedicação de todos vocês fez isso ser possível”, celebra Júlia Mitraud, presidente da FAOP. 

Saiba mais sobre a 33ª edição do Prêmio Rodrigo
A premiação recebeu mais de 515 inscrições, que aconteceram principalmente online, por conta da pandemia de Covid-19. 

Os vencedores do prêmio são de Minas Gerais, Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Ceará, Pernambuco, Amapá e Rio Grande do Norte. Além disso, cinco ações de Ceará, Bahia, Espírito Santo, Tocantins e Rio Grande do Sul vão receber menções honrosas pelo trabalho desenvolvido.

Todos os projetos passaram por análises regionais e pela apreciação da Comissão Nacional de Avaliação, composta por 21 membros, entre eles os cinco diretores do Iphan e seu presidente. 

Conheça a ação vencedora da FAOP 
A ação da Faop venceu na categoria 1: Ações de excelência no campo do Patrimônio Cultural de natureza material, segmento II – Administração direta e indireta municipal. 

A  intenção da iniciativa é promover a formação de técnicos conservadores-restauradores, articulada com a preservação de acervos comunitários. Além disso, o projeto visa deixar um legado para as comunidades e para os alunos, que desde o início da formação convivem com a valorização e a diversidade da herança cultural brasileira, atuando efetivamente na preservação de seus bens culturais móveis. 

Os alunos do Curso Técnico em Conservação e Restauro da FAOP são estimulados a interagir com a comunidade local durante o estágio supervisionado obrigatório, intrínseco às práticas de ateliês.

Nesta etapa da formação o aluno realiza atividades em três áreas, papel, escultura policromada e pintura de cavalete. O estágio se encerra mediante a conclusão dos processos de restauro e a entrega dos relatórios finais. 

Esta estratégia de ensino-aprendizagem propicia aos alunos formação consistente, fortalecendo a segurança para atuação no mercado de trabalho e, às comunidades guardiãs, o tratamento necessário e adequado aos seus acervos, propiciando longevidade à preservação dos bens. 

A presidente da Faop, Júlia Mitraud, ressalta a importância desta ação para o processo de formação dos alunos e para as comunidades atendidas. “A ação desenvolvida pela FAOP reforça a sua missão institucional, de formar cidadãos para atuar com excelência na preservação de bens culturais em um trabalho que dialoga com as comunidades guardiãs”, afirma Júlia. 

O processo de restauração é gratuito. A comunidade arca somente com os custos relativos a serviços de terceiros tais como transporte, marceneiro ou escultor especializado para estruturação e complementação de suporte. O acervo permanece na FAOP por 24 meses. 

faoppremio

Durante esse período, a comunidade é convidada a visitar e acompanhar os pro­cedimentos que estão sendo realizados. Na oportunidade visitam os Ateliês, onde conhecem a estrutura do Curso, compreendendo as diversas etapas dos processos de restauro e os alunos ampliam a perspectiva e o entendimento da profissão e do objeto de estudo.

Edição digital do caderno também reúne textos sobre a variedade da Literatura mineira e poemas de Emily Dickinson

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), por meio da Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais, divulga mais uma edição digital do Suplemento Literário de Minas Gerais. O número é um resgate da vida e da obra de três marcantes figuras das letras nacionais.

Disponível para leitura e download no site da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, a Edição é fonte de consulta, informação e memória a respeito dos trabalhos de Libério Neves, entrevistado por Roberto B. de Carvalho, Paulo Francis, visto por Guilhermino Domiciano, e Otto Lara Resende, pela jornalista Maria Lúcia Rangel.

Clique AQUI e leia na íntegra.

Outros destaques são a obra de Lino de Albergaria vista por Hugo Almeida, e as recentes publicações de Alciene Ribeiro e Maria do Carmo Brandão. Nas páginas do Suplemento, o leitor também vai encontrar a variedade da Literatura mineira com os contos de Regis Gonçalves narrando o encontro de seu pai com Carlos Drummond de Andrade, além de obras de Eloésio Paulo e Carlos Herculano.

Ainda, nesta edição, um olhar mais demorado para dois poemas do século XIX de Emily Dickinson, traduzidos por Luciana Mendonça, propondo um diálogo da atualidade com poema de Marcus Vinicius de Freitas.

 

minisupsetout2019

 

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, promove o show Toninho Horta & Orquestra Fantasma, em celebração ao álbum Belo Horizonte (2019), vencedor do Grammy Latino 2020 na categoria de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira. O show, que também homenageia a capital mineira no mês de seu aniversário, será transmitido ao vivo do Grande Teatro Cemig Palácio das Artes, no dia 15 de dezembro de 2020 (terça-feira), às 19h30. O público poderá acompanhar a transmissão, de forma gratuita, pelo Site da FCS. Como medida de prevenção, enfrentamento o contingenciamento da epidemia causada pelo Coronavírus, não haverá público no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes durante a transmissão.

O Grammy Latino, segundo Horta, foi resultado de uma trajetória de muito trabalho, comprometimento e diversas parcerias. “Receber a premiação foi uma grande surpresa! Apesar do trabalho como cantor e instrumentista, me considero, acima de tudo, um compositor. O Grammy frequentemente premia cantores de grande sucesso. Concedendo-o para um compositor, valoriza-se não apenas o meu trabalho e da Orquestra Fantasma, como da música mineira instrumental”, exalta Horta.

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, Toninho Horta é um dos maiores nomes da nossa música, do Brasil e do mundo, com composições grandiosas, que merecem ser celebradas. “Com o Grammy Latino, Toninho Horta leva, mais uma vez, uma imagem potente de Minas Gerais e da música mineira para o exterior, fortalecendo a ideia e a referência da mineiridade e a questão do pertencimento. O álbum Belo Horizonte marca seu passado, mas também tem um olhar para o futuro, reafirmando sua originalidade e difundindo a paisagem cultural de Minas”, argumenta o secretário.

Segundo Toninho, o êxtase de receber o Grammy Latino em 2020 se torna ainda maior com a apresentação no Palácio das Artes, em um palco que já faz parte de sua trajetória. “O disco Belo Horizonte é o resultado de um trabalho denso e completo. Tudo foi pensado com muito cuidado, e ganhou grande reconhecimento e repercussão. Apresentar esse repertório no Grande Teatro configura o esforço e o talento dos parceiros que me acompanharam por 50 anos, e nos deixa muito felizes e satisfeitos com a oportunidade”, celebra o compositor.

Refletindo sobre a situação atual do país, Horta ressalta a importância da reinvenção em período de isolamento social, e diz da emoção de realizar um show nesse momento. “Apesar das dificuldades, vivemos um momento de adaptação e de valorização dos trabalhos virtuais, que dialogam com a nossa realidade. Vejo o espetáculo como uma forma de agradecimento ao público, que é parte fundamental na construção e consolidação de nossa carreira”, conta. “Será um encontro de muita felicidade e celebração da música mineira!”, comemora Horta.

A apresentação do artista será ao lado de músicos e parceiros da Orquestra Fantasma, como Yuri Popoff (baixo), Lena Horta (flauta), Cuca Teixeira, que substitui o baterista Esdra “Neném” Ferreira, além de Salomão Soares (piano) e Lisandro Massa (teclados), que substituem André Dequech. Músicos convidados também integram a banda: João Machala (trombone), Wagner Souza (trompete), Carla Villar (vocal), Deuler Andrade (vocal), Robertinho Silva (percussão), Breno Mendonça (saxofone), Juarez Moreira (violão) e Tadeu Franco (vocal). O repertório contará com 17 canções, sendo 16 delas parte do álbum, e a música Belo Horizonte, que abre e encerra o show.

A cenografia fica a cargo do designer Otávio Bretas, que projetará imagens no palco. Entre as projeções, o público poderá conferir fotos de Toninho Horta e da Banda, imagens de Belo Horizonte, além de registros variados de Minas Gerais. Toninho Horta & Orquestra Fantasma homenageiam não só a trajetória do álbum premiado, mas a importância da cidade de Belo Horizonte, inspiração para diversas gerações de músicos e artistas brasileiros e internacionais.

O show TONINHO HORTA E ORQUESTRA FANTASMA é realizado pelo GOVERNO DE MINAS GERAIS / SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA E TURISMO DE MINAS GERAIS e FUNDAÇÃO CLÓVIS SALGADO e tem a APPA ARTE E CULTURA como correalizadora. Conta ainda com o patrocínio Master da CEMIG e INSTITUTO UNIMED-BH (viabilizado pelo incentivo de mais de 5,1 mil médicos cooperados e colaboradores), USIMINAS e INSTITUTO USIMINAS como patrocinadores.

BELO HORIZONTE, o CD (2019)
Lançado em celebração aos 50 anos de carreira de Toninho Horta e dos 30 anos da formação da Orquestra Fantasma, o CD homenageia a cidade de Belo Horizonte, terra natal do compositor. No formato de um álbum duplo acompanhado de um libreto, o projeto reúne uma compilação das composições mais expressivas do artista.

No CD 1, intitulado BELO, reúne uma seleção de canções clássicas da década de 1960 até 1980, com letras de Fernando Brant, Ronaldo Bastos e Cacaso. A última faixa do disco, a inédita Suíte Belo Horizonte, foi composta especialmente por Toninho Horta para homenagear a capital mineira. O CD 2, HORIZONTE, traz no repertório composições instrumentais, criadas a partir da década de 1990, com canções de Yuri Popoff e André Dequech, que fizeram parte do repertório em inúmeros shows de Toninho Horta & Orquestra Fantasma.

Na escolha do repertório dos dois CDs, foi considerada a relevância histórica e musical do artista e sua trajetória em parceria com a Orquestra Fantasma. As canções trazem um significado especial para todos do grupo, não apenas pela sonoridade artística, mas pelas vivências em cada show, cada gravação e aventuras pelo mundo – são muitas histórias vividas e muitas experiências a serem compartilhadas com o público.

Toninho Horta – Leva na bagagem cerca de 30 discos gravados e já tocou e gravou com músicos renomados em mais de 40 países. É considerado hoje um dos maiores guitarristas de jazz do mundo, sendo muito aclamado e respeitado internacionalmente. Mais de 80 músicas foram feitas em sua homenagem por artistas em todo o mundo. Em novembro de 2017, foi homenageado na Berklee College of Music, uma das mais importantes escolas de música do mundo.

Vindo de família de músicos – seu avô, o maestro João Horta, foi destaque entre os compositores de música sacra e popular no período barroco mineiro – Toninho teve as primeiras aulas de violão com sua mãe Geralda, que era bandolinista, e seu irmão Paulo contrabaixista. Na adolescência compôs suas primeiras canções, acompanhando cantoras na TV Itacolomy, e se destacava entre os jovens músicos de sua geração. Morando no Rio de Janeiro a partir dos anos 70, Horta se tornou bastante conhecido nas rodas do meio artístico, sendo admirado por todos pela sua performance bem pessoal, quando tocava guitarra ou violão, e pelas composições inventivas com sofisticada harmonia.

No II Festival Internacional da Canção (1967), promovido pela Rede Globo de Televisão com direção artística de Augusto Marzagão, Horta foi finalista com as suas músicas “Maria Madrugada”, com letra de Júnia Horta, e “Nem é Carnaval”, em parceria com Márcio Borges. No IV Festival Internacional da Canção (1969) Horta foi novamente finalista com a música “Correntes”, cuja letra de Márcio Borges foi censurada, passando por algumas alterações. Em 1970, integrou a banda de Elis Regina e participou da gravação do LP “Ela”. Em 1972, participou em várias faixas no LP “Clube da Esquina”, de Milton Nascimento. Em 1974, integrou o grupo “Som Imaginário”, que ao lado de Milton Nascimento e orquestra gravaram o histórico álbum duplo “Milagre dos Peixes”.

A Orquestra Fantasma – Banda que acompanha Toninho Horta há mais de 30 anos, é composta pelos músicos Yuri Popoff (baixo), Lena Horta (flauta), Neném (bateria) e André Dequech (piano/teclados). Tais músicos contribuíram na elaboração dos arranjos para as melodias e harmonias inusitadas, que são referências de estudo musical para músicos veteranos, mas principalmente para as novas e futuras gerações de artistas. Todos são compositores e possuem carreiras solo, discos independentes e reconhecimento internacional.

Nas palavras de Toninho Horta, a Orquestra Fantasma surgiu a partir de uma reunião com um time expressivo de músicos na Califórnia, em 1976, para gravar o disco “Milton”, de Milton Nascimento. Segundo Horta, no Estúdio Shangri-La, em Malibu, ele iniciou as gravações de seu primeiro álbum independente, a convite do próprio Bituca. “Quase todos os músicos que tocaram no disco ‘Milton’ também participaram do LP ‘Terra dos Pássaros’, lançado no Brasil em 1979. Ninguém menos que Raul de Souza, Robertinho Silva, Novelli, Laudir de Oliveira, Airto Moreira e os uruguaios Hugo e George Fattoruso”, lembra Horta.

“Hugo e eu ficamos muito amigos e quando disse a ele que adorava Orquestras Sinfônicas, começamos a imitar violinos e trompas com seu teclado e minha guitarra com pedal de volume. Daí, instituímos o som de uma orquestra ‘fantasma’. Esta vontade que sempre tive de ampliar o leque de sonoridades foi o pilar para a formação da minha banda, que surgiu em 1981, a verdadeira Orquestra Fantasma, formada por Yuri Popoff, Lena Horta, André Dequech e Esdra “Neném” Ferreira”, ressalta.

Promovido pelo Sebrae, evento tem apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais; Inscrições estão abertas e palestras acontecem de 24 a 26 de novembro.

Um encontro de turismo 100% on-line que pretende trazer inovação para o mercado turístico de Minas Gerais. Essa é a proposta do “Check-in Minas”, que será realizado pelo Sebrae entre 24 e 26 de novembro. O evento, que tem apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult-MG), discutirá ideias para levar mais visibilidade, oportunidades de negócios, networking e conhecimento para o trade turístico mineiro.

Os principais eixos das atividades serão inovação, negócios e experiência, em palestras com grandes nomes do mercado de turismo, rodadas de negócio e, ainda, uma plataforma exclusiva com descontos e oportunidades únicas de pacotes para aproximar empresas de turismo e clientes.

No dia 24/11, a abertura ocorre com a apresentação de cases de sucesso nos territórios mineiros, apresentados pelo presidente do Sebrae Nacional, Carlos Melles. A programação do primeiro dia continua com palestra sobre oportunidades e desafios para a retomada do turismo e a live “Experiência gastronômica” com o chef Flávio Trombino.

Painéis com os temas “Inovação nas empresas - marketing digital”, e “Inovação nos destinos - destino inteligente: tendência ou realidade”, marcam o segundo dia de evento (25/11), que também terá o “Momento Estrada Real”.

No dia 26/11, haverá os painéis “Gastronomia, muito além do queijo e café - gastronomia como atrativo turístico de Minas Gerais”; e “Ecoturismo e turismo de aventura - negócios, segurança e preservação ambiental”.

Inscrições
É possível se inscrever gratuitamente no site do encontro a qualquer momento. Nos dias 24, 25 e 26, quem estiver inscrito terá acesso aos conteúdos.

Também pode ser feita a inscrição de um negócio na opção Rodada de Negócios, até o dia 16/11. A pessoa será encaminhada para o site “Rodada Digital” e ali poderá preencher os dados e seguir as instruções para finalizar o cadastro. Após essa etapa, é preciso aguardar a avaliação do cadastro do negócio. Caso o empreendimento cadastrado seja selecionado, o empresário receberá um e-mail informando que o status de sua inscrição foi alterado e com futuras instruções.

Mais informações sobre o Check-in Minas em: https://checkinminas.sebraemg.com.br/

Atividade será realizada pela Biblioteca Pública Estadual, de forma on-line, nos dias 17 e 18 de dezembro
 
Uma das técnicas de impressão mais antigas, a gravura, é tema de curso on-line promovido pela Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais em dezembro. Ministrado pelo servidor Afonso Andrade, o minicurso gratuito “A gravura no livro impresso – Séculos XV e XVI” será realizado nos dias 17/12 e 18/12, das 9h às 11h.
 
Os encontros irão ocorrer por meio de plataforma virtual, e as inscrições podem ser feitas neste link. As vagas são limitadas e, ao fim do minicurso, haverá emissão de certificado que será enviado para o e-mail informado no ato da inscrição.
 
A proposta do curso é mostrar o desenvolvimento da gravura no ocidente e sua relação com os livros tipográficos, nos séculos XV e XVI, com destaque para as edições ilustradas de Orlando, o furioso, obra de Ludovico Ariosto, clássico da literatura italiana e um dos livros mais editados no século XVI.
 
minicursobiblio

Pleito do mandado 2021/2022 acontece em dezembro; entidades que desejam concorrer às vagas ou votar no processo eleitoral puderam se inscrever até 9 de novembro.

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) informa que, conforme deliberação Nº01 do Conselho Estadual de Turismo de Minas Gerais (CET), publicada no jornal Minas Gerais em 20 de outubro de 2020, o prazo para inscrição no processo eleitoral do Conselho Estadual de Turismo, mandato 2021/2022, se encerrou no dia 09/11/2020.

A relação de entidades habilitadas como candidatas, e que automaticamente têm direito a um voto perante o segmento escolhido no dia da Assembleia, conforme opção informada no formulário de inscrição, pode ser acessada

A eleição das vagas do mandato 2021-2022 está prevista para acontecer no dia 9 de dezembro de 2020, por videoconferência, devido as restrições impostas pela pandemia de Covid-19. Os links para acesso serão encaminhados em data próxima à reunião, de acordo com o cronograma publicado no anexo da Deliberação CET Nº 01.

O resultado das assembleias será apresentado na 47ª Reunião Ordinária do CET, prevista para 15 de dezembro de 2020. Na mesma oportunidade, o presidente do Conselho indicará como qualificadas as entidades da sociedade civil organizada que foram eleitas, conforme resultado das Assembleias Setoriais.

Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-mail  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

icms

Dados são obtidos a partir do Sistema ICMS Turismo, que recebeu menção honrosa no prêmio Inova 2020

Uma das principais ferramentas de acompanhamento do desenvolvimento da gestão do turismo nos municípios mineiros, para a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), é a análise de documentação daquelas cidades pleiteantes ao ICMS Turismo, baseada nos dados relativos ao Fundo Municipal de Turismo (Fumtur) e no cronograma de ações turísticas executadas. 

Com isso, tendo como referência o ano de 2019, a Superintendência de Políticas do Turismo da Secult constatou que os recursos depositados no Fumtur, nos 470 municípios pleiteantes, totalizaram aproximadamente, R$ 55,9 milhões. Já os valores investidos pelo Fumtur foram de cerca de R$ 51,3 milhões. Além disso, a análise da documentação enviada ao Sistema ICSM Turismo mostra que os municípios desenvolveram aproximadamente 5.900 ações turísticas, cujos investimentos foram em torno de R$ 306,2 milhões.

As informações são enviadas pelos próprios municípios ao Sistema ICMS Turismo por meio da documentação obrigatória para solicitar o repasse dos recursos ICMS Turismo.

O Sistema ICMS Turismo foi ganhador de menção honrosa no Prêmio Inova 2020, do Governo de Minas Gerais, na categoria “Iniciativas Implementadas de Sucesso” e modalidade “Inovação em Processos Organizacionais”.

ICMS Turismo

O ICMS Turismo atua por meio da Lei Estadual n.º 18.030/2009, que redistribuiu cotas de repasse financeiro do ICMS e do IPI e contempla o setor do turismo. Com a criação deste critério de repasse financeiro, a Secult estimula a organização turística dos municípios mineiros, além de fortalecer políticas públicas para o desenvolvimento da gestão dos órgãos municipais de turismo.

Dessa forma, o ICMS Turismo age como motivador e catalisador de ações, visando estimular a formatação e implantação, por parte dos municípios, de programas e projetos voltados para o desenvolvimento turístico local e regional, em especial os que se relacionam com as políticas para o turismo dos governos Estadual e Federal.

Para ter direito ao repasse, o município deverá, anualmente, se enquadrar nos seguintes critérios obrigatórios: participar de uma Instância de Governança Regional (IGR) certificada pela Secult, nos termos do Programa de Regionalização do Turismo no Estado de Minas Gerais; ter uma política municipal de turismo elaborada e em implementação; possuir Conselho Municipal de Turismo (Comtur), constituído e em regular funcionamento e possuir Fundo Municipal de Turismo (Fumtur), constituído e em regular funcionamento.

 

Recursos serão repassados aos municípios habilitados ao longo do ano de 2021.

 

O governo de Minas Gerais acaba de publicar os índices provisórios do critério ICMS Turismo (confira nas páginas 8, 9 e 10 do Diário Oficial do Estado de 12/11/2020). Os recursos serão repassados aos municípios habilitados ao longo do ano de 2021. O envio da documentação pelos municípios ocorreu até o dia 2 de março de 2020.

Em virtude da pandemia e das medidas de isolamento, excepcionalmente neste ano a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) realizou duas rodadas de notificação. Com essa medida, a Secult buscou dar oportunidade de correção dos apontamentos da Comissão do ICMS Turismo, garantindo, assim, a habilitação de mais municípios. Durante o processo, os municípios receberam orientações de como entrar em contato com a Comissão do ICMS Turismo no caso de dúvidas.

Os gestores cadastrados podem acessar o sistema do ICMS Turismo pelo link www.icmsturismo.mg.gov.br para verificar apontamentos e decisões da Comissão. Municípios que quiserem recorrer poderão apresentar recurso, no próprio sistema, até o dia 27/11.

Confira mais informações nos seguintes links:

https://www.icmsturismo.mg.gov.br/default/index_icms

http://www.secult.mg.gov.br/programas-e-acoes/icms-turismo

ICMS Turismo

A Lei Estadual n.º 18.030/2009, visando a organização e o desenvolvimento turístico dos municípios mineiros, redistribuiu as cotas de repasse financeiro do ICMS e do IPI, contemplando o setor do turismo. Assim, a criação de um critério de repasse financeiro, denominado ICMS Turismo, fortaleceu a política pública para o desenvolvimento da gestão turística nos municípios mineiros.

O ICMS Turismo atua como motivador e catalisador de ações, visando estimular a formatação e implantação, por parte dos municípios, de programas e projetos voltados para o desenvolvimento turístico local e regional, em especial os que se relacionam com as políticas para o turismo dos governos Estadual e Federal.

Para ter direito ao repasse, o município deverá, anualmente, se enquadrar nos seguintes critérios obrigatórios:

  • Participar de uma Instância de Governança Regional (IGR) certificada pela Secult, nos termos do Programa de Regionalização do Turismo no Estado de Minas Gerais;
  • Ter uma política municipal de turismo elaborada e em implementação;
  • Possuir Conselho Municipal de Turismo (Comtur), constituído e em regular funcionamento;
  • Possuir Fundo Municipal de Turismo (Fumtur), constituído e em regular funcionamento.

Curso Piloto Ufop

Aulas são realizadas pela plataforma EAD Cultura e Turismo da secretaria

Tiveram início nesta quinta-feira (10/12), por meio da platafaforma de Ensino a Distância (EAD) Cultura e Turismo da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), as aulas do curso piloto online “Práticas do Conselheiro no Turismo Local – Saber, Fazer, Compromissos e Responsabilidades”. Esta é uma das etapas da Pesquisa Aplicada: Concepção de Referenciais Metodológicos para os Planos Territoriais, Programas e Projetos de Qualificação no Turismo Nacional" um convênio do Centro de Excelência em Turismo da UNB nos municípios pertencentes aos 30 Roteiros Estratégicos definidos pelo MTur, em parceria com diferentes Instituições de Ensino.

Em Minas Gerais o curso é ofertado pela Universidade Federal de Ouro Preto e representantes do grupo de trabalho (EM)Rede, em parceria com a Secult, que cedeu gratuitamente a plataforma EAD Cultura e Turismo.

O curso é uma proposta do Ministério do Turismo (MTur) por meio do Plano Nacional de Qualificação, é destinado a pessoas que desejam atuar ou aprimorar sua atuação como Conselheiros Municipais de Turismo. O conteúdo a ser ensinado propõe fortalecer as competências comportamentais e técnicas por meio de ferramentas que aprimoram a articulação da sociedade civil organizada no sistema de governança municipal.

Participam das aulas conselheiros municipais e comunidade em geral dos municípios que fazem parte do projeto Investe Turismo, do Ministério do Turismo: Belo Horizonte, Brumadinho, Congonhas, Diamantina, Mariana, Ouro Preto, Sabará, São João Del Rei e Tiradentes.

Ao todo, são 50 vagas ofertadas e a carga horária é de 30 horas. As aulas começaram em dezembro e têm previsão para terminar em janeiro de 2021, com a possibilidade de formação de turmas no decorrer do ano de  2021,  também por meio da plataforma EAD Cultura e Turismo, da Secult.

“Amilcar de Castro - Matéria e luz” pode ser visitada no Centro Cultural Minas Tênis Clube a partir de 12 de novembro e apresenta ao público cerca de 50 obras do artista mineiro

Exposição Amilcar de Castro Matéria e luz Foto de Orlando Bento 59

Dobrar, cortar, criar sobre uma chapa de aço. Tornar leve e iluminado um material pesado. Transformar o metal em beleza. Assim foi a carreira do escultor, pintor e designer Amilcar de Castro (1920-2002), mineiro de Paraisópolis, considerado por críticos e historiadores culturais como um dos nomes mais importantes da arte contemporânea brasileira. Para comemorar o centenário de nascimento do artista, o Centro Cultural Minas Tênis Clube realiza uma exposição de cerca de 50 obras de Amilcar, entre esculturas, eucatex, papel e telas.

Sob a curadoria de Rodrigo de Castro, filho do artista, a exposição “Amilcar de Castro - Matéria e Luz” fica disponível na Galeria do Centro Cultural Minas Tênis Clube (CCMTC), entre os dias 12 de novembro de 2020 a 24 de janeiro de 2021. O espaço funciona de terça-feira a domingo e feriados, das 13h às 19h. O CCMTC fica na Rua da Bahia, 2244, bairro de Lourdes. A entrada é gratuita e, por causa da pandemia de Covid-19, a capacidade de visitantes é limitada a 30 pessoas. A exposição tem patrocínio do Instituto Unimed-BH.

A ideia da exposição, segundo Rodrigo de Castro, não é fazer uma retrospectiva da carreira de Amilcar. “Selecionamos as obras mais importantes, aquelas que traduzem, da melhor forma, o trabalho de Amilcar. O fio condutor da mostra é a sensibilidade criativa de Amilcar, a partir de um diálogo permanente entre matéria e luz”, diz o curador. Para Maria das Mercês Quintão Fróes, diretora Institucional do Instituto Unimed-BH, parceiro do Minas Tênis Clube e patrocinador máster da mostra, essa é uma iniciativa importante para a valorização da arte mineira. “São muitas mãos atuando em parceria, conferindo destaque para Belo Horizonte e Minas Gerais no cenário nacional”, afirma Fróes.

Reconhecimento
A obra de Amilcar de Castro é bem conhecida dos belo-horizontinos, já que muitas de suas esculturas estão espalhadas em pontos importantes da capital, inclusive no passeio e na fachada do CCMTC, na rua da Bahia. No local, foram instalados, em agosto, também como parte das comemorações pelo centenário do artista, a imagem de uma pintura inédita, com 140 m², e uma escultura em aço (sem título), criada por ele nos anos 1990, medindo tem 2,30m x 1,87m. “As telas são raramente expostas por exigirem um espaço disponível com as dimensões adequadas e suficientes para acomodar a obra. E quando me falaram da dimensão do vidro disponibilizado para a plotagem, não tive dúvida sobre o que colocar”, explica Rodrigo de Castro.

Exposição Amilcar de Castro Matéria e luz Foto de Orlando Bento 8

O diretor de Cultura do Minas Tênis Clube, André Rubião, ressalta a importância de se abrigar a mostra. “Reconhecido internacionalmente, Amilcar de Castro foi responsável pela formação de toda uma geração de artistas por meio de uma metodologia própria cunhada no Núcleo Experimental da Escola Guignard. É um prazer e uma ação importantíssima do CCMTC mostrar para o público uma inédita reunião de obras do artista”, afirma.

Maria das Mercês Quintão Fróes comenta que essa exposição, em um espaço nobre e acessível a todos, representa mais do que uma simples homenagem a um artista mineiro de renome internacional. “Como as obras de Amilcar de Castro são feitas em formas e materiais tão representativos da história de nosso estado, celebramos também o pensar e o produzir cultura em todas as suas possibilidades”, exalta a diretora do Instituto Unimed-BH.

Minidocumentário
Para celebrar o centenário de Amilcar de Castro, que nasceu em 8 de junho de 1920 e morreu em 2002, o Minas Tênis Clube também produziu o minidocumentário “Amilcar de Castro 100 anos”, que está disponível no canal do Youtube do espaço. No vídeo, seu filho e também plástico artista Rodrigo de Castro narra a trajetória do pai e sua importância para a arte nacional. “Hoje, 100 anos, daqui a pouco 500 e quanto mais o tempo passa, maior é a grandeza que se desvela de sua obra”, afirma Rodrigo. Veja o documentário aqui.

Parceria
Mercês Fróes acrescenta que este projeto inaugura uma nova parceria entre o Minas Tênis Clube e o Instituto Unimed-BH. Ao todo, a iniciativa propõe a realização de quatro exposições de artes visuais, além de atividades de educação, como palestras, workshops e a presença de monitores capacitados. Toda a programação será gratuita, como forma de garantir a amplitude de acesso a informações culturais aos visitantes em geral.

“O contexto que estamos vivendo torna ainda mais importante essa celebração, pois compreendemos a responsabilidade das instituições culturais na retomada da economia, na geração de bem-estar e no fomento ao emprego e renda”, destaca a diretora. Inaugurado há 20 anos, o Programa Sociocultural Unimed-BH é uma das maiores iniciativas de captação de incentivo fiscal por meio de pessoas físicas no país, administrado pelo Instituto Unimed-BH, por meio do investimento de mais de 5,1 mil médicos cooperados e colaboradores da Cooperativa.

Imagens: Orlando Bento

Serviço: 
Exposição "Amilcar de Castro - Matéria e Luz"
Data: 12/11 a 21/1/2021
Horário: terça-feira a domingo e feriados, das 13h às 19h
Local: Centro Cultural Minas Tênis Clube (Rua da Bahia, 2244 - Lourdes).
Entrada grauita

Cursos IFSulDeMinas

Ação é realizada em parceria com os Ministérios do Turismo e da Educação e em parceria com a Secult

Estão abertas as inscrições para os cursos profissionalizantes virtuais e  gratuitos na área de turismo oferecidos pelo Instituto Federal do Sul de Mina (IFSulDeMinas) em parceria com os Ministérios do Turismo e da Educação e com o apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Ao todo, são ofertadas cinco mil vagas e as inscrições vão até o próximo domingo (13/12).

Os cursos de Formação Inicial e Continuada  e a Distância (FIC) são de Agente de Recepção e Reserva em Meios de Hospedagem (1.000 vagas); Mensageiro em Meio de Hospedagem (1.000 vagas); Copeiro(a) (1.000 vagas); Garçom/Garçonete (1.000 vagas); Espanhol Básico (600 vagas) e; Espanhol Intermediário (400 vagas).

Dentre os critérios para realizar a inscrição estão possuir ensino fundamental (I ou II), ter idade mínima de 16 anos e endereço de e-mail válido. Para a qualificação em espanhol intermediário, é preciso apresentar o certificado de Espanhol Básico. A carga horária varia entre 160 e 200 horas cada e não é possível realizar dois cursos ao mesmo tempo.

Para mais informações sobre os cursos e para acessar o formulário de inscrição, clique AQUI.

A seleção ocorrerá por sorteio eletrônico e a relação dos candidatos contemplados será divulgada no site do IFSulDeMinas no dia 15 de dezembro. Neste mesma data, os estudantes devem encaminhar os documentos necessários para realização da matrícula.

As aulas terão início no dia 17 de dezembro e a previsão de conclusão é em abril de 2021.

Evento é realizado pelo Sebrae Minas, Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult).

A 5a edição da MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo, que será promovida entre os dias 16 e 19 de novembro, 100% virtual, vai movimentar o mercado audiovisual brasileiro. Além da programação de negócios, o evento terá debates on-line com a participação de 50 especialistas nacionais e internacionais. Serão oito painéis, seis diálogos e dois showcases sobre negócios, narrativas, políticas e tendências. As inscrições gratuitas para as capacitações podem ser feitas pelo site www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br.

Neste ano, a realização do evento on-line permitiu a ampliação do número de palestrantes internacionais. Na programação de conteúdo da MAX, diversas discussões tratarão também sobre o cenário pós-pandemia, com análises de especialistas sobre como a pandemia influenciou na  forma de contar as histórias, principalmente as ficcionais e sobre os caminhos para a retomada da indústria audiovisual brasileira.

A programação completa de capacitações está em www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br. Todas as palestras são abertas ao público e os interessados podem se inscrever gratuitamente no site do evento.

Os showcases são as apresentações em que as empresas esclarecem sua forma de atuação e destacam oportunidades para os produtores. Um dos mais aguardados é o da Netflix. A diretora de Produções Originais do serviço de streaming, Maria Ângela de Jesus, participará pela segunda vez da MAX. Ela destaca que a empresa quer contar histórias de todas as partes do mundo. “Quando identificamos uma boa história, que vai funcionar com o nosso público, procuramos possibilitar para o criador transformá-la em realidade, sair do papel e ir para a tela. A Netflix tem essa abertura para atuar com diferentes formas de trabalho, para conversar e entender o que o produtor independente quer realizar”, afirma.

Conforme explica Maria Ângela, a Netflix participa de eventos fora do eixo Rio-São Paulo para “encontrar histórias diferentes, com diversidade, que podem fazer diferença dentro da nossa plataforma, não só no Brasil, mas no mundo todo”.

Ela salienta que os realizadores devem estar atentos para o potencial de envolvimento de suas narrativas. “Queremos criar engajamento emocional com os nossos conteúdos e levar essas histórias para o mundo. Seja qual for a emoção, do riso ao drama, à indignação sobre temas dos quais as pessoas precisam refletir. É esta diversidade que buscamos trazer para a Netflix.”

 

Sobre a MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo

A 5ª edição da MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo é realizada pelo Sebrae Minas, Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, com o objetivo de promover negócios e atividades de capacitação profissional para o incremento da indústria do audiovisual.

Desde a sua primeira edição em 2015, a MAX se consolidou como espaço para reflexão e caminho para viabilizar a produção, coprodução e distribuição de projetos. No contexto definido pela Covid-19, o evento reafirma sua vocação e amplia seu alcance, oferecendo mais acesso e abrangência, por meio das possibilidades tecnológicas de interação, sem a necessidade de deslocamento dos participantes.

Em 2020, a expectativa é aumentar a participação, já que o acesso virtual se mostra mais democrático e inclusivo para realizadores do interior do estado e de outras partes do país.

souminasgerais3

Publicações em homenagem aos 300 anos do estado com a hashtag do movimento atingiram a casa dos 18 mil

O movimento “#SouMinasGerais”, organizado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) para celebrar os 300 anos de Minas Gerais no dia 2 de dezembro de 2020, agitou as redes sociais e mostrou o carinho de internautas de todo o Brasil pelas terras mineiras.

Ao todo, foram feitas 18.418 publicações com a hashtag #SouMinasGerais e , entre os dias 2 e 9 de dezembro, aproximadamente 414 mil contas foram alcançadas pelo perfil promocional da Secult no Instagram, o @visiteminasgerais - esse número é quatro vezes maior do que o alcance em todo o mês de setembro.  No mesmo período, o @visiteminasgerais conquistou 2.288 seguidores e foram feitas 1.943 menções à página, além de 18.300 interações. Outro número de destaque compreende a visualização das figurinhas animadas criadas para o Instagram: 15.059 vezes.

Além do público em geral, fizeram parte do movimento #SouMinasGerais diversos equipamentos culturais; unidades de conservação; produtores culturais; meios de hospedagem; fotógrafos; influenciadores digitais de Minas Gerais e de outros estados; transportadoras turísticas; operadoras e agências de viagens; restaurantes e cafés; universidades; prefeituras; instâncias de governança regional; vereadores e deputados; chefs de cozinha; empresas de organização e apoio a eventos; associações de imigrantes; entidades do setor turístico; artistas; veículos de comunicação e grandes empresas; além de órgãos, corporações, secretarias e instituições do Governo de Minas Gerais.

A Secult agradece a cada um que fortaleceu o movimento #SouMinasGerais!

História dos Tanukis, espíritos da floresta que acordam na cidade, será contada por meio de interação em dispositivos móveis; Ação faz parte da programação do Novembro Digital, da Aliança Francesa 

A realidade aumentada tem a capacidade de incorporar elementos virtuais ao mundo real de maneira impressionante. E Belo Horizonte vai vivenciar um amplo circuito pela cidade como parte da programação do Novembro Digital, da Aliança Francesa. A atração Uramado AR vai levar o público a conhecer personagens do folclore japonês em equipamentos culturais da Universidade Federal de Minas Gerais, do Circuito Liberdade, Palácio das Artes e no prédio da Aliança Francesa em Belo Horizonte.

Entre 16 de novembro e 11 de dezembro, adesivos instalados em centros culturais darão vida a diversas figuras inspiradas no folclore japonês. Elas contam a história dos Tanukis que são espíritos da floresta que acordam na cidade. Considerado o personagem mais travesso do universo japonês, Tanuki é uma criatura mística e divertida, mestre no disfarce e na troca de formas. Os relatos sobre esse raccoon maroto remontam ao ano 712, no livro Kojiki (Registro das Coisas Antigas), o livro mais antigo sobre a cultura do Japão.

As imagens serão disponibilizadas nas fachadas de prédios de 14 centros culturais de Belo Horizonte, criando um circuito de realidade aumentada. O público será convidado a fazer o download gratuito do Uramado AR, o aplicativo de despertar de Tanukis (disponível tanto em sistemas iOS quanto Android) para iniciar a caça ao tesouro. À medida que os adesivos são descobertos, os espíritos ganharão vida e questionarão o espectador.

O público poderá conferir a atração nos espaços: Palácio das Artes, Centro Cultural da UFMG, Espaço do Conhecimento da UFMG, Casa Fiat de Cultura, MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, Memorial Minas Gerais Vale, Academia Mineira de Letras, Centro Cultural Banco do Brasil, Museu Mineiro, Arquivo Público Mineiro, Casa do Patrimônio Cultural, Centro Cultural Minas Tênis Clube, Escola de Design – UEMG, Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais.

 

miniuramato

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e a Fundação Clóvis Salgado (FCS) divulgam o resultado final do Edital 14/2020 da Lei Aldir Blanc em Minas Gerais - Seleção de Bolsistas para as Áreas Artísticas, Técnicas e de Produção Cultural.

O processo foi realizado por Comissão de Pareceristas, selecionados por edital público, que fez um trabalho criterioso e dedicado de avaliação das propostas. Este Edital de seleção, distribuído em seis categorias, destina R$ 8 mil para cada bolsista e é voltado a propostas de criação, pesquisa ou formação para trabalhadores das áreas de Circo, Dança, Música, Teatro, Técnicos de bastidores e Produção Cultural.

As listas finais de classificados, desclassificados e os resultados finais dos recursos estão publicadas na área de Editais da LAB MG no site da Secult, neste link.

Os proponentes selecionados devem apresentar documentação descrita no Edital, no prazo de até dez dias úteis, por meio do Sistema Eletrônico de Informações (SEI!). O pagamento será feito após a devida Habilitação dos selecionados.

Se você foi selecionado ou classificado nos editais da Lei Aldir Blanc em Minas Gerais, o tutorial no link abaixo orienta como peticionar os documentos no sistema SEI!

https://www.youtube.com/watch?v=DSz8REmgrxk&feature=youtu.be

Além disso, no site da Secult está disponível link com arquivos que esclarecem como deve ser cadastrado um “usuário externo” no SEI! e como abrir peticionamento no sistema. Confira AQUI.

 

minied14

Mostra Bunker 24 - O Gueto de Cor de Rosa inaugura no dia 12 de novembro em formato híbrido, presencialmente e online, e propõe reflexões acerca da comunidade LGBTQIA+ .

 

O BDMG Cultural reabre, gradualmente, a Galeria de Arte a partir de 12 de novembro e apresenta a exposição Bunker 24 - O Gueto de Cor de Rosa, do artista plástico Lamounier Lucas. A mostra ocorre, gratuitamente, no espaço expositivo, localizado à Rua Bernardo Guimarães, 1600, e também ganha visitação em plataforma digital na página www.mostrasbdmgcultural.org até 20 de dezembro de 2020. 

A mostra Bunker 24 - O Gueto de Cor de Rosa propõe uma discussão e reflexão sobre os diversos espaços de exclusão e de pertencimento da comunidade LGBTQIA+. "Discutir os espaços de exclusão e pertencimento que envolvem, norteiam e balizam a comunidade LGBTQIA+ implica considerar que, muitas vezes, o processo de exclusão social é reflexo do preconceito histórico-cultural em relação aos comportamentos, condutas e corpos que fogem dos padrões heteronormativos", ressalta Lamounier Lucas. 

Os elevados números de agressão contra a comunidade LGBTQIA+ também são retratados na exposição Bunker 24 - O Gueto de Cor de Rosa. Algumas obras discutem a questão da invisibilidade dos corpos trans e a agressividade que a simples existência desta população suscita na sociedade. Na exposição, o artista aposta na linguagem advinda da própria população como uma tática de resistência e sobrevivência, mas também não se furta ao expor contradições e impasses dentro da pluralidade que compõe a comunidade LGBTQIA+. 

Sobre o artista 
Lamounier Lucas é artista plástico. Vive e trabalha em Belo Horizonte. Graduado em Artes Plásticas pela Escola Guignard/UEMG e em Comunicação Social (Publicidade e Propaganda), pela UFMG. Mestre em Artes pela UFMG, onde concentrou como objeto de estudo as intervenções artísticas urbanas. Participou de diversas exposições individuais e coletivas em Belo Horizonte, Ouro Preto, João Pessoa, Brasília e Uruguai. Trabalha com técnicas mistas, serigrafia expandida, impressão digital, cerâmica, pintura e intervenções artísticas urbanas. 

Ciclo de Mostras 2019/2020 
A mostra Bunker 24 - O Gueto de Cor de Rosa integra o Ciclo 19/20, que teve início em novembro de 2019 e percorrerá até 2021 com exposições das artistas Eugênia França e Esther Az. Já passaram pelo Ciclo de Mostras, com exposições na Galeria de Arte, os artistas Alexandre Júnior, Froiid e Felipe Chimicatti. A exposição de Lamounier era para ocorrer em março, mas o mundo foi tomado pela pandemia da Covid-19 e o calendário previsto ficou suspenso e a Galeria teve que ser fechada. Agora, com a reabertura do espaço, a mostra fica em cartaz até 20 de dezembro de 2020. 

Reabertura da Galeria de Arte 
Seguindo os protocolos de segurança do Estado e do município de Belo Horizonte, a Galeria de Arte funcionará às terças, quintas e sextas-feiras, em horário reduzido, de 10h às 12h e 14h às 17h, com número de visitantes restritos. Para visitação, será necessário a retirada de ingresso gratuito, de acordo com disponibilidade de data e horário, por meio da plataforma www.sympla.com.br/bdmgcultural 

Serviço 

Abertura da Galeria de Arte do BDMG Cultural com lançamento da mostra Bunker 24 - O Gueto de Cor de Rosa, de Lamounier Lucas 
Período: 12 de novembro a 20 de dezembro de 2020 
Onde: Galeria de Arte - Rua Bernardo Guimarães, 1600 
Terças, quintas e sextas-feiras: das 10h às 12h e das 14h às 17h
Ingressos gratuitos: www.sympla.com.br/bdmgcultural 
Mostra virtual:www.mostrasbdmgcultural.org
Classificação: 18 anos 

Foto: Miguel Aun

Concerto será transmitido ao vivo pelo canal da Orquestra no YouTube e pela Rede Minas de Televisão.

No dia 12 de dezembro, aniversário de Belo Horizonte, às 18h, na Sala Minas Gerais, a Filarmônica de Minas Gerais comemora com a interpretação de cinco aberturas de Beethoven, dentro da sua Maratona em homenagem ao compositor alemão. No repertório, Abertura "A consagração da casa", op. 124; Abertura Namensfeier, op. 115; As ruínas de Atenas, op. 113: Abertura; Rei Estevão, op. 117: Abertura e Abertura Leonora nº 3, op. 72b. A regência é do maestro assistente, José SoaresO concerto será transmitido ao vivo, direto da Sala Minas Gerais, pelo canal da Orquestra no YouTube fil.mg/youtube e pela Rede Minas de Televisão.

Neste mês, a Filarmônica de Minas Gerais abriu sua sala de concertos para a presença de todo o público. Agora, o público em geral pode frequentar a Sala Minas Gerais, obedecendo aos mesmos cuidados tomados para prevenção à covid-19 que estão em vigor desde o início de novembro, quando os assinantes voltaram a assistir aos concertos presencialmente. Um rigoroso protocolo de segurança orienta a realização dos concertos para garantir a saúde do público, dos musicistas e da equipe técnica, como a limitação da presença de, no máximo, 412 pessoas por apresentação, o que corresponde a cerca de 30% da capacidade total da Sala (1.493 lugares). Mesmo com a volta da plateia à Sala, as transmissões ao vivo continuarão a acontecer.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais, Aliança Energia e CBMM, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (SEcult), Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais foi fundada em 2008 e tornou-se referência no Brasil e no mundo por sua excelência artística e vigorosa programação. Conduzida pelo seu diretor artístico e regente titular, Fabio Mechetti, a Orquestra é composta por 90 músicos de todas as partes do Brasil, Europa, Ásia e das Américas. O grupo recebeu numerosos menções e prêmios, entre eles o Grande Prêmio da Revista CONCERTO em 2015, o Prêmio Carlos Gomes de Melhor Orquestra Brasileira em 2012, e foi indicada como Melhor Grupo de Música Clássica do Ano pela Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA) em 2010. O CD Almeida Prado - obras para piano e orquestra, com Fabio Mechetti e Sonia Rubinsky, lançado neste ano pelo selo internacional Naxos em parceria com o Itamaraty, foi indicado ao Grammy Latino 2020.

Como sintinizar:
redeminas.tv/comosintonizar
A Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF) ou 17 (UHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina. Acesse as redes sociais:
www.redeminas.tv
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas


Foto: Rafael Motta

 

Cedido pela Secult-MG para a Fundação Nacional de Artes, prédio compõe o Circuito Cultural e Turístico Liberdade.

Situado no complexo da Praça da Liberdade, em Belo Horizonte (MG), o Edifício Tancredo Neves transforma-se, a partir desta segunda-feira (9/11), em um novo espaço cultural, gerido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte): a Casa Funarte Liberdade. A inauguração integra as celebrações dos 300 anos de Minas Gerais. Conhecido como “Rainha da Sucata”, o prédio foi cedido pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) à instituição federal. O espaço faz parte do Circuito Cultural e Turístico Liberdade, um dos maiores conjuntos de espaços culturais do país.

A Funarte preparou para o novo espaço uma programação de música, dança, teatro, artes visuais, artes integradas e poesia, além de ações de formação nessas áreas. O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, falou sobre o Decreto do Estado que passa a reger o Circuito Liberdade e o expande, abrangendo, de forma integrada, equipamentos culturais do Estado de Minas Gerais e de parceiros presentes na área definida pelo projeto original de 1895 da cidade de Belo Horizonte, delimitada pela Avenida do Contorno. “Com esse projeto pretendemos aumentar o número de opções culturais e turísticas à população e tornar o Circuito Liberdade mais atrativo, dentro do contexto de reativação da economia mineira, que depende muito das atividades culturais”, citou o governador.

Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo, agradeceu ao governador Romeu Zema e ao secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, pelo trabalho conjunto entre governo de Minas e Ministério do Turismo (MTur) para que o projeto se transformasse em realidade. “Esse prédio vai, sem dúvida, fomentar várias atividades culturais na capital, mostrando a parceria consolidada entre governo federal e governo do Estado, que gentilmente cedeu o imóvel para que houvesse o investimento com aporte de cerca de R$ 1,7 milhão, proporcionando ao cidadão, não somente belorizontino, mas a todos que visitam nosso estado e nossa capital, mais um espaço cultural para ser desfrutado na cidade”, declarou.

Espaço

Com área total de 1.547m², o imóvel tem quatro pavimentos e um subsolo de 258 m², com elevador e ar condicionado, e abriga um teatro de arena para 400 espectadores. O Mtur e a Secretaria Especial da Cultura do governo federal apoiaram a revitalização do edifício. A proposta da Funarte é que o prédio torne-se um polo artístico, em que a Fundação pretende se aproximar mais da cadeia produtiva das artes, planejando ainda incluir as inovações da era da tecnologia da informação, aliando artes digitais online a atividades presenciais.

Para Leônidas Oliveira, secretário de Estado de Cultura e Turismo, o imóvel é o mais representativo da pós-modernidade na arquitetura e na arte de Minas Gerais, e firmar mais essa parceria com a Funarte “intensifica a transversalidade entre cultura e turismo, fortalecendo o Circuito Liberdade e seus desdobramentos. A nova configuração do Circuito Cultural e Turístico Liberdade reúne mais de 40 espaços culturais no hipercentro de Belo Horizonte e a vinda da Funarte, criando a Casa Funarte Liberdade, vem complementar esse cenário”, explica Oliveira. “Ele vai se tornar um lugar de fruição das artes de forma ampla, tanto para os mineiros quanto para pessoas de outros estados, além de ser também um espaço para a formação de artistas nas mais variadas áreas. Minas tem muita honra e alegria em receber a Funarte, sobretudo na centralidade das políticas públicas para a cultura e turismo de Minas Gerais”, disse Oliveira.

De acordo com Fabiane Aguiar, coordenadora da Funarte Minas, neste nova configuração do prédio a Funarte pretende atuar como um centro de referência da música, das artes visuais, cênicas e da era digital, “trazendo para perto da gente a cultura popular, o teatro de rua, a dança de rua, o movimento soul e o hip hop. Nesse contexto de pandemia é ótimo podermos utilizar um espaço como este, aberto, que traz acessibilidade enorme ao público, com uma programação que vai transitar entre a música clássica e a cultura popular”, conta. Segundo Fabiane, a programação terá início a partir de 21/11, todos os finais de semana, sendo aos sábados às 17h e domingo às 11h, até o dia 19 de dezembro.

Edifício Tancredo Neves, agora Casa Funarte Liberdade

Assinado por Sylvio de Podestá e Éolo Maia, o projeto arquitetônico do Edifício Tancredo Neves é da década de 1980. Situado na Avenida Bias Fortes, o edifício se destaca pela concepção ousada e pelo uso de materiais diversos e cores fortes nas fachadas, em estilo pós-modernista. “A diversidade de elementos, formas e cores revela a opção arquitetônica pelo emprego de materiais marcadamente regionais, como o quartzito, a ardósia, a pedra-sabão e o aço produzido nas siderúrgicas mineiras”, informa o site do Circuito Liberdade. Ele acrescenta que a altura e o volume da construção acompanham as dimensões dos prédios históricos que compõem o conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade, buscando um diálogo com seu entorno imediato.

Para o presidente da Funarte, Lamartine Holanda, "a Casa Funarte Liberdade é o mais novo espaço nacional das artes em terras mineiras, em endereço emblemático da pós-modernidade. Agradecemos o apoio de todos e a parceria de sucesso com o Governador Romeu Zema e com o Secretário Leônidas Oliveira, que compartilham com a Funarte, o Ministério do Turismo e a Secretaria Especial de Cultura, a vontade e a ação efetiva, capazes de amplificar as artes em Minas Gerais e no Brasil".

Circuito Liberdade

Abrigado em uma área histórica de Belo Horizonte (MG), o Circuito Cultural e Turístico Liberdade integra diversificados espaços da região da Praça da Liberdade. É importante rota do panorama mineiro de museus, centros de cultura e formação e salas de espetáculos, reconhecido como o maior corredor cultural do país. Desde sua inauguração, o Circuito Liberdade contabiliza 12,9 milhões de visitantes. Em 2019, foram 2,5 milhões de visitantes, uma média mensal de 205 mil pessoas. Em outubro de 2019, mês em que as programações são pensadas para o público infantil, os espaços culturais do Circuito Liberdade receberam, juntos, 235 mil visitantes. Dentre os equipamentos culturais atualmente em funcionamento, nove são geridos diretamente pelo Governo do Estado e os outros funcionam por meio de parcerias público-privadas ou parcerias com instituições públicas federais. Com o Decreto assinado pelo governador Romeu Zema, além da ampliação do perímetro de atuação, fica estabelecido o roteiro turístico denominado “Circuito Liberdade”, que terá rotas para a região metropolitana e circuitos do interior, sendo regulamentado por meio de resolução da Secult-MG, órgão que passa a ser gestor da iniciativa. A ideia é unir arranjos criativos do território, meios de hospedagem, gastronomia e equipamentos culturais, públicos ou privados. Os próximos passos para a consolidação do novo Circuito Liberdade incluem mapeamento e plano de parcerias, a criação de uma programação cultural integrada e conexão com festivais e eventos já existentes, criação de ferramentas de interação, como a plataforma digital do Circuito, dentre outros.

O vídeo da inauguração da Casa Funarte Liberdade, gravado ao vivo, ficará disponível no canal Arte de Toda Gente: www.youtube.com/artedetodagente.

A Revista Concerto realiza o Grande Prêmio CONCERTO 2020. De Minas Gerais, duas instituições foram indicadas à categoria “Reinvenção na pandemia”: Fundação Clóvis Salgado e Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. A Fundação Clóvis Salgado concorre pela Temporada de Ópera On-line.

Os números significativos demonstram a relevância do projeto: 218 especialistas, 60 atividades formativas e reflexivas gratuitas, 637 vagas em oficinas e cursos da Academia da Ópera. Também foram produzidas 45 horas de conteúdo operístico por meio de lives e 116 horas de oficinas e cursos, alcançando mais de 100 mil pessoas.

O Prêmio CONCERTO 2020 tem votação da crítica especializada e também do Juri Popular. A votação do público ficará aberta até o dia 18 de dezembro de 2020. Cada pessoa pode selecionar no máximo 4 opções. Os vencedores da crítica e do público serão conhecidos na edição de janeiro-fevereiro da Revista CONCERTO

Para votar, basta acessar este link, no site da Revista Concerto.

A Fundação Clóvis Salgado é vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais. 

 

minifcsconcerto

City Nation

Subsecretária de Turismo Marina Simião participa como palestrante na programação voltada para América Latina e Caribe

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) vai representar o Brasil no City Nation Place Congress 2020, um congresso mundial de lideranças em branding e marketing de territórios para negócios e turismo que acontece, neste ano, de forma virtual, nos dias 11 e 12 de novembro. A participação da Secretaria acontece a convite da fundadora e diretora do evento, Clare Dewhirst.

Ao lado de representantes do México, República Dominicana, Colômbia e Urugai, a subsecretária de Turismo da Secult,  Marina Simião, é uma das palestrantes do City Nation Place para América Latina e Caribe, e fará a apresentação sobre como Minas Gerais enfrenta os desafios impostos pelo ano de 2020 e como conduz o processo de reposicionamento do estado como destino turístico.

“O City Nation Place é um evento que trata de posicionamento dos territórios frente aos desafios, promove importantes debates e apresenta várias possibilidades, perfis, técnicas e atuações do setor turístico. Participar deste congresso é uma oportunidade ímpar porque, além de apresentar o trabalho que a Secult vem fazendo para reposicionar Minas Gerais, vamos conhecer outras experiências, aprender com outras práticas e entender melhor a proposta de branding, que vem sendo muito usada pelos territórios para se posicionar no mercado de forma decisiva, clara, estratégica  objetiva. Para além das discussões acerca dos temas envolvidos no congresso e da troca de experiências, é uma oportunidade, também, para mostrar a outros países as potencialidades de Minas Gerais como destino turístico: o estado abriga 60% do patrimônio histórico nacional e quatro patrimônios da humanidade, possui paisagens incríveis, a cozinha mineira que encanta, e possibilita o turismo de experiência que abrange desde os circuitos urbanos às vivencias rurais e culturais”, pontuou a subsecretária.

Na programação também estão previstas palestras de especialistas e líderes em branding, negócios e turismos da Inglaterra, Austrália, Costa Rica, Escócia, Irlanda, Nepal, Emirados Árabes, Índia, Malásia, China, entre outros países e territórios. A palestra da Secult acontece no dia 11 de novembro, às 12h, no horário de Brasília. 

Para informações sobre o evento, clique AQUI.

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) divulga as listas referentes a pagamentos do Edital emergencial FEC 02/2020 “ARteSalva” – Premiação (Pessoa Física)

A primeira lista refere-se aos pagamentos já realizados. Ao final da tabela é informado que os contemplados que estão marcados em amarelo na última coluna tiveram os pagamentos realizados em 7/12/20. Sendo assim, a previsão do depósito em conta do contemplado é até 10/12/20, podendo variar conforme prazo para compensação bancária. Este prazo não é fornecido pela Secult, mas sim pelos bancos.

A segunda lista contém nomes que já estão empenhados (ou seja, recurso garantido), faltando envio de documentação ou correção daquela enviada.

Está publicado também um arquivo com resposta à pergunta frequente relacionada à data de pagamento.

Não é necessário fazer contato com a Secult, pois a equipe técnica está entrando em contato com cada beneficiário, em caso de dúvida na documentação.

 

A grande maioria dos auxílios já foi paga. Há alguns contemplados que estão com pendênciade documentação e devem aguardar o contato da Secult.
As listas estão disponíveis no site da Secult para verificação de status.

 

Para acessar as listas, clique AQUI.

 

minipgartesalva

Festuris 01 1

Participação acontece em parceria com Embratur; agenda intensa contempla divulgação de roteiros turísticos e capacitação para agentes de viagem

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) confirma presença em mais um evento que é referência no setor turístico: entre esta quinta-feira (5/11) e o próximo domingo (8/11), representantes da pasta participam da Feira Internacional de Turismo de Gramado (Festuris), em parceria com a Embratur.  

A participação da Secult, que foi contemplada com um estande adquirido pela Embratur após o cumprimento dos requisitos exigidos, será presencial*, com atendimento a agentes e operadores de viagens  e divulgação dos produtos e roteiros turísticos comercializados pelas empresas habilitadas no programa Minas Recebe.

Neste ano, a ênfase será para novos roteiros das regiões Norte e Sul de MInas, que se destacaram durante o levantamento de pacotes turísticos em 2020 por apresentar diversas possibilidades de atividades em parques naturais, travessias, experiências gastronômicas e vivências rurais.

Além disso, a Secult também promove dois dias de capacitação para agentes de viagens, também em parceria com a Embratur: nos dias 6 e 7 de novembro, a partir das 16h, no palco 01 do Pavilhão 2 do Serra park, técnicos da pasta e da entidade do governo federal estarão reunidos para qualificar os profissionais interessados.

Projeção de Minas para o Brasil

secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, celebra mais uma ação em parceria com o MTur por meio da Embratur e afirma que a participação na Festuris é mais uma porta que se abre para consolidar o estado como um destino seguro e repleto de possibilidades. “Estamos prestes a lançar o ‘Minas para o Brasil’, segunda fase do programa de reposicionamento do estado como  Minas Gerais como destino turístico e que tem por objetivo a projeção nacional dos atrativos turísticos mineiros: nossa cultura, nossa cozinha mineira, nosso barroco, mais de 60% do patrimônio histórico nacional, 4 Patrimônios da Humanidade, uma natureza com paisagens incríveis e um turismo de experiência que vai desde circuitos urbanos a vivências rurais. A presença da Secult na feira, ao lado da Embratur, vai potencializar essa projeção e possibilitar que Minas Gerais esteja nas mais diversas vitrines de operadoras e agências de viagens de todo o Brasil”, ressaltou.

Reuniões com os principais players do mercado nacional e internacional para apoio e fomento a comercialização do destino Minas Gerais e divulgação do Portal Minas Gerais,  redes sociais promocionais  @visiteminasgerais e blog Daqui de Minas também estão previstas para a equipe da Secult presente na Festuris 2020.

*Todas medidas de segurança sanitária e distanciamento social serão adotadas pela equipe da Secult durante a presença na Festuris.

Seis equipamentos culturais unificam número telefônico e seguem reabertos com rígidos protocolos de segurança para receber visitantes.

Durante a fase mais aguda da pandemia, os museus da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) estiveram fechados e com a programação virtual intensificada. A partir de novembro, os espaços começaram a ser reabertos ao público, seguindo protocolos de saúde e segurança. Para facilitar o atendimento ao público e o acesso a informações, museus da Secult passam a ter, também, contato de telefone unificado: (31) 3058-1587.

As atividades e ações virtuais continuam nos espaços culturais e haverá uma programação híbrida, com parte presencial, parte on-line. O retorno das atividades presenciais tem seguido rigorosos protocolos, estabelecidos de acordo com as características específicas de cada local, para que o público volte a vivenciar experiências culturais com total segurança.

Na primeira semana de novembro, no dia 3/11, após sete meses de paralisação, reabriram suas portas Museu Mineiro, Centro de Arte Popular, Museu dos Militares Mineiros (em Belo Horizonte) e o Museu Casa Guimarães Rosa (em Cordisburgo). Uma semana depois, em 11/11, foi a vez do Museu Casa Guignard (em Ouro Preto) e do Museu Casa Alphonsus de Guimaraens (em Mariana) retomarem o atendimento presencial. A Biblioteca Estadual e o Arquivo Público Mineiro seguem sem atendimento ao público devido a decreto municipal. O Museu do Crédito Real, em Juiz de Fora, fechado para reestruturação da exposição de longa duração, ainda não tem previsão para reabertura.

Protocolos

Além da abertura com até 50% da capacidade do atrativo, os espaços da Secult estabelecem a ocupação das áreas com distanciamento entre as pessoas. Haverá avaliação a cada 21 dias para ampliação ou não do limite de participantes das atividades.

Os protocolos possuem especificidades dependendo do tipo de local. Assim, para a ocupação em teatros e espaços de espetáculos haverá marcação de assentos; já para museus há limitação de número de visitantes nas salas, além da habitual obrigatoriedade do uso de máscara e da utilização de álcool em gel.

Durante esta primeira fase de retomada, a visitação de escolas e atividades educativas estão suspensas e só retornarão quando houver sinalização de estabilização da pandemia pelo Estado de Minas Gerais.

Confira os horários de funcionamento dos espaços:

Museu Mineiro
Avenida João Pinheiro, 342 – Funcionários – Belo Horizonte
Terça a Sexta - das 12h às 19h
Sábado e Domingo - das 11h às 17h
Segunda-feira – Fechado

Museu dos Militares Mineiros
Rua Aimorés, 698 - Funcionários – Belo Horizonte
Segunda a Sexta - das 11h às 17h
Sábado e Domingo - Fechado

Centro de Arte Popular
Rua Gonçalves Dias, 1.608 – Lourdes – Belo Horizonte
Terça a Sexta - das 12h às 19h
Sábado e Domingo - de 11h às 17h
Segunda-feira – Fechado

Museu Casa Alphonsus de Guimaraens
Rua Direita, 35 – Centro – Mariana
Quarta a Sexta - das 12h às 18h
Sábado e Domingo - 9h às 15h
Segunda e Terça-feira – Fechado

Museu Casa Guignard
Rua Conde de Bobadela (Rua Direita), 110 – Centro – Ouro Preto
Quarta a Sexta - das 12h às 18h
Sábado e Domingo - das 9h às 15h
Segunda e Terça-feira - Fechado

Museu Casa Guimarães Rosa
Rua Padre João, 744 – Centro – Cordisburgo
Quarta a Domingo - das 12h às 17h
Segunda e Terça-feira - Fechado

Museu do Crédito Real
Avenida Getúlio Vargas, 455 – Centro – Juiz de Fora
Permanece fechado para readequação da exposição de longa duração.

 

Foto: Museu Mineiro

2

Protocolos do Minas Consciente, adotados e incentivados pela Secult, foram considerados adequados às recomendações de órgãos internacionais de turismo

Os protocolos de segurança sanitária do plano Minas Consciente, do Governo de Minas Gerais, adotados e incentivados pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) para a retomada gradual e segura das atividades turísticas e para a condução do programa Minas pra Minas, de reposicionamento do estado como destino turístico, foram aprovados pelo World Travel & Tourism Council (WTTC), ou Conselho Mundial de Viagens de Turismo, traduzido para o português.

Para a entidade, as diretrizes estabelecidas pelo Minas Consciente para o retorno das atividades comerciais estão de acordo com as recomendações internacionais dos órgãos de turismo envolvidos. Com isso, o destino Minas Gerais está habilitado para usar o selo de Viagem Segura da WTTC – o ícone é reconhecido por viajantes de todo o mundo e mostra que o destino turístico possui normas adequadas para o momento de retomada do turismo, estando apto a receber turistas com qualidade, segurança e consciência.

"Com o selo,  Minas Gerais dá mais um passo importante na retomada da atividade turística como destino seguro e agora, para além do Estado, a nível mundial, com o reconhecimento do Minas Consciente pela WTTC", afirma Leônidas Oliveira, secretário de Estado de Cultura e Turismo.

“Estamos entre os principais estados brasileiros que acompanham o crescimento das atividades turísticas no Brasil, segundo o IBGE, e obter a habilitação para usar um selo mundial que configura Minas Gerais como um destino turístico que cumpre protocolos internacionais de segurança reforça o reposicionamento que a Secult vem trabalhando para Minas Gerais: um destino de experiências seguras para todos os segmentos: cultura, patrimônio, cozinha mineira, turismo de aventura, roteiros rurais e urbanos, entre várias outras possibilidades”, ressalta a subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião.

A partir da autorização do uso da marca de segurança da WTTC, a Secult dará início ao processo de elaboração de procedimentos para solicitação do selo também para Instâncias de Governança Regionais, destinos turísticos mineiros, empresas habilitadas no programa Minas Recebe, da Secult, e para a iniciativa privada.

“Minas Gerais – 300 Anos de Literatura” propõe um resgate histórico e diverso da literatura mineira

Um olhar mais apurado sobre a formação literária do estado é a proposta da nova edição do Suplemento Literário de Minas Gerais. Ao partir da criação da Capitania das Minas Gerais, o caderno celebra os 300 anos de Minas e propõe reflexões a respeito da história mineira contada por meio de páginas e mais páginas ao longo de três séculos.

A edição especial comemorativa do Suplemento Literário foi lançada nesta quarta-feira (2/12), juntamente com as comemorações do aniversário do Estado, em evento com a participação do governador Romeu Zema e do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira. Ela está disponível nas versões digital e impressa.

Para Leônidas Oliveira, o caderno é muito mais do que um registro literário e histórico desse momento tão importante para os mineiros. “Minas Gerais foi pioneira na produção literária do país. Foi em nosso estado que começaram os primeiros movimentos, com narrativas sobre os costumes da época e, claro, sobre os desejos de liberdade. Resgatar essa história na Literatura, por meio do Suplemento Literário, é uma forma de preservar e fortalecer a memória e a identidade mineiras, celebrando toda a diversidade que nos caracteriza”, destaca o secretário.

Organizada por Jacyntho Lins Brandão, a edição “Minas Gerais – 300 Anos de Literatura” reúne textos de acadêmicos, escritores e estudiosos que se debruçaram sobre a trajetória literária mineira. Em mais de 40 páginas, o Suplemento Literário desvenda as muitas “Minas” que inspiraram escritores das mais variadas formas, tanto em aspectos geográficos e históricos quanto em sociais e econômicos.

Acesse AQUI o Suplemento Literário de Minas Gerais.

Ao reunir trabalhos sobre a Literatura em Minas, de Minas e sobre Minas, este número do Suplemento Literário se propõe oferecer um vislumbre do tricentenário a partir do momento em que o território recebeu a alcunha de Minas Gerais. O caderno também contempla registros e estudos sobre a fase em que a região já era ocupada, mas ainda não havia sido incorporada à Colônia.

“Nessa história convergem mais que 300 anos, procedentes de quando assim não era ainda nomeado. Não se pretende um levantamento exaustivo, mas a marcação de aspectos e momentos expressivos, de modo que a parte fale de algum modo pelo todo, na diversidade de vozes, lugares e temporalidades”, explica o organizador da edição, Jacyntho Lins Brandão.

Para além de um olhar em direção ao passado, o Suplemento Literário de Minas Gerais repensa a Literatura no estado relembrando a história de outros povos que contribuíram para a formação cultural em Minas. As narrativas de escravizados e indígenas complementam as páginas dessa edição, reverberando toda a pluralidade mineira contada de diferentes formas.

A edição impressa do Suplemento Literário de Minas Gerais Especial 300 anos de Literatura foi viabilizada graças a um esforço da Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais, da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, da Associação Amigos da Biblioteca, por meio de patrocínio da Gerdau.

 

capasup

Turismo Consciente

 

Está disponível, no Portal Minas Gerais, para os gestores de órgãos de turismo dos municípios mineiros, um questionário específico sobre a reabertura e funcionamento dos estabelecimentos e atrativos turísticos locais. Com isso, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) tem o objetito de fortalecer a atividade turística e manter atualizados os visitantes que se deslocam para conhecer as belezas e culturas de Minas Gerais.

As informações são incluídas pelos próprios municípios, que têm acesso à plataforma integrada do turismo, e ficarão disponíveis nas páginas que cada destino possui no portal. Dessa forma, os dados fornecidos podem ser acessados pelos turistas que procuram por informações como protocolos de segurança sanitária e reabertura de atrativos e serviços turísticos para melhor planejamento de suas viagens.

Para a subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, é de extrema importância que todos os municípios preencham o questionário. “A participação efetiva de todos os municípios mineiros engrandece a retomada consciente e segura das atividades turísticas no estado, além de contribuir para que o retorno dos turistas às terras mineiras aconteça de forma organizada, assertiva e direcionada. É importante reforçar que o trabalho em conjunto é o fator de sucesso do desenvolvimento da atividade turística em Minas Gerais”, pontuou Marina.

Até o dia 05/11, 147 municípios mineiros responderam ao questionário e os dados já estão disponíveis em www.minasgerais.com.br .

Bop games

Objetivo do campeonato também envolve a promoção de roteiro turístico esportivo em Belo Horizonte

 A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo  (Secult) é apoiadora do festival belorizontino BOP Games, o maior evento multiesportivo da América Latina e o primeiro a acontecer em formato virtual: por dois fins de semana consecutivos – dias 5, 6, 12 e 13 de dezembro – serão 40 horas de transmissão ao vivo de competições.

Ao todo, serão seis modalidades, divididas em várias categorias: CrossFit, Levantamento de Pesos (LPO), Powerlifting, Jiu-Jitsu, Corrida, Street Workout (Calistenia), e Trickline (Slackline). As modalidades contarão com fases classificatórias e finais.

Roteiro Turístico Esportivo

Premiado em 1º lugar como Melhores do Ano CF da Agência OneBYOne Sports – SP (2019) e 2º lugar como Evento Revelação (2018), o BOP Games ganhou destaque no cenário do esporte nacional, também, com o fomento à atividade turística na capital mineira: um dos objetivos do evento é, também, fazer com que Belo Horizonte seja conhecida como a capital ideal para a prática de atividade física ao ar livre.

Por isso, na estreia do evento, haverá a apresentação de um vídeo institucional com a sugestão de um roteiro para a prática de lazer e atividade física ao ar livre na Pampulha, patrimônio cultural da humanidade.

 Alcance

Somente no ano passado, foram quase 4 mil atletas participantes e 14 mil espectadores em dois dias. Em 2020, já são aproximadamente 2000 atletas de elite, brasileiros e estrangeiros (Argentina, Chile, Colômbia, Portugal e Luxemburgo), e campeões mundiais de alta performance.

Para assistir, o espectador pode retirar seu ingresso gratuitamente no site bopgames.com.br/online-edition. As competições ocorrerão simultaneamente em todos os canais do BOP Games na internet: Youtube e Instagram. A programação completa está no site do evento e também no www.minasgerais.com.br.

 Foto: Bop Games 2019 (Divulgação)

Prazo vai até 27 de novembro; Serão oferecidos prêmios no valor total de R$ 2.400,00, divididos em três categorias

concursofaop

A Fundação de Arte de Ouro Preto | FAOP está com inscrições abertas para o 48º Concurso Nacional de Presépios. Até o dia 27 de novembro, pessoas criativas do Brasil inteiro podem se inscrever gratuitamente para participar. O objetivo da iniciativa é valorizar a tradição cultural-religiosa e preservar essa expressão artística tão significativa para a população brasileira. A Fundação de Arte de Ouro Preto | FAOP está com inscrições abertas para o 48º Concurso Nacional de Presépios. Até o dia 27 de novembro, pessoas criativas do Brasil inteiro podem se inscrever gratuitamente para participar. O objetivo da iniciativa é valorizar a tradição cultural-religiosa e preservar essa expressão artística tão significativa para a população brasileira. 

Para participar, basta preencher a ficha de inscrição, disponível  no site da FAOP, na aba “Editais” e entregá-la pessoalmente ( na sede da Rua Getúlio Vargas, 185, Rosário, Ouro Preto - MG), ou pelos Correios, acompanhada da documentação e do presépio até a data de encerramento do edital.  As postagens  pelos Correios devem ser enviados até o último dia da inscrição.

Serão oferecidos prêmios no valor total de R$ 2.400,00, divididos da seguinte forma:

R$ 1.000,00 para o primeiro lugar do júri técnico;·
R$ 700,00 para o segundo lugar do júri técnico;·
R$ 700,00 para o primeiro lugar escolhido por votação popular.

“Estamos vivendo em um momento complexo (devido à pandemia do novo coronavírus), mas não podemos deixar de estimular essa expressão cultural tão rica e relevante para o país. Por isso, a população também poderá conhecer os presépios e votar pelo Instagram da FAOP”, explica a presidente da FAOP, Julia Mitraud. 

A votação online contabilizará o número de curtidas de cada trabalho, cuja fotografia será postada pela  Assessoria de Comunicação da FAOP, no perfil institucional do Instagram (@faop_minas).

Os presépios inscritos ficarão expostos, de 4 de dezembro a 6 de janeiro de 2021, na Galeria de Arte Nello Nuno. No entanto, é importante lembrar que alterações e adequações podem acontecer a qualquer momento, conforme orientação do comitê extraordinário COVID-19. 

No ano passado, na 47º edição do concurso, o presépio eleito pela votação popular foi criado por alunos com deficiência intelectual da Escola Municipal de Ensino Especial Santo Antônio de Belo Horizonte. As bonecas Ritxòkò, dos povos indígenas do Tocantins, foi a inspiração da obra que cativou o público.

“Com essas bonecas, os Carajás aprendem de maneira lúdica os ritos, a cultura, as tradições do povo e o presépio também é uma representação lúdica de uma tradição, de um rito, de uma cultura”, explica Priscilla Angélica Viana Carneiro, que trabalha na oficina de artesanato da escola.

Carneiro também destaca o impacto do concurso nos estudantes. “Esse tipo de trabalho é uma forma de aproximar a arte da realidade dos nossos alunos. Ações como essa têm uma importância, um significado na vida desses alunos, que não tem como descrever em palavras. É uma oportunidade de, além de incentivar a cultura, mexer também com a autoestima dessas pessoas. Então, foi muito importante, muito gratificante e muito emocionante.”

Inscrições e etapas
O edital e a ficha de inscrição podem ser acessados no site da FAOP, na aba “Editais”. Clique AQUI. Após a etapa de inscrição, que vai até o dia 27 de novembro, o concurso ainda terá seis fases:

· 30/11 e 01/12 — pré-avaliação e seleção dos presépios (que devem estar em conformidade com o Artº 7 do edital);· 02 e 03/12 — montagem dos presépios que serão expostos;
· 04/12 a 06/01/2021 — exposição com urna de votação para os visitantes;
· 04/12 — análise, classificação e divulgação do júri técnico;
· 08/01/2021 — apuração da votação popular e divulgação do vencedor;

Até abril de 2021 — entrega dos prêmios.

Serviço
48º Concurso Nacional de Presépios da Fundação de Arte de Ouro Preto - FAOP
Inscrições: 02/10/2020 a 27/11/2020
Local: Rua Getúlio Vargas, 185, Rosário, Ouro Preto - MG
Ficha de Inscrição e Edital: Site da FAOP

Imagem: Obra premiada pelo júri popular em 2019 /Filipe Barboza

 

Festival Cataratas

Participação da secretaria no evento em Foz do Iguaçu acontece por meio de parceria com a Embratur

Mais uma feira de negócios e turismo está na lista de presença da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) em 2020: desta vez, a participação é no Festival das Cataratas, que acontece entre os dias 2 e 4 de dezembro em Foz do Iguaçu, no Paraná. O evento acontece de forma presencial com o cumprimento de todos os protocolos de segurança sanitária recomendados pelas autoridades de saúde.

A Secult participa do Festival das Cataratas em parceria com a Embratur, após ter a inscrição e documentação aprovadas. Na oportunidade, a equipe da secretaria  promove o destino Minas Gerais para agentes e operadores nacionais e América do Sul, com a ampla disseminação  da recém conquista do  selo Viagem Segura, do World Travel & Tourism Council (WTTC) que elege Minas Gerais como um destino seguro para receber seus turistas. 

Novos produtos e experiências comercializadas pelas empresas habilitadas no programa Minas Recebe, da Secult, também serão divulgados tanto nos atendimentos no estande quanto nas reuniões com os principais players do mercado a fim de aumentar a comercialização de Minas Gerais.

Na programação consta também a palestra “Minas Gerais: Experiências Únicas e Inesquecíveis”, que será realizada na sexta-feira (4/12), às 15h, pela subsecretária de Turismo da Secult, Marina Pacheco Simião, com objetivo de capacitar o público presente.

“Temos a satisfação de realizar mais uma importante ação em parceria com a Embratur para a projeção nacional de Minas Gerais como um destino turístico. Participar do Festival das Cataratas amplia as chances de colocar Minas Gerais nas vitrines das operadoras e agências de viagens brasileiras por meio dos serviços e roteiros turísticos ofertados no estado, em especial, pelas empresas habilitadas no Programa Minas Recebe”, afirmou Marina.

A programação completa do Festival das Cataratas pode ser acessada em https://festivaldascataratas.com.

 Sondagem Turismo Criativo

Instâncias de Governança Regionais são as convidadas a participarem do mapeamento; objetivo é entender como a tendência é vista no estado

O Turismo Criativo é uma prática que conecta os turistas aos lugares de um jeito diferente: enaltece o potencial inovador do visitante por meio de experiências locais. Em consideração ao poder desta tendência mundial de turismo, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), por meio do Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG) e do Núcleo de Turismo Criativo, deu início à Sondagem Turismo Criativo 2020. O objetivo é analisar o entendimento, a avaliação, a identificação e as contribuições das Instâncias de Governança Regionais (IGRs) de Minas Gerais acerca do Turismo Criativo.

A subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, explica que é fundamental a participação ativa das IGRs para que a análise dos dados seja consistente e para que a sondagem possa servir de base para ações conjuntas em prol do Turismo Criativo. “Queremos entender como cada IGR enxerga essa tendência e também como veem as possibilidades de colocar isso em prática, visto que cada vez mais turistas buscam por experiências diferenciadas, que agregam mais valor às suas viagens em termos de conhecimento, socialização, experimentação, exclusividade e diversidade. Esse rastreamento é muito importante para que a Secult conduza ações de forma a abranger todos os territórios, com respeito às especificidades de cada um”, afirmou a subsecretária.

Além de compreender a visão das IGRs sobre o tema, a sondagem também vai servir como um mapeamento inicial sobre a prática do Turismo Criativo e assuntos relacionados, como criatividade, economia criativa, setores criativos, turismo de experiência e turismo gastronômico. Cada IGR poderá enviar apenas um formulário, que está disponível AQUI e deve ser respondido pelo presidente ou gestor da instância até o dia 12 de dezembro de 2020.

Webinário sobre Turismo Criativo

No dia 15/10, a Secult promoveu uma edição da série “Webinários Turismo – Políticas de Turismo e Marketing”, sobre Turismo Criativo e as possibilidades para Minas Gerais. O objetivo foi inspirar as IGRs e os receptivos turísticos a diversificarem a oferta de seus produtos e serviços por meio do turismo de experiências. A live foi transmitida pelo canal da pasta no Youtube e está disponível, na íntegra, AQUI.